Avalanche Tricolor: um resultado que não muda absolutamente nada

 

Grêmio 2 x 3 Chapecoense
Brasileiro – Arena Grêmio

 

Walace é um dos novos talentos em busca de experiência (foto do álbum do Grêmio Oficial no Flickr)

Walace é um dos novos talentos em busca de experiência (foto do álbum do Grêmio Oficial no Flickr)

 

Há algumas rodadas ensaiei, nesta Avalanche, contagem regressiva para o título, uma aposta de que teríamos condições de, em uma arrancada fulminante, atropelar os adversários que estavam à frente, baseada no futebol qualificado que temos apresentado neste campeonato. Claro que era muito mais uma ação inspirada na crença do torcedor do que na lógica da competição, a medida que os times que brigam diretamente pelo título vêm mostrando muito equilíbrio e maturidade em suas atuações até aqui. Precisaríamos contar com o acaso, com a sorte, com tropeços inesperados, além de nos apresentarmos com desempenhos bem acima da média – sem isto, aliás, nada seria possível.

 

Foi também aqui nesta Avalanche que compartilhei com você, caro e raro leitor, o prazer de assistir ao time do Grêmio em campo por seu futebol envolvente, troca de passes precisa, movimentação veloz de seus jogadores, domínio do jogo graças a posse de bola, e bola possuída graças a marcação eficiente. Coisa bonita de se ver, que há muito não se via no time gremista.

 

O Grêmio cresceu muito rapidamente de produção nesta temporada e se transformou desde a chegada de Roger, em maio. Algo surpreendente devido a contenção de despesas e carência de contratações. Diante disso, é justificável que alguns de seus talentos reflitam em campo a falta de experiência e apresentem desempenho com oscilação, especialmente nos momentos decisivos. Aceite ou não, a inteligência emocional influencia no esporte. Portanto, como também já havia escrito por aqui, entendo que alguns resultados negativos têm de ser postos na conta da falta de maturidade de um time que vem sendo construído com jovens talentos.

 

Sei que alguns de nós vamos explicar o revés deste fim de tarde de domingo culpando este ou aquele jogador, identificando falhas nas escolhas feitas pelo técnico ou na postura adotada pelo time no segundo tempo, mas quero deixar claro, em alto e bom som (se é que isso fosse possível em um texto escrito), que a derrota nesta rodada não muda absolutamente nada na minha forma de pensar e ver o Grêmio jogar. Aliás, não muda nada na trajetória gremista para conquistar o que realmente sonhamos conquistar: a Libertadores no ano que vem – quando, então, teremos um time com mais quilômetros rodados e, portanto, com experiência para saber “matar” com um jogo no qual conseguiu colocar dois gols de vantagem sobre o adversário.

Um comentário sobre “Avalanche Tricolor: um resultado que não muda absolutamente nada

  1. O que teria acontecido com o Grêmio no segundo tempo do jogo contra a Chapecoense? Encontro apenas uma explicação: os 2 x 0 no primeiro tempo,quem sabe,passaram ao nosso time a ideia de que a etapa final da partida era como favas contadas. Como se viu,as favas foram descontadas. O Mílton (filho)tem razão:Roger Machado saiu muito brabo do jogo, mesmo ciente de que o seu time,por enquanto,tem de mostrar que os 45 minutos finais precisam ser vistos e tratados da mesma forma que o primeiro. Como temos folga de pontos,a derrota ficou algo minimizada.. Mas que não se repita.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s