Guga Kuerten no país de oportunistas

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

guga-1432926467

 

As conquistas de Guga,  iniciadas há 20 anos em Roland Garros, têm servido para estimular gerações de jovens. Esportistas ou não. Novak Djokovic ao vencer no ano passado repetiu o gesto de Guga em cima de um coração desenhado no saibro francês. Este ano, vários tenistas de ponta por ocasião das homenagens prestadas ao 20º aniversário da vitória, explicitaram a influência do brasileiro em suas carreiras.

 

Os franceses, público e dirigentes, têm reagido com reverência e referência a Gustavo Kuerten, que certamente criou um invejável legado de esportividade e competência naquela terra.

 

E no Brasil?

 

A imagem de Kuerten é bem referendada: pelas conquistas, pela simplicidade e por um punhado de outras qualificações. Mas, assim como Maria Esther Bueno, outro expoente do tênis mundial, não conseguiu arrebatar seguidores. Hoje, Guga assiste à mesma presença brasileira no ranking do tênis através dos anos. Dois a três tenistas no grupo dos 100 primeiros colocados. E só.

 

De um lado, é claro que o tênis por exigir comedimentos de comportamento que não estão em esportes como futebol e vôlei, não pode ter expectativa de expansão popular. Entretanto, pela população o número de profissionalização está abaixo.

 

Em função certamente das poucas oportunidades oferecidas. 

 

E, nesse quesito, o próprio Guga já se referiu que estamos num pais de oportunistas e não de oportunidades. Motivado talvez pela insensatez do Fisco, ao cobrar dele mais de R$ 7 milhões, por discordar do fato dos prêmios dos títulos serem compartilhado com a equipe. Como se fosse possível um tenista sem equipe ganhar torneios.

 

É ligar a TV e conferir.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

4 comentários sobre “Guga Kuerten no país de oportunistas

  1. Guga é o exemplo vivo da “jornada do herói”. Aquele que sai de seu mundo comum, é chamado à aventura, resiste, tem dúvidas, aconselha-se com um mestre, enfrenta batalhas, supera-se, faz amigos, encontra inimigos, conhece a si mesmo, aceita o desafio de corpo e alma, parte para a guerra final, vence, reflete sobre tudo que viveu e volta pra casa como mito. Toda história tem seus personagens, e Guga não seria o herói do esporte que se tornou sem os mestres, amigos e desafios enfrentados.

  2. Tiago, bela descrição sobre este jornada de Guga. Ler a biografia “Guga, um brasileiro” nos ajuda a compreender como ele construiu com várias outras pessoas ao lado sua história. E como ajudou para que outros construíssem suas próprias histórias

    • O intrigante desta saga de Guga, personalidade mundial no mundo do tênis, e em especial de ROLAND GARROS, que no Brasil ainda se questione coisas óbvias. Como a impossibilidade de ser premiado em um torneio Grand Slam sem ter uma equipe de técnicos e especialistas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s