Avalanche Tricolor: “nos f…..”, mas tô feliz!

Grêmio 0x1 Chapecoense

Brasileiro B – Arena Grêmio, Porto Alegre/RS

Foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Mal havia estraçalhado um X gigantesco na mesa mambembe de uma lanchonete da Cidade Baixa, quando o rapaz vestindo o casaco da Torcida Jovem, evidentemente embriagado, olhou para nós, reconheceu as cores de nossas camisas e tascou em alto e constrangedor som: “nos fudemo (sic)“. Respondemos com uma gargalhada à sentença definitiva sobre o que havia acontecido horas antes no bairro do Humaitá.

Rir da desgraça própria, dizem, é sinal de inteligência. Ali, foi a reação possível pelo inusitado da fala e uma combinação estranha entre a má-digestão proporcionada pela derrota na estreia do Grêmio na Série B, diante de sua torcida, e a difícil digestão de um sanduíche turbinado de  coração, calabresa, bacon, ovo, queijo, maionese, ervilha e milho, que aqui, em Porto Alegre, costumamos chamar intimamente de X —- apesar de o queijo que dá origem ao neologismo ser apenas um imperceptível detalhe. 

A passagem do moço gremista, bêbado e desbocado, tanto quanto certeiro, foi rápida. Em segundos, ele já havia se voltado a outro interesse, enquanto nós ficamos à mesa lembrando alguns dos momentos vivenciados na Arena. Ao lado de meus filhos, sobrinho e irmão tive o prazer de voltar a um estádio de futebol e assistir, ao vivo, a um jogo do Grêmio. A despeito da performance de nosso time e da frustração do resultado, estar na Arena me fez um cara feliz, nessa sexta-feira. A presença no estádio move com minha memória afetiva, e me afasta de realidades que prefiro esquecer. 

Cresci em um estádio de futebol, no caso o Olímpico, que agora é apenas ruínas na vizinhança de onde escrevo essa Avalanche. Foi lá que forjei minha personalidade, aprendi a trabalhar em equipe, entender o valor de uma amizade, conviver com os diferentes, saborear as vitórias sem ser prepotente e tolerar as derrotas. Sentar-me ao lado das pessoas que amo para ver uma partida na “arquibancada” —- e as aspas se justificam porque hoje preferem dar nomes mais chiques para os espaços que os torcedores ocupam —  tem um significado que vai além do do jogo em si. Ainda bem, porque se minha alegria dependesse dos resultados alcançados até aqui, convenhamos, só me restaria dizer o mesmo que o torcedor anônimo que encontrei na lanchonete.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s