Conte Sua História de São Paulo: o descrente viajante se transforma em distante apaixonado

Por Marco Aurélio de Souza Hilário  

Ouvinte da CBN

 

Ouça o Conte Sua História de São Paulo em podcast

Para a Lane, sempre linda.

E para a Rosária e o Tata.

Todos cúmplices de paixões e amores.

Para um morador do interior das Minas Gerais, a cidade de São Paulo sempre foi sinônimo de fria grandeza: arranha-céus impedindo o crescimento de vida verde; asfalto pavimentando caminhos desordenados; habitantes acumulando moedas para as férias no ar condicionado de seus carros. E o desejo do encontro com a cidade malvista escamoteado diante de certezas antecipadas. 

Até que um amigo querido, em suas andanças por cidades e tendo a Avenida Paulista cravada na veia familiar decidiu fazer de São Paulo sua moradia. Daí ao convite para dias na cidade grande foi questão de tempo. E em data específica: no carnaval. A metrópole cantada como “túmulo do samba” foi escolhida como destino daquele que sempre imaginou a cidade como “difícil de viver”. E a visita em luxuosa companhia, com as respectivas namoradas, a do visitante e a do amigo. São Paulo aguardava serena a chegada de um descrente.

O amigo não fez da alegria do encontro flecha de cupido na troca de olhares do visitante com a cidade. Mas usou de singela perspicácia para que São Paulo, a cidade mesma, tomasse devagar as entranhas e o afeto daquele que chegava. 

São Paulo foi se apresentando aos poucos, dona de si, silenciosa, em plano geral e em detalhes. Deixar a cidade falar, insinuar seus encantos, mostrou ser sábia condução. As avenidas, ruas, cafés, restaurantes e bares, monumentos, praças, suas gentes, receberam o descrente visitante como um quase local, derramando sutis preciosidades e prazeres em lugares, pratos e copos ofertados. E o visitante, a essa altura constrangido e em crescente encanto pelo jogo da conquista, foi estabelecendo com a cidade elo de compromisso, já nocauteado diante da sedução desmedida. 

O agora apaixonado visitante andou por São Paulo com olhos de curiosidade infantil, sorrindo para o que via, descobria, conhecia, esquecendo-se do confete, da serpentina e das doces marchinhas. São Paulo era megalópole interiorana, ofertando ao desistente carnavalesco seus mais belos préstimos, dignos de uma cidade que não descansa.

Os dias foram passando, o visitante agora arrebatado e capturado por detalhes da cidade, fazendo andanças em uma pauliceia que se deixava descobrir, cúmplice assim do vivo entusiasmo do andarilho. Em momentos preciosos, o visitante apaixonado sentia São Paulo no peito, na respiração, no toque das mãos, como se natural fosse ter a cidade para si, como se não mais estrangeiro fosse. 

Na despedida, a cidade olhou o visitante de frente, sorriu levemente e deixou um até breve no ar. E o visitante, já saudoso do retorno urgentemente programado voltou ao seu interior, sabedor que muitas paixões sobrevivem à distância, na insistência de tornarem-se amores eternos.

Marco Aurélio de Souza Hilário é mineiro de Ubá, terra da manga e de Ary Barroso. Conheceu São Paulo há aproximadamente 30 anos e a cidade não saiu mais de seu pensamento.

N.E: a música usada para sonorizar este texto é “Sinfonia São Paulo” do compositor Ricardo Silva, executada pela Banda Sinfônica Paulista, regência maestro Ricardo Silva.

Marco Aurélio é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio e a narração de Mílton Jung. Escreva o sei texto para contesuahistoria@cbn.com.br. E ouça outros capítulos da nossa cidade no podcast do Conte Sua História de São Paulo    

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s