Conte Sua História de São Paulo: sem nostalgia, esta é uma cidade vertical

Por Claudia Signorini

Ouvinte da CBN

Photo by Kaique Rocha on Pexels.com

Rua Jurubatuba, na confluência de três bairros – Vila Mariana, Aclimação e Paraíso — batizada depois com o nome de Dr Artur Saboia. A velha casa em que nascemos, eu e meu irmão caçula, ainda existe, transformada pelo atual proprietário em estúdio musical. Na  minha infância, a rua em declive era de terra batida, terminando num barranco. Nele havia muitas bicas onde nós moradores nos abastecíamos quando faltava água nas torneiras.

O lixo das casas era recolhido por carroças puxadas po burros. Era triste vê-los escorregar na lama nos dias de chuva e serem açoitados, pobrezinhos, para que continuassem a puxar a carroça pesada.

Perto havia um imenso campo coberto por um matagal para onde meu irmão mais velho me levava para caçar borboletas ou empinar pipas. Era ele mesmo que as fazia com gravetos retirados do mato, papel de seda comprado na vendinha perto de casa e trapos velhos para fazer os rabichos.

Brincávamos na rua sem que nossos pais ficassem preocupados com o que pudesse nos acontecer. Pular corda — “batalhão, lhão, lhão, quem não entra é um bobão — amarelinha, pegador, roda — senhora sanja coberta de ouro e prata, descubra seu rosto, queremos ver sua cara.

No verão, caçávamos os siriris que voavam em torno dos postes de luz. Havia muitos vagalumes e os guardávamos em caixinhas de fósforo para ver quando eles se iluminavam.

Inesquecíveis as figuras que povoavam nossa rua. A Maria Lavadeira, sempre com uma trouxa de roupa branca sobre a cabeça. A Maria Bruxa, velha esfarrapada, suja, desgrenhada, alguns poucos dentes podres na boca, com correntes de ouro em volta do pescoço, que era o pavor das crianças. A dona Celina, mirradinha, dentuça e com birote, oferecendo as famosas toalhas da Ilha da Madeira. No tempo em que meus irmãos mais velhos eram pequenos até cabreiro passava vendendo leite fresco de cabra que ele ordenhava na hora.

Eu ia à escola de bonde. Preferia aquele aberto com reboque porque adorava o seu balanço.  Na rua onde passavam os bondes , a Domingos de Morais, havia vários cinemas que frequentei com minha mãe durante toda minha adolescência. Cine Cruzeiro, onde se podia assistir a dois filmes com o mesmo bilhete. Hoje é um supermercado. O cine Phoenix, agora uma agência do Banco do Brasil. E Sabará que também deu lugar a um supermercado.

Incrível como a cidade verticalizou, os jardins com roseiras orvalhadas deram lugar a garagens cimentadas e as crianças não brincam mais nas ruas.  Não existem mais quintais, jardins, hortas com árvores frutíferas.

Recordo esses momentos porque fazem parte da minha biografia,  sem nenhuma nostalgia, sem nenhuma saudade. E sinto-me privilegiada por ter vivido tanto tempo e ter sido testemunha de todas essas mudanças em São Paulo.

Claudia Signorini é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Escreva seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br. Para ouvir outros capítulos da nossa cidade, visite o meu blog miltonjung.com.br ou o podcast do Conte Sua História de São Paulo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s