De todos nós

 


Por Maria Lucia Solla

nos

 

Se você tem problemas, acredite, tem muita gente, mas muita gente mesmo passando pelo mesmo tipo de estrada: esburacada, escorregadia, íngreme, escura. Difícil! O país está perdendo as cores, escorregando nos índices e caindo no buraco.

 

Gente de toda raça, credo e de todo nível social. Do Norte e do Sul, onde o céu é mais azul, do Leste e do Oeste, onde ninguém está livre do mosquito e da peste.

 

‘Somos todos UM’ não é só afirmação de um grupo esotérico. É a mais pura verdade, tanto de um lado como do outro da moeda, porque ‘Somos todos UM’ também quer dizer que somos ÚNICOS. Ora, no meio da população planetária que já sai pela culatra, sermos únicos ser um fato? A Criação é incrível!

 

Assim, cuidado para não cair na armadilha do ‘nós’ somos melhores do que ‘eles’, ou vice-versa. É tática antiga de dominação: você se dá muito bem com os dois lados, mas atiça A contra B, tirando vantagem de todos e de cada um. O Tinhoso adora discórdia, percebe a mínima brecha, entra para ganhar e põe lenha na fogueira.

 

Problemas não nascem da diferença de cor, de nível social, intelectual ou ideológico. Isso é pega-ratão, é enganar o bobo na casca do ovo. É alimentar o fanatismo e o ódio. Hitler já fazia isso. Não é novidade. É aberração. Nasce da intolerância e da ganância.

 

Mas voltando ao ‘Somos todos UM’, nossa igualdade mostra a cara quando filhos remediados, pobres e ricos matam os pais, e vice-versa. Tem ladrão de galinha e ladrão do povo, ladrão desalmado e ladrão refinado. E tem gente fazendo o bem, também. De todas as cores, de todas as raças, de todos os credos.

 

Não se fala muito nisso, atualmente, mas é do que precisamos. Saber que o lado bom ainda existe, e sentir que todos somos iguais e merecemos respeito. Cada um no caminho que escolheu seguir.

 

Não há certo nem errado, depois que a escolha foi feita. A escolha se transforma no caminho, e é ele que trilhamos, até que nova transformação ocorra, e acordemos a tempo de curtir a paisagem, seja ela qual for. Por isso, compaixão é fundamental, pois a dor de viver é igual em todos nós.

 

E eu, confusa! me pergunto: como será que serei e onde será que estarei depois de superar este trecho esburacado e conseguir, claramente, novo caminho enxergar?

 

Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Escreve no Blog do Mílton Jung

6 comentários sobre “De todos nós

  1. Que o dia amanheça claro. Vai clareando devagarinho, enquanto a poeira vai baixando e os buracos da estrada vão ficando pra trás. Que ela te conduza a um lugar bonito. Bjim goiano.

  2. Magaly,

    também fico muito feliz.
    Escrever me faz um bem enorme, e sou grata a quem me faz companhia.
    Esta saleta está aberta para ouvir e papear, e você tem muito para dizer, com muita propriedade. Apronta o teclado!

    Beijo, bem voltada, e boa semana,
    ml

  3. Suiang,

    …ou olhar para os teus olhos.

    Either way, é sempre bem lembrado! Ah,o céu? tenho fotografado! Mais do que deveria e muito menos do que gostaria. Quero os óculos da Apple!

    Beijo. Muito bom te ter de volta aqui (se bem que eu também não estava, né?)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s