Foto-ouvinte: Linha amarela do Metrô

 

A linha amarela do metrô de São Paulo passa a operar, em breve, no trecho Paulista/Faria Lima. O ouvinte-internauta Luis F. Gallo, diretor de fotografia e nosso colaborador, esteve no fim de semana visitando o local, devido a compromissos profissionais, e registrou para o Blog do Mílton Jung, imagens de como serão os trens, a estações e o centro de operações. Entusiasmado, escreveu: “Maravilhoso para mim paulistano da gema ver de perto a magnitude do projeto, áreas de embarque mais seguras, sistema de energia aéreo, os trens automatizados dispensando condutores, trânsito entre vagões, ar-condicionado perfeito e saída de emegência frontal. Paulistanos tão carentes por boas notícias, espero que essa seja um alento …”

11 comentários sobre “Foto-ouvinte: Linha amarela do Metrô

  1. Os trens atuais do Metrô de SP presentes nas outras linhas já são automatizados, e teoricamente dispensam a presença dos condutores – os mesmos ficam nas cabines para uma eventual emergência, conduzindo o trem em modo semi-automático ou manual…mas na maioria das viagens ele está ali apenas por uma fator psicológico – quem é que teria coragem de entrar no trem sem condutor?

    Os trens novos são bonitos, tem um design meio futurista.. percebam que as saídas de emergência ficam na frente e traseira do trem, os passageiros andarão até a estação mais próxima em casos extremos – dispensando os corredores e acessos intermediários, o que fez cair o custo geral do projeto.

  2. Quem anda ou já andou no Expresso Leste sabe:
    1. Sistema de energia aéreo é igual a velocidade menor
    2. Trânsito entre vagões: ter porta não significa ter acesso; no EL, todas ficam trancadas
    3. Saída de emergência frontal: apenas ela ou todas as outras laterais e mais ela?

    Por fim, trem automatizado pode significar menos emprego para maquinistas (ia falar de falhas, mas tanto o computador quanto o homem podem errar de forma grave).

  3. Conversando hoje com um funcionário da SSO da estação Consolação, fui informado que a estação Paulista provavelmente seria inaugurada nesta terça, 30/03, mas a operação comercial ainda não tem data certa, talvez em meados de abril, para dar tempo para os testes e para a visitação controlada, como ocorreu com a estação Sacomã.

    Da estação Consolação dá para ver que a estação Paulista já está prontinha, só o acesso mesmo é que não está liberado. É possível ver até as esteiras rolantes. Vamos torcer para que essa linha entre em operação logo!

  4. Fiquei feliz de ver as fotos da linha amarela.. acho que é um grande passo na evolução da cidade. Quanto aos trens serem totalmente automaticos, não creio que va acabar com empregos, so ira exigir mais conhecimento para um outro tipo de vaga forçando profissionais a evoluirem…

  5. Eugênio,

    não sou nenhum especialista, mas vai minha opinião:

    1) A velocidade menor não é culpa do sistema de caternárias presente na CPTM e agora na linha 4 do metrô. Se os motores elétricos do trem forem mais potentes e/ou voltagem/amperagem maior, a velocidade do trem melhora;

    Você deve estar se referindo ao famoso trem espanhol.. os motores dos trens antigos eram mais potentes que o trem “novo”. Reparou que o trem espanhol não havia sido colocado para rodar na linha Brás – Calmon Viana, atual linha 12,safira? O motor do trem simplesmente não possuía força necessária para subir as grandes ladeiras da linha..

    2) As portas entre trens da linha 4 ficarão sim abertas, porque como disse as portas de emergência são frontais e traseiras. (a não ser que eles abram os acessos as vagões só em uma emergência, mas isso definitivamente não funciona). Vai ser a 1a. vez que estas portas ficarão abertas porque, como você lembrou, na CPTM elas ficam fechadas;

    3) As laterais não serão abertas em emergência porque não existem aqueles corredores lateral para pedestres nos túneis para que os mesmos pudessem ser menores. Mas você têm razão – a portal frontal e traseira não dá boa vazão.. em casos de pânico, isso vai ser um problema..

  6. Henrique Poyatos/Eugênio, seguem alguns esclarecimentos:

    1) Os trens da linha 4 não terão portas entre os carros. A passagem será livre, assim como é nos ônibus articulados.

    2) A linha possuirá sim corredores laterais. O projeto original contemplava apenas as saídas frontais, mas por conta de algumas deteminações (não lembro de quem), foi modificado.

    3) Sobre os trens da Série 2100 (espanhol), é muito estranho ele não ter força para rodar na linha 12, visto que ela foi construída exatamente para ser mais suave em termos de rampas (e a fizeram cheia de curvas!). A linha 11, sim, é um problema, principalmente entre Vila Matilde e Artur Alvim. O verdadeiro problema desse trem nessas duas linhas foi o vandalismo. Houve problemas também na linha 7, dessa vez sim por causa das fortes rampas. Inclusive, um trem pegou fogo na descida (na verdade, foi seu banco de resistores, utilizado na frenagem dinâmica)

    4) A utilização de catenária na linha 4 visa permitir menores custos, pois a tensão de alimentação por terceiro trilho (usado nas linhas 1, 2 e 3) é limitada a 750 V, caso contrário corre o risco de a isolação não aguentar. A catenária também permite maiores velocidades, tanto que o TGV Francês sempre a utilizou (nas linhas novas, a tensão é de 25 kV). Ao permitir o aumento da tensão (no caso específico da linha 4, para 1500 Volts), O número de subestações primárias necessárias foi reduzido a uma (SE Vital Brasil), ao invés de duas. A tensão de alimentação não é problema, visto que os trens atuais a modificam de acordo com o desempenho desejado utilizando controles de tração do tipo VVVF (Variable Voltage Variable Frequency, Tensão e Frequência Variáveis).

    5) Potência do motor não é sinônimo de velocidade. Os trens (que possuem formação básica M-R-R, ou seja, 1 carro-motor para 2 carros-reboque) da Série 2100 possuem 1160 kW potência e chegam a 140 km/h (eles foram capados a 90 km/h, que é a velocidade máxima da rede da CPTM). Já os trens das séries 1600 (linhas 11 e 12, formação M-R-R) possuem 1372 kW, mas a máxima deles é 100 km/h.

  7. Por um lado, fico muito feliz em saber que em breve, finalmente teremos mais quilômetros de metrô em SP, afinal acredito que investimentos em transporte coletivo de massa como esse, amenizará muitos problemas na cidade.
    Por outro lado, fico tenso só de pensar em usar a linha 3-vermelha, todo santo dia. A superlotação nos horários de pico gera outros problemas de comportamento entre os usuários: brigas, empurra-empurra, desrespeito, só para citar alguns. Os atrasos são frequentes, a justificativa muitas vezes é o congestionamento entre os trens, isso quando as famigeradas falhas técnicas não ocorrem, onde o dano é maior.
    A linha 3-vermelha entre as estações Corinthians-Itaquera e Belém, fica entre a Av. Radial Leste e a linha 11-Coral da CPTM. Neste trecho, as estações Corinthians-Itaquera e Tatuapé são compartilhadas pelo Metrô e CPTM, mas não de forma gratuita. Não existe corredor de ônibus na Av. Radial Leste. O problema da linha 11- Coral da CPTM, a meu ver foi a implantação dela, que resultou do fechamento de várias estações da antiga linha Brás(Roosevelt) – Estudantes(Mogi das Cruzes) e do aproveitamento do que seria um ramal de metrô entre Itaquera e Guaianases, composto pelas estações: Corinthians-Itaquera, Dom Bosco (Av. Jacu-Pêssego), José Bonifácio (Cohab II) e Guaianases. Apesar das alegações do governo Mário Covas na época, de que seria um trem expresso, espanhol e com ar condicionado, o fato é que o Conjunto Habitacional José Bonifácio (Cohab II), um dos mais populosos da América Latina e Guianases ficaram sem o tão sonhado metrô, e todos sabem dos benefícios econômicos como a valorização dos imóveis, comércio e empregos, que uma estação de metrô trás. A realidade hoje, a meu ver, é que o “Expresso Leste” serve principalmente para atender os municípios da grande São Paulo como Ferraz, Poá, Suzano e Mogi. Será que não daria para implantar um “monotrilho” na Radial? Porque o Metrô preferiu não ser estendido até Guaianases?

  8. Ai ai…a lenda da linha 4 do metrô. Irei contar essas história para o meu neto, tenho certeza que ele irá adorar. Idealizada em 1940, com o traçado consolidado em 1968, o projeto consolidado em 1993 e apesar de ser divulgada em 1995 a linha está em construção desde 2004. Seus prazos já foram alterados N vezes e a entrega do primeiro trecho da linha amarela poderé demorar até 9 meses a mais (fonte: site R7).

    E a novela continua…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s