Conte Sua História de São Paulo: a boiada no caminho dos pais, em Pirituba

 

Eder Rodrigues da Silva
Ouvinte da CBN

 

 

Nasci em Fevereiro de 1957. Nasci e moro no mesmo lugar, no bairro de Pirituba. Vim ao mundo em casa, de parto natural, pois minha avó era parteira e então não houve necessidade de se recorrer a um hospital.

 

Pirituba —- em tupi significa “um pouco alagado”. Na época em que vim ao mundo, passavam até boiadas por aqui, trazidas pela antiga companhia ferroviária Santos/Jundiaí; esse gado se destinava ao frigorífico Armour. Meu pai me contou que ele e minha mãe saiam bem de manhãzinha para pegar o trem — aqui têm três estações, a de Pirituba, a da Vila Clarice e a do Piqueri —- e pelo caminho que eles faziam, entre a vegetação, havia uns pontos brancos. Ao chegar perto se via que eram os bois.

 

Quando andávamos de trem, gostávamos de percorrer rapidamente cada vagão, do começo ao fim. Pegava o do horário das 6h40, que tinha o ponto inicial aqui em Pirituba. Uma turma de amigos se formou andando naquele trem por muitos anos. Meu pai também o pegava até o dia em que se aposentou do trabalho na Cervejaria Antarctica, na Mooca.

 

A estação ferroviária foi criada na época em que se iniciou a expansão da produção do café no nosso estado. Perto dela foi fundado o Clube Nassau e a fábrica de pianos Fritz Dobbert.

 

O Clube Nassau, como o próprio nome indica; em homenagem ao príncipe Maurício de Nassau, foi criado por holandeses e tinha até um campo de golfe —hoje em dia a parte do terreno onde estava o campo é cortada pela Rodovia dos Bandeirantes. O que permanece como ponto turístico é uma construção imitando um moinho de vento, um dos símbolos da Holanda.

 

A “Pianofatura Paulista”, da marca Fritz Dobbert, se mudou daqui faz pouco tempo, e que eu saiba é a única brasileira, neste ramo especifico. Essa fábrica ficava vizinha do moderno terminal de ônibus e da estação de Pirituba. 

 

Alguns antigos colegas da “escola de tábua” ou do grupo escolar Ermano Marchetti ainda moram por aqui. Nos divertíamos com brincadeiras da época: pega-pega, barra-manteiga, mão na mula …. a minha preferida era pular pau ou salto em distância. Eu era bom nisso. Meu irmão caçula, conheceu um de meus colegas do passado que disse que meu apelido era Cavalo, por ser quem conseguia saltar a maior distância. A escola agora é uma praça bem arborizada. Felizmente, o colégio não foi extinto, apenas mudou de endereço.

 

Naquele tempo tão comum quanto os pais levarem os filhos no zoológico era levarem para ver os aviões no aeroporto de Congonhas — o avião sempre parecia maior do que se imaginava. Até hoje me espanto quando os vejo bem de perto. Aliás, o Pico do Jaraguá, aqui na zona Norte, é referencia para os pilotos que ao passar por cima dele e mantendo-se para o sul da cidade sabem que estão no rumo certo da pista de Congonhas.

 

Pirituba, como é bom viver aqui, um lugar que parece uma vila do interior, bem dentro de São Paulo!!!
 

 

Eder Rodrigues da Silva é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva suas lembranças e envie seu texto para contesuahistoria@cbn.com.br.     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s