De opressor

 

Por Maria Lucia Solla

 

Professor

 

O que mais me deixa triste e desesperançada é a situação da educação no Brasil, que vem sendo corroído pela empáfia, pela baba da raiva, pelo preconceito, pela visão e divisão terrorista de classes – para melhor manipulá-las -, pela ignorância glorificada e pelos desmandos da quadrilha que se instalou no Planalto Central e nos vales e grotas do país inteiro. Virou moda. Modo de Vida. Desandou.

 

E o que fazer? Ora, se tudo o que se faz, se faz no coletivo! É preciso pertencer a um partido, associação, esquadrão, classe, clube, quadrilha, qualquer coisa. Pensar no indivíduo, na sua singularidade? Tudo virou massa a ser sovada até que perca a consistência e possa ser manipulada ainda mais facilmente. O indivíduo é engolido pela pasta humana.

 

Então meu caro, se tiver coragem, o negócio é lutar contra a maré e investir em você mesmo, nele, no cara, no teu filho, sobrinho, afilhado ou vizinho, que a receita melhora. A bicicleta não anda se um dos pneus está furado. É preciso enfrentar o risco, a experiência de não ter os pés no chão. É preciso experimentar, construir e desconstruir, errar e acertar, para que se possa alcançar a liberdade de ser.

 

Eu começaria por soltar o aluno e eliminaria do dicionário a palavra professor. É preciso que o profissional que vai orientar o aprendizado das crianças, adolescentes e adultos, seja preparado holisticamente. Que seja um Mestre na sua arte, mas um cardápio em pessoa. Não se pode preparar crianças do terceiro milênio, como se fossem infantes do século dezessete. Precisam de mais. Como é que se aprisiona numa sala pequena, desconfortável e desinteressante, a gurizada que está na idade da inquietude em todos os corpos, da fome em todos os sentidos, na busca da identidade!

 

Ninguém ensina ninguém! Não adianta confinar e querer que cabecinhas em ebulição decorem datas importantes – para quem? – e regras gramaticais – para quê?.

 

Tanto dinheiro jogado fora, e tanto bandido cria da escola!

 

Mas antes de terminar este texto assim confuso, tal e qual a minha pessoa, hoje!, quero dizer que no Lexigrama de PROFESSOR, de pronto, encontro a palavra OPRESSOR, que é composta por seis das sete letras da palavra professor, e não gosto do que vejo.

 

Aqui vai uma provinha para você: PROFESSOR
OPRESSOR
eu PROFESSO
mas não tem ele PROFESSA
PROFESSAR
SOPRO e depois não quer que o aluno cole
POSSO e POSSE, mas não tem POdE
SORO
SERRO O FERRO
PORRE
SOFRE
OSSO duro de roer
ESSO
ROER

E por aí vai.

 

Obrigada pela companhia, divirta-se, ou não, e até a semana que vem.

 


Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Escreve no Blog do Mílton Jung