Avalanche Tricolor: melhor recepção impossível!

 

Grêmio 1×0 São Paulo
Brasileiro – Arena Grêmio

 

28445298381_44c22c56d6_z

Douglas e cia festejam gol da vitória, em foto de LUCAS UEBEL/GrêmioFBPA

 

Cheguei há pouco a São Paulo. As férias estão terminando. Em dois dias estarei de volta ao trabalho. Reservei o domingo para colocar o fuso horário no eixo, depois de duas semanas com o corpo e a mente “rodando” cinco horas à frente. Fui muito bem recebido em casa, onde Bocelli, o Gato, me deu as boas vindas com um miado alto e forte como se reclamasse de saudades pelo tempo afastado.

 

Fui melhor ainda recebido pelo Grêmio, que mexeu no time para se adaptar as negociações e convocações. Na escalação, algumas surpresas para o torcedor como a preferência de Roger por Negueba para substituir Giuliano. E Roger fez certo. Nosso novo meio-campo foi apontado como um dos destaques da partida.

 

Soube de fonte segura que até meu amigo Teco Medina, são paulino de coração, bateu palmas para ele ao fim do jogo.

 

No time que me deu as boas vindas, tinha também, a confirmação de Jaílson, em lugar de Walace, para formar a dupla de volantes com Maicon, e de Miller Bolaños ocupando o espaço de Luan. Os dois cumpriram muito bem o seu papel, com Miller tendo sido fundamental para a vitória e mostrando que está pronto para reassumir a posição de titular, após convocações, lesões e complicações.

 

Neste meu retorno ao Brasil, o adversário era tradicional e histórico, e mesmo que tenha tropeçado aqui e acolá, nesta temporada, é sempre perigoso. Até agora não o havíamos vencido na Arena, nas quatro partidas até então disputadas.

 

Bem que o goleiro deles se esforçou para manter a escrita. Saltou pra cá, saltou pra lá. Defendeu com uma mão, com as duas, e quando não dava para alcançar a bola, deve ter cruzados os dedos, pois ela teimava em não entrar.

 

Do outro lado do campo, Marcelo Grohe assistiu ao jogo sem qualquer esforço. Na única vez em que o perigo parecia próximo, Geromel surgiu para despachar para escanteio. Aliás, nosso zagueiro segue encantando o torcedor.

 

Na defesa, fiquei muito feliz ainda com a maneira como fui recepcionado por Edílson, para quem o adversário torce o nariz, mas que dá conta do recado e com toques de picardia.

 

Soube das mesmas fontes anteriores que Teco Medina quer ganhar de aniversário uma camisa autografada pelo nosso lateral direito. Se não tiver a dele, pode ser a do Douglas. Apesar de que a deste, guardaria comigo na coleção que estou reconstruindo.

 

A camisa 10 tem sido vestida com genialidade por Douglas. No meio de campo, ele distribui o jogo com qualidade invejável, tem um passe refinado e facilita a vida de seus companheiros como nenhum outro em campo. No jogo de hoje, deu uma sequência de passes, no segundo tempo, que merecia o replay (mas o pessoal da TV prefere repetir pontapés e encontrões). Não bastasse o talento, Douglas tem se consagrado como reboteiro e marcado gols como o deste domingo, semelhante ao que já havia feito contra Santos, Cruzeiro e Inter. Mereceu todas as palmas recebidas quando deixou o gramado (inclusive as do Teco).

 

O Grêmio jogou muito melhor, quebrou um tabu na Arena, venceu um clássico e ficou apenas a dois pontos da liderança do Campeonato Brasileiro, após 16 partidas disputadas. Ainda por cima, tive o direito de brincar com meu grande amigo e colega de trabalho Teco Medina (aquele que sempre acha que eu tiro mais férias do que mereço).

 

Melhor recepção impossível!

6 comentários sobre “Avalanche Tricolor: melhor recepção impossível!

  1. Edson, o curioso é que o Teco não é um sonhador. É daqueles torcedores que de tão apaixonado mais reclama do que apoia. Briga com o técnico, desacredita do goleiro que defende todas, dá bronca em Deus e todo mundo que veste a camisa do seu próprio time, para vibrar e sofrer em seguida no primeiro bom resultado que aparecer. Ele é genial!

  2. E temos o Negueba. Aleluia!!! Jogou muito. Por falar em férias bom retorno. Desfrutarei as minhas em dezembro. Dia 4/12 será o último jogo na Arena contra o Botafogo. Espero estar lá para ver o nosso Imortal colocando as faixas. Geromel é um colírio para quem gosta do bom futebol.

    • Danier – é incrível que o Geromel, mesmo em uma partida na qual a defesa foi menos exigida, consegue se sobressair. Nos poucos momentos de risco, esteve presente. Quanto a Negueba, entrosamento e confiança podem fazê-lo ainda melhor na equipe. Gostei muito do Miller pela maneira com que joga fácil com os companheiros. Espero que volte a marcar logo, pois a ausência de gols costuma atrapalhar e gerar ansiedade no próprio jogador.

  3. Nada melhor do que chegar de férias e,já de cara,dar com o Grêmio,nosso time,em terceiro lugar no Brasileirão. Apesar dos desfalques que poderiam atrapalhar as escalações de Roger Machado,o Grêmio jogou, nesse domingo,uma das suas melhores partidas neste ano. Deu um banho de bola no São Paulo. O adversário,praticamente,não conseguiu criar perigo de gol tamanha foi a superioridade com a qual encaixotou a equipe do técnico argentino Edgardo Bauza. Você foi privilegiado porque viu um belo jogo do nosso time. Seja bem-vindo,meu filho.

  4. Pai, a prova dos nove será no próximo domingo. Teremos o America de Minas, pela hora da morte, como adversário, e jogando fora da Arena. Temos uma tendência a nos atrapalhar quando pegamos equipes menores e mais fechadas. Que os três pontos sejam nossa única meta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s