Avalanche Tricolor: o Grêmio fez por merecer neste Carnaval

 

Grêmio 1×0 Coritiba
Copa Sul-Minas-RJ – Arena Grêmio

 

24882596125_f901d2c6cb_z

Geromel salva de cabeça foto LUCAS UEBEL/GREMIO FBPA no Flickr

 

Carnaval no Brasil já foi coisa séria. Antigamente, o país parava de sexta à quarta-feira de cinzas; o consumidor ainda não estava acostumado com a cultura dos shoppings, que nos ensinaram a fazer compras de domingo a domingo; e ai de quem se atrevesse a questionar se era ou não feriado oficial na terça-feira gorda. Claro que sim!

 

Nas festas de Momo ninguém se metia a jogar futebol, porque na avenida o Rei era outro. Mesmo no Rio Grande do Sul, onde Momo não tem lá essa fama e passei boa parte dos meus Carnavais, a bola deixava de rolar pela total ausência de torcedor. A turma toda se mandava para praia. Exceção para confirmar a regra: o Rio abria as portas do velho Maracanã e botava seus times mais tradicionais em campo de olho nos turistas que visitavam a cidade.

 

Hoje, por mais que a maioria ainda acredite que nada se faz nos quatro dias de Carnaval, as lojas funcionam aos domingos; o comércio de ruas populares abre às segundas-feiras, a espera do pessoal do interior; supermercados, mesmo desabastecidos, estão com os caixas à disposição; e jogador de futebol não tem mais folga no entrudo: o calendário gordo dos clubes os obriga a jogar em pleno domingo carnavalesco.

 

Foi assim que ontem, em meio a desfiles de blocos e escolas, no Brasil, e com uma cidade esvaziada pela migração temporária, em Porto Alegre, o Grêmio apareceu no gramado da Arena com time titular e tudo para disputar partida pela Copa Sul-Minas-RJ e foi recebido por cerca de 11 mil pessoas.

 

Ao menos quem estava lá teve o direito de ver o lance do único gol da partida. Para quem, como eu, assistiu ao jogo, pela TV, restou o replay, pois o diretor, responsável por escolher as imagens que seriam levadas ao ar, dormiu no ponto, assim como o zagueiro adversário ao tentar devolver a bola para o goleiro.

 

Ao vivo, a TV perdeu o lance do gol a 24 minutos do primeiro tempo. O que foi uma pena, pois até então nada de mais havia sido produzido pelo nosso ataque. Depois, a jogada foi repetida à exaustão destacando a pixotada do zagueiro. Foi descuidado, sem dúvida. Afoito, ao tomar a decisão do passe.

 

Quero, porém, ver a jogada por outro ângulo.

 

Dos muitos méritos de Roger no Grêmio está o sistema defensivo que montou. Longe de ser retranqueiro, amontoando zagueiros e volantes, o técnico sabe que apenas roubando a bola pode-se pensar em atacar. Impõe a participação de toda a equipe na marcação, que começa na saída de bola. Quem não está prestes a tomá-la, ou não tem habilidade para tal, encurta o espaço em campo e obriga o adversário a forçar o passe.

 

Na cobrança do tiro de meta, em vez de voltar para o meio de campo a espera do adversário, o Grêmio estava com seus jogadores mais avançados perto da linha da grande área. No momento em que o goleiro, em vez de repor a bola com um chutão para o alto, decidiu sair jogando com o zagueiro mais próximo, caiu na arapuca montada por Roger. Com Luan de um lado e Douglas de outro, o defensor se atrapalhou. Aproveitando-se do vacilo, Douglas ficou sozinho diante do goleiro e fez uso de sua categoria para, com o pé esquerdo, desviar a bola para o gol.

 

O Grêmio fez por merecer o gol!

 

Escrevi alguns parágrafos acima sobre os muitos méritos de Roger. Destaco outro: eliminar o chutão como alternativa de ataque. Sempre que retomam a bola, os jogadores se aproximam e formam triângulos e losangos em campo, segundo descrição do próprio técnico. Isso facilita o passe, faz a bola correr, deixa o marcador desorientado e permite que se chegue ao ataque com rapidez.

 

Ontem, como uma bateria que atravessa o samba na avenida, o Grêmio não conseguia manter a harmonia regida por seu técnico, por mais que ele tentasse, aos berros, acertar o ritmo. Preferiu a ligação direta ao passe preciso e desconcertante. Isso fez o time render bem abaixo do que está acostumado e o torcedor sofrer muito mais do que era necessário.

 

E se sofremos para vencer, fizemos por merecer!

 

Aliás, mais um pitaco deste escrevinhador na transmissão das partidas de futebol: com tantos microfones captando o som ambiente, sugiro que falem menos nas transmissões na TV e nos deixem ouvir as instruções enviadas pelos técnicos aos seus comandados. Teria sido excelente, se tivéssemos tido oportunidade de saber o que Roger tanto gritava com Everton, Wellington Oliveira e companhia. Principalmente porque ouvir Roger instruindo nos ajuda a entender melhor o futebol.

 

Como estou no clima de Carnaval, para encerrar esta Avalanche destaco mais um mérito gremista: Geromel. Ontem, novamente, foi precioso. Não bastasse exercer com eficiência o papel de zagueiro, senhor da área, ainda defendeu no gol e driblou no ataque quando necessário. Foi aplaudido e aclamado como melhor jogador em campo.

 

Geromel, fez por merecer!

Um comentário sobre “Avalanche Tricolor: o Grêmio fez por merecer neste Carnaval

  1. O Grêmio,que ganhou do Coritiba,não fez o esperado e, lá pelas tantas,precisou ser xingado por Roger Machado. Seja lá como tenha sido,foi salvo por uma patacoada da defesa do adversário e permitiu que Douglas fizesse o único gol da partida. Oi,Mílton (o filho)fez, na sua “Avalanche Tricolor”,tudo que valeu a pena as pessoas verem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s