Conte Sua História de São Paulo 468: de canto em canto da cidade, desde o nascimento no Bexiga

Por Durval Pedroso

Ouvinte da CBN

Foto da Rua Augusta, em 1973

Desde o nascimento no Bexiga, no inicio dos anos 1950, esta cidade está impregnada na minha alma. Em cada momento me apaixonei por uma região, por um lugar da cidade. 

Na infância, Santo Amaro. Foi onde residi. Tinha mais do que um “appeal” todo especial. Era uma região bucólica onde o adensamento populacional era incipiente, onde as matas e a grande quantidade de campos futebol, se estendiam desde muito próximo do Largo Treze de Maio, o Largo da Matriz, até as cercanias do bairro do Socorro, onde hoje predomina o autódromo de Interlagos. 

Pescar na Ilha do Bororé, na represa Billings, era comparado a hoje ir para Mato Grosso ou até a Amazônia, pela virgindade da mata e quantidades de peixes. Sem falar das onças e dos macacos que ocupavam o imaginário infantil das crianças. Naquela época pegar o bonde dos botinas amarelas de Santo Amaro até a Praça Clovis Bevilácqua no centro da cidade era mais que a glória. 

No fim dos anos 1960 e por toda a década de 70, me apaixonei pela região dos Jardins, onde a Rua Augusta tinha um fascínio extra.

Os clubes esportivos e os locais de dança trouxeram ao adolescente o que esta cidade tinha de mais pungente. Não posso deixar de ressaltar a Praça do Por do Sol no Alto de Pinheiros, cujo o amanhecer junto a amada juvenil trazia deleites de uma leve taquicardia. 

Já os campus da USP na cidade universitária e o da PUC, tão efervescentes no período militar, traziam um sentimento de liberdade, e em muitos momentos nos davam a sensação de estarmos vivendo na Woodstock brasileira. 

Dessa época, tenho um registro grafado a fogo no meu coração, num jardim que ficava entre a Praça do Por do Sol e a Avenida Pedroso de Moraes. Por falta de dinheiro, estava roubando umas margaridas para dar à minha namorada. Fui pego em fragrante pelo guarda que fazia a ronda. Depois que contei minha história ele parou de me reprimir e me ajudou montar um ramalhete de margaridas. 

Nos anos 80 e 90 a região que mais me atraiu foi a da Avenida Paulista até os centros, velho e novo da cidade, onde a busca diária por um lugar ao sol na futura vida profissional, me fez conhecer as maravilhas da região. As praças da Sé, da República e Roosevelt formavam um triângulo onde tudo podia acontecer. Conhecer bares, restaurantes, boates e teatros, aliviavam as tensões de mais de dez horas de trabalho intenso de segunda à sexta. 

A virada do ano dois mil e os que se seguiram neste século 21, talvez em função da minha maturidade, me fez voltar atenção para a região expandida da alegria, da cultura, do entretenimento e do bom viver, que vai da glamorosa Vila Madalena até o charme do mais importante parque da cidade de São Paulo, o do Ibirapuera. 

Andar e viver as Ruas da Vila Madalena, é de fazer inveja ao público do badalado Soho, em Nova Iorque, porque aqui o encontro com os frequentadores, conhecidos ou não, são muito mais calorosos. 

Tomo a liberdade para parafrasear o grande Millôr Fernandez que dizia brincando “que só haveria justiça social se todos pudessem morar em Ipanema “.  Como paulistano da gema garanto que só se todos pudessem morar na Vila Madalena. 

Durval Pedroso é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Você ainda pode participar das comemorações dos 468 anos da nossa cidade. Envie seu texto para contesuahistoria@cbn.com.br. Para ouvir outros capítulos, visite o meu blog miltonjung.com.br ou o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Um comentário sobre “Conte Sua História de São Paulo 468: de canto em canto da cidade, desde o nascimento no Bexiga

  1. Fantástico esse texto, mesmo porque moro há mais de 49 anos na região descrita no segundo parágrafo, no bairro do Socorro em Santo Amaro, e lembro dos campos de várzea na avenida no fim dos anos 70 e início dos 80, e agora ficou apenas a seringueira para lembrar daquele passado saudoso !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s