De Kintsugi-Patchwork

 

Por Maria Lucia Solla

 

images

 

Já me quebrei muitas vezes, na vida. Quebrei uma porção de ossos: dos pés, da testa, do nariz, do braço, até o cóccix eu quebrei, o que me levou a uma cirurgia de coluna. Sou capricorniana, ossos sujeitos a chuvas e tempestades, e faço uma porção de coisas de uma vez, pulverizo o tempo à minha disposição e me embaraço entre passado presente e futuro, de cada momento. Andam de mãos dadas, cada um dando uma pincelada na minha vida e no meu comportamento, o tempo todo; me arrastando na sua sanidade e na sua loucura, ao sabor dos mais variados e ritmados tiquetaques.

 

Também já fraturei meu orgulho, tive o coração despedaçado uns pares de vezes, já fiquei sem dinheiro, e já tive muito dele também. Privilégio. Não perdi tempo na vida. E lá vem de novo meu regente, Saturno, que é o Senhor do Tempo. Quando está de boa, me deixa passear pelo seu reino, escancara gavetas e arquivos, e eu me regalo. Me sirvo de seus guardados e me maravilho com suas revelações. Agora, quando resolve cruzar os braços, haja Deus!

 

Tenho muitas cicatrizes, como era de se esperar. E quem não as tem? A cicatriz na testa, esculpida quando eu tinha uns 6 anos, é a mais antiga e a mais aparente. Faz uma segunda sobrancelha, acima da original. Faz parte de mim. As outras, por mais escondidas que estejam, devem ser respeitadas, porque se fazem lembrar aqui e ali; cada uma a seu modo.

 

Cada fratura física, emocional, intelectual e outras das quais a gente ainda não faz nem ideia que têm nomes, fazem de mim o que sou hoje; e hoje, certamente sou melhor do que ontem. Me orgulho delas, e decidi que vou tratá-las, daqui para frente, como um recipiente japonês quebrado, recuperado e valorizado.

 

A peça quebrada e recuperada com cola e pó de ouro passa a ter um valor muito maior do que antes, quando ainda estava intacta. As rachaduras enriquecem a peça, na arte tradicional japonesa, o Kintsugi.

 

Acreditam, os japoneses que aquilo que é danificado tem uma história, que faz dele uma peça especial e mais rica. Em vez de tentar camuflar a rachadura, fazem um reparo que enriquece e enaltece os reveses.

 

Agora é só continuar agradecendo por ser o Kintsugi-Patchwork da hora.

 

Um VIVA à VIDA!

 

Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Escreve no Blog do Mílton Jung

2 comentários sobre “De Kintsugi-Patchwork

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s