Avalanche Tricolor: que baita patacoada!

 

Coritiba 2 x 0 Grêmio
Brasileiro – Curitiba (PR)

 

17405098_l

 

Patacoada! Perdão, mas foi a primeira palavra que retumbou na minha cabeça. Não tenho bem certeza quando a ouvi pela primeira vez. Mas tenho a impressão de que foi meu pai, que não exige apresentações neste Blog, que a usou em algum momento qualquer. Sei lá se disse isso por alguma traquinagem que eu tenha cometido quando criança ou adolescentes, afinal muitas delas mereciam mesmo serem chamadas assim. Talvez tenha sido em referência a bobagens que os governos da época ou colegas de trabalho tenham feito no seu cotidiano. Não lembro bem. Sei, também, muito pouco da origem da palavra. Alguns até arriscam relacioná-la com pataca, moeda de cobre usada em Portugal, no período das colônias. Ao hábito daquela gente que ostentava riqueza se dava o nome de patacoada. No costume caipira, sátiras, histórias de bichos e narrativas surrealistas também são chamadas de moda-de-patacoada. De onde tenha vindo, o certo é que desde que sou pequeno, ouço a palavra relacionada aos mais diversos sentidos, sempre negativos. Confesso que não sei exatamente como empregá-la de forma mais precisa, mas foi quase por instinto que patacoada ecoou na sala de casa, nesse sábado à noite.

 

E por que patacoada me veio a cabeça? Você, caro e raro leitor deste Blog, já deve imaginar. A cena que assistimos no segundo gol da partida foi uma baita patacoada! Você talvez prefira pixotada, expressão mais próxima das nossas origens rio-grandenses? Ambas sequer são sinônimos, mas todas parecem dar a dimensão de quanto ridículo foi o papel protagonizado por nossos defensores, aos 35 minutos do primeiro tempo, ao tentarem despachar a bola da área e um marcar o outro como não havíamos marcado nenhum atacante adversário até então. Foi significativo ver a bola explodir no peito de nosso zagueiro e ser desviada para encobrir nosso pobre goleiro. Naquele momento, solidarizei-me com Marcelo Grohe e seu sorriso amarelo enquanto, sustentado pelas redes, tentava entender o que seus colegas de área haviam cometido. Teriam pedido desculpas a ele? Deveriam. É o segundo jogo pelo Campeonato Brasileiro em que Marcelo faz o que pode para impedir que a bola entre e nossos defensores são incapazes de cumprir seu papel de afastá-la de dentro da área. Contra a Ponte Preta ficaram assistindo ao atacante chegar no rebote e ontem … bem, ontem foi aquilo que você viu. O Brasil inteiro viu!

 

Sejamos justos! Fossem só os defensores a errarem, talvez a coisa não tivesse ficado tão ruim assim. Lá na frente também fizemos das nossas patacoadas. Mais uma vez, nossos atacantes estiveram livres diante do goleiro e foram incapazes de marcar. Ao fim do primeiro tempo, Maicon fez excelente lançamento, que deixou Giuliano sozinho no caminho do gol, que vacilou no primeiro momento, que decidiu oferecer a chance do gol a Mamute, que, desajeitado, consagrou o goleiro adversário. Desde o Campeonato Gaúcho tem sido assim: boas tramas de ataque permitem a chegada de alguns dos nossos cara a cara com o goleiro, mas, no momento de definir, a bola teima em não entrar (e a culpa não é dela, ok?).

 

Sei que já tem gente fazendo terra arrasada, mas não vamos exagerar. Com a cabeça no lugar, conversa no vestiário, afinco no treino e aplicação nas partidas, temos alguns talentos que ainda podem nos ajudar nesta campanha. Agora, parem de fazer patacoada em campo!

 

A foto é do portal Gremio.net e de autoria de Jason Silva/Agencia Lancepress!

Um comentário sobre “Avalanche Tricolor: que baita patacoada!

  1. Ultimamente,quando se via o Grêmio jogar -os meus netos que moram em São Paulo e os de Porto Alegre – a gente previa uma noite ou uma tarde das melhores. De repente, tudo mudou.O Grêmio perdeu o técnico e a sua tão respeitada equipe, como que num passe de mágica, passou a jogar como funcionário de circo mambembe,bem diferente daquela que fazia os gremistas sorrirem. Não bastasse isso, Felipão tinha uma espécie de bolinha miraculosa: fazia os pernas- de- pau parecerem Pelé. Mais ligeiro do que o prestidigitador. Mais depressa ainda,porém,que as mágicas fossem executadas – e depois dos malsinados Gre-Nais – que decidiram o Gauchão,o prestígio do técnico caiu a tal ponto que se tornou inviável mantê-lo. O Grêmio estava em busca de novo técnico. Talvez já esteja contratado amanhã.
    .

    ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s