Pode me chamar de Francisco: filme para ser assistido e querido por todos

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“Pode Me Chamar de Francisco”
Um filme de Daniele Luchetti
Gênero: Série Biografica
País:Itália

 

Biografia do papa Francisco. Originalmente chamado de Jorge Maria Bergolio, o papa teve sua vocação descoberta em Buenos Aires, Argentina, que, em 1960, passava por uma ditadura que não poupava nem os padres. Em meio ao conturbado momento político um dos seres humanos mais benevolentes era querido por todos.

 

Por que ver:

 

Em vários momentos a série tem acontecimentos bem tensos. Sabe aquela coisa de segurar a respiração…. Então, boa parte da vida do Papa foi assim, se arriscando para ajudar ao próximo e em que acreditava ser o correto.

 

O diretor é o mesmo do filme “Meu irmão é filho único”, e para esta pegada de filme político ele realmente manda muito bem.

 

As cenas são realistas, do tamanho certo, e sem sensacionalismo ou exagero na exaltação da humanidade de Bergolio.

 

Bergolio era um homem sensacional, humano, benevolente e sempre, sempre que possível livre de julgamentos. Um Papa no sentido mais espiritual da palavra…

 

Como ver:

 

À noite é uma boa pedida. Apesar de momentos tensos, não vai te tirar o sono, nem te fazer dormir rápido demais… Pode convidar a família…Avós e etc…

 

Quando não ver:

 

Se você quiser manter a rixa Brasil x Argentina… Com este Papa seus conceitos vão mudar hahahahahahah…

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

Billions: qual é o seu lado B?

 

 

FILME DA SEMANA:
“Billions”
Uma série de Brian Koppelman, David Levien e Andrew Ross Sorkin
Gênero: Drama
País:USA

 

Um “self made man” genial e bilionário ocupa a mente, dia e noite, de um competente e perturbado promotor de justiça que quer prendê-lo a qualquer custo.

 

Por que ver:

 

A história é bastante inteligente, com alguns detalhes técnicos do mundo jurídico e financeiro, mas sem ser chata… Sabe aquela sensação de gostar do bandido? Então… É exatamente o que vai acontecer com você nesta série.

 

O promotor Rhoades, é um personagem menos cativante que o Bobby Axelrod e tem um lado B muito sombrio… Sua ética é duvidosa apesar dele querer fazer justiça. Já o Axe, é um cara que comete crimes financeiros mas queremos arrumar um jeito para salvar este personagem, afinal ele é tão bacana…

 

Um bandido com um lado humano incrível, um mocinho com lado obscuro terrível…(rima infame rsrsrs)

 

E ai qual é o seu “lado B”?

 

Como ver:

 

Com tempo… Um capítulo vai ser pouco. Se prepare para maratona.

 

Quando não ver:

 

Com alguém que você goste que está fazendo delação premiada ou com aquele amigo “bacana mas bandido”… Vai pintar um climão!

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

“Stranger Things”: um terror, uma declaração de amor e está no Netflix

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“Stranger Things”
Uma série original Netflix dirigida pelos Duffer Brothers
Gênero: Terror/suspense,drama
País:USA

 

Quatro garotos, no melhor estilo ”Goonies”, são amigos inseparáveis. Um belo dia, um deles som, e estranhos acontecimentos assustam moradores da cidade. Um detetive determinado a resolver o caso misterioso envolvendo uma importante central de pesquisa nos conduz a uma trama inteligente .

 

Por que ver:

 

A série é uma declaração de amor à decada de 80, além de evidentes referências cinematográficas e literárias da época como Stephen King, Spilberg ,Amazing Stories, Conta Comigo e, provavelmente, outras que eu  não tenha “pescado”.

 

O elenco é muito carismático, bem dirigido e as atuações muito dignas de nota, em especial a menina que faz o papel da “Eleven”.  Ela se chama Millie Bobby. Que loucura os tempos de interpretação desta criança! Perfeita, maravilhosa! Corro o risco de dizer que é a mini Meryl Streep!

 

O roteiro sem monotonia cativa do primeiro minuto ao último.

 

Como ver:

 

À noite, no melhor clima “terror”possível. Não é aquela pegada “O Exorcista” que envolve espíritos na trama, pois aí eu não teria visto: morro de medo!

 

Quando não ver:

 

Não recomendo para crianças. As chances de pesadelo são enormes!

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

 

Drop Dead Diva: série pra ser vista e se aceitar

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:

 

“Drop Dead Diva”
Uma série de Josh Berman
Gênero: Comédia/ Fantasia
País:USA

 

Uma linda e fútil modelo e uma brilhante e gordinha advogada morrem no mesmo dia e na mesma hora. No céu, a modelo aperta um botão de “retornar” e acaba entrando no corpo da advogada, assumindo sua vida , seu QI e seu guarda roupas.

 

Por que ver:

 

É uma série muito divertida e leve que realmente merece ser vista.

 

A princípio nossa tendência é pensar : “meu Deus já imaginou reencarnar em uma super gordinha, sendo que seu corpo original é deslumbrante. Nossa deve ser desesperador”.

 

Outro pensamento que nos ocorre: “pronto, agora a alma da modelo vai fazer esta gordinha emegrecer e assim tudo vai dar certo”.

 

Mais um: ”não é possível que o antigo amor da modelo vá se apaixonar por alguém com esta aparência”…

 

A medida que a série passa, percebemos que esta frivolidade deixa e muito de se tornar importante. Nos conectamos de tal maneira com a personagem que começamos a achar a Jane (a gordinha) muito mais legal que a antiga modelo (Deb). E chegamos a conclusão de que preferímos “ser”a Jane do que a Deb.

 

Uma reflexão bem bacana sobre auto-aceitação e o que é realmente importante na vida.

 

Como ver:

 

A qualquer horário e de preferência com aquela menina adolescente que não se aceita. A mensagem é tão bacana e tocante que vale a pena.

 

Quando não ver:

 

Se você quiser dormir cedo. Será inevitável assistir a mais de um episódio por vez.

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

White Collar: você vai torcer por esta amizade quase impossível

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“White Collar”
Uma série de Jeff Easting
Gênero: Série investigativa/comédia
País:USA

 

Neal Cafrey, ladrão e falsificador, começa a ser consultor do FBI, ou melhor, consultor de seu algoz do FBI. Juntos, eles caçam grandes bandidos, desvendando de maneira inteligente alguns crimes muito elaborados.

 

Por que ver:
Para começar, devo dizer que é realmente empolgante assistir a um gato incrível como Matt Bomer agir como um charmoso e elegante bandido.

 

A série é beeemmm levinha e interessante. Os roteiros inteligentes nos permitem somar vários conhecimentos inúteis para o hall de coisas “importantes, só que não”,do nosso HD interno.

 

A maior parte dos crimes é relacionada ao mundo das artes, o que é um ponto a mais para o “chame da série”.

 

A dupla carismática formada pelo “Peter”, agente certinho e competente do FBI, e “Neal”, marginal cativante e gênio, vai fazer você torcer por esta amizade.

 

A melhor definição para série é que ela sem dúvida alguma é muito divertida!

 

Como ver:
Crianças que já sabem ler podem ver. Acredito que as de oito anos para frente se interessarão na série, bem como toda a família. As cenas mais “pesadas”são levinhas….

 

Quando não ver:
Tem algum amigo cléptomaníaco? Bom, melhor não convidá-lo…Vai que você dá alguma ideia, né?!!!!

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

The Paradise: leve, gostosa e inocente

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“The Paradise – série”
Um filme de Bill Gallager
Gênero: Série de época
País:Inglaterra

 

Um homem, Mr. Moray, abre loja de departamento em meados do sec XIX. As técnicas do varejo ajudam a permear uma história de amor entre Moray e sua vendedora mais perspicaz, Denise. Logicamente, esta história será muitas vezes interrompida por intrigas e ciúme.

 

Por que ver:
Para quem gosta de séries e filme de época, esta é bem levinha, gostosa e inocente. Para as pessoas ligadas de alguma maneira ao marketing e ao varejo, certamente vão se deliciar com a inteligência dos personagens principais em criar uma atmosfera que propicia a venda de seus produtos.

 

Como ver:
Neste frio, acho bem gostosa de assistir com qualquer que seja a companhia e de preferência com uma cobertinha e pipoca.

 

Quando não ver:
Se estiver lançando algum capítulo de “Game of Thrones” novo! rsrsrsrsrsr

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

The Borgias: uma obra-prima que reúne talento, arte e intriga

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“The Borgias”
Uma série de Neil Jordan
Gênero: drama, romance , épico
Produção: canadense-hungara-irlandesa

 

A série é baseada na história da familia Borgia, proeminente família de origem espanhola que se tornou a mais poderosa da Itália na época da Renascença… Uma família conhecida por cometer vários crimes, incluindo adultério, simonia, roubo, estupro, corrupção, incesto e assassinato (especialmente por envenenamento)

 

Por que ver:
Além de ser uma obra-prima, fala sobre a história mundial daquele período riquíssimo em arte, Michelangelo, Leonardo e etc…

 

Jeremy Irons interpreta o papa Alexandre VI e acredito ser o papel de sua carreira…

 

A parte política cheia de detalhes, intrigas, jogadas de mestre, guerras, articulações é excepcional. O filho do Papa, O Cesare Borgia, foi a inspiração de Maquiavel para escrever “O Príncipe”, para vocês terem ideia do que lhes aguarda…

 

Os figurinos, cenários, linguagem são perfeitos, também…

 

Tem tantas curiosidades. Leonardo Da Vinci foi o primeiro a desenvolver uma arma de fogo portátil: uma espingarda. Não era um escândalo, mulheres grávidas sem ser do próprio marido … Enfim um mar de detalhes interessantes para você explorar.

 

Eu desconhecia várias passagens desta parte da história; não sei como vivi até agora sem elas … hahahahahah.

 

Como ver:
É bem pesado, mas rola assistir com amigos e familiares…Menos filhos menores de 16, tá?

 

Quando não ver:
Não sei se tem em aviões… Mas não veja em lugares onde você não terá acesso aos próximos capítulos… Outra informação, a série acaba antes da morte do Papa e a derrocada final da família…Se você se incomodar em ficar sem um final para os principais personagens, não assista, mas agora que assisti a série todinha, esse certamente não seria um motivo contundente…. Eu pude descobrir o final da história na internet.

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

The Bridge: um corpo, dois policiais e uma série imperdível

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“The Bridge”
Uma série de Gerardo Naranjo
Gênero: Suspense Policial
País:USA

 

Um corpo é achado na fronteira do México com os Estados Unidos…Uma metadizinha para cá ,outra para lá…Exatamente…!!! Então, um policial mexicano conformado e uma policial CDF americana começam a investigar o crime.

 

Por que ver:
Em 8 adjetivos: eletrizante, angustiante, genial, original, agressivo, misterioso, paralizante, crível …Não consigo definir com uma só palavra para esta série . Um dos melhores suspenses policiais que já vi na vida. O roteiro é impagável, os atores e direção perfeitos e na medida!

 

Genial, gostaria de ver uma continuação já que só tem até a segunda temporada.

 

Como ver:
Em casa, com quem quiser e tiver estômago forte. Não é nada apropriado para crianças.

 

Quando não ver:
Após comer, ou se tiver em recuperação “unhas” (acabei de inventar o termo), pois se você for um roedor de unha contumaz, ah, meu amigo, esqueça esta série pois não vai existir cotoco para contar história.

 

Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Dá dicas de filmes e séries aqui no Blog do Mílton Jung

A Polícia Federal e o lava jato de Walter White

 

Por Milton Ferretti Jung

 

2

 

Walter White,um frustrado professor de química que dava aula dessa matéria em um Instituto,pai de um adolescente prejudicado por paralisia cerebral e marido de uma mulher grávida,foi diagnosticado com um câncer no pulmão. Perto disso,os seus problemas anteriores passaram a segundo plano. Sua preocupação maior era que,se morresse em consequência da doença,deixaria financeiramente mal sua família.

 

Resumi,no primeiro parágrafo do meu texto desta quinta-feira,o que vi em uma das melhores séries a que assisti na TV, Breaking Bad. Comparo-a apenas com 24 Horas,estrelada pelo ator Kiefer Sutherland,que fez o papel de Jack Bauer,protagonista do seriado, que me fez lembrar os heróis de histórias em quadrinhos,lidas por mim quando menino.

 

Quem teve o prazer de seguir as peripécias de Jack Bauer, que me desculpe por estar contando uma série a qual já assistiram. Os felizes telespectadores, que viram o ator Kiefer Sutherland em uma de suas melhores atuações,devem estar ansiosos para que ele volte ao écran como protagonista de 24 Horas. Ao mesmo tempo,talvez estejam se perguntando aonde pretendo chegar com tão longo intróito. Já para quem não conhece o seriado,vou me permitir fazer mais um pouco de propaganda dele. Como não creio que volte à TV,se estiverem interessados,comprem a série em um pacote de CDs.

 

Retorno ao início do texto e trago de volta Walter White,na série interpretado por Bryan Cranston. O desespero de Walter diante do medo de deixar sua família na miséria aos poucos transformou-o em um produtor de metanfetamina. Afinal,ele era um químico experiente e viu na violenta droga um jeito de deixar ricos sua mulher e os dois filhos,mesmo sabendo que o seu cunhado era um policial do setor que combatia narcotraficantes. Daí para a frente,Walter White sofreu transformação radical,misturando-se aos traficantes e mafiosos que contaminaram a sua personalidade,reta até aquele momento,a fim de se convertendo-se em um sujeito sem escrúpulos quando se tratava de obter o que queria.

 

Sua mulher,que pensava cuidar das finanças de Walter, pressentiu que ele ficara ganancioso e seu interesse ia além da preocupação de um homem que pretendia deixar a sua família,caso viesse a morrer de câncer,em confortável situação financeira; usou-a para esconder os ganhos exagerados e sem explicação,colocando-a para cuidar de um… lava jato. Quando estouraram os escândalos,envolvendo empresários,políticos e toda espécie de patifes,passou pela minha cabeça a ideia de que a nossa Polícia Federal – que Deus a conserve – tenha aproveitado o nome do posto da esposa de Walter White para a sua operação Lava Jato. Oxalá,possa a PF limpar toda a sujeira que se esparramou por este Brasil recheado de gananciosos.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, publica seu texto no Blog do Mílton Jung (o filho dele)