Conte Sua História de São Paulo 468: o office-boy que nos apresentou a cidade

Francisco Moacir Assunção Filho

Ouvinte da CBN

E lá se vão mais de 40 anos. Cheguei em São Paulo num frio domingo de março de 1978, ao lado do meu pai, Moacir Assunção, do mano Marcondes e da mana Eva. Éramos todos adolescentes e eu conhecia a capital paulista dos postais que mostravam uma cidade com muitos prédios, uma linda praça, a República, e a Avenida Paulista, com seus enormes arranha-céus futuristas, além de cenas gerais que mostravam a selva de pedra que era essa cidade. Ao descer do ônibus, em Cumbica, bairro de Guarulhos, então com ruas de terra e grandes muros, típicos de uma região industrial, me decepcionei profundamente: “como São Paulo é feia”. Somente meses depois passaria a conhecer, de fato, a cidade, como office-boy de uma agência de turismo, na Praça da República, ao lado da qual moro atualmente. Me apaixonei  perdidamente, como era de se esperar.

Enfrentei, de cara, o enorme preconceito que havia contra nordestinos – todos genericamente baianos para os paulistanos. Esses eram sinônimo de burrice, ignorância e brutalidade. Uma vez, na agência em que trabalhava, tive uma discussão com um argentino que criticava os “baianos”, citados por ele com um curioso sotaque portenho que soava assim: “baiános”. Para ele, ignorante como era, baianos eram pouco inteligentes e não eram brasileiros. Tive que esclarecer à curiosa figura que ele é que não era brasileiro e o Brasil havia começado pela Bahia. Respondi assim à acusação de burrice: “os baianos são burros mesmo, lá nasceram uns tais de Ruy Barbosa, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Jorge Amado e Raul Seixas, todos muito burros”. O sujeito se calou e não falou mais comigo, o que me deu muito prazer. Descobri, depois, que os baianos foram os primeiros nordestinos a chegar, de forma organizada, na cidade, a convite do fundador da Nitroquímica, o empresário pernambucano José Ermírio de Morais, na década de 1930.

Curiosamente, nunca mais ouvi falar desse preconceito. Ninguém mais me chamou de baiano ou ouvi essa expressão de forma depreciativa. Atribuo isso ao maior conhecimento do Nordeste por parte dos paulistas e paulistanos e ao grande número de nordestinos, muito deles bem-sucedidos em vários aspectos, que há na cidade, a maior capital “nordestina” do Brasil.  

Logo, comecei a andar pela cidade, pelo Centro, que nem de longe conhecia, embora tivesse dito que conhecia tudo, para conquistar o emprego que me garantiria meio salário mínimo por mês. Salário muito importante para uma família recém-chegada que vivia na periferia e precisava se firmar na cidade grande. Até então meu conhecimento da capital acabava na Penha, zona leste.

Ao andar pela cidade com minha pastinha de boy cheia de documentos, me espantava com a altura dos prédios. Vim de uma cidade pequena do interior, Trindade, em Pernambuco, onde não havia prédios.  Nessas andanças, fui parar na extinta TV Tupi, no Sumaré, berço da TV brasileira, para entregar uma passagem e conheci dois grandes atores: Lima Duarte e Paulo Goulart. Ambos muito simpáticos, conversaram comigo e até pagaram a coxinha que comi na padaria ao lado. 

Tempos depois, subindo a Avenida Brigadeiro Luiz Antônio em direção à Paulista — eu  pegava o dinheiro pra condução, mas só andava a pé, porque os trocados eram gastos em churrasco grego, cinema e fliperama — vi uma multidão acompanhando a entrada em um prédio, que sabia ser do Exército (era a Segunda Auditoria Militar) de um homem barbudo, algemado e escoltado por dois soldados. Era Lula, conforme dizia, com muito cuidado, alguém na multidão. Tempos depois, já jornalista, o entrevistei como deputado e presidente.

Posteriormente, fui trabalhar na Livraria Saraiva da rua José Bonifácio, no coração do Centro, onde se consolidou o meu gosto pela leitura. Era responsável pelas estantes de História e de Sociologia – nem de longe imaginaria que eram duas das áreas que estudaria  mais à frente. Trabalhava no fundo da livraria e reconhecia o meu público. Quando via um jovem com óculos redondos, bolsa de couro e ar desleixado, tinha certeza que ia procurar livros destas áreas. E sempre acertava.

Fui, aos poucos, apesar dos problemas, me apaixonando por esta enorme cidade. Aqui, estudei, me tornei jornalista e professor e tive a oportunidade de, um dia, retribuir um pouquinho do que ela me ofereceu: mantive durante dois anos a coluna “Conheça seu Bairro” no extinto (e saudoso) jornal Diário Popular, na qual contei a história de mais de 120 bairros de São Paulo, o que me fez gostar mais ainda da maior e mais cosmopolita metrópole brasileira. Enfim, isso tudo é pra dizer que amo São Paulo, para mim a melhor cidade do Brasil, insuperável em todos os aspectos, na qual pretendo viver até o fim dos meus dias e fico feliz em saber que, depois de 42 anos morando aqui, adquiri a “cidadania paulistana”. Abraços a todos os conterrâneos.

Moacir Assunção  é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Você ainda pode participar das comemorações dos 468 anos da nossa cidade. Envie seu texto para contesuahistoria@cbn.com.br. Para ouvir outros capítulos, visite o meu blog miltonjung.com.br ou o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Um comentário sobre “Conte Sua História de São Paulo 468: o office-boy que nos apresentou a cidade

  1. As histórias narradas pelo mestre Milton Jung, com sonoplastia de Claudio Antônio, são espetaculares! Em todas elas, até agora, as pessoas demonstram o quanto são apaixonadas pela cidade de São Paulo. Amo São Paulo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s