Mundo Corporativo: Edison Carlos, do Instituto Aegea, defende que empresas de saneamento têm de ir além de seu serviço para atender à demanda ESG

Foto: Prolagos/Divulgação

“Nós não queremos só cumprir com os nossos contratos, mas, de forma, também, ambientalmente correta e, também, com critérios de governança muito fortes” 

Edison Carlos, Instituto Aegea

Sem saneamento básico, as cidades não se desenvolvem, a saúde das pessoas é precária e a qualidade de vida é fortemente impactada. Investir no tratamento da água e do esgoto tem sido fundamental para que o ambiente urbano se torne um espaço mais generoso com o cidadão. Diante desse cenário, empresas que atuam no setor já estariam, por sua própria finalidade, colaborando para um crescimento mais sustentável. Porém, apenas isso não é suficiente para que atendam as demandas da pauta de governança ambiental, social e corporativa.

Edison Carlos, do Instituto Aegea, em entrevista ao Mundo Corporativo ESG, demonstrou ter clareza desse desafio, a ponto de, ao assumir o cargo de presidente da instituição, ter decidido ampliar o campo de atuação da organização que comanda. Se no início, o instituto tinha como foco as ações de responsabilidade social, a partir da sua chegada passou a cuidar de toda a área de sustentabilidade:

“A gente não quer só entregar água em esgotamento sanitário no menor prazo possível, na melhor tarifa que a população possa pagar. A gente quer ir além. A gente quer desenvolver projetos sociais de melhoria da renda, melhoria da educação, melhoria da saúde, que são os pilares do IDH da cidade. A gente quer desenvolver projetos ambientais que melhorem o dia a dia daquela cidade”.

A Aegea é líder no setor privado de saneamento básico no Brasil, está em 154 cidades, e oferece água potável, coleta e tratamento de esgoto há mais de 21 milhões de pessoas. Para uma empresa que tem como missão melhorar a vida de cerca de 10% da população brasileira, chama atenção que recorra a imagem de um minúsculo cavalo-marinho para explicar os resultados que tem alcançado. Ilustração que se justifica nas palavras de Edison Carlos:

“Quando a gente chegou na Lagoa de Arauama, na Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, há alguns anos, as condições eram péssimas por conta do lançamento de esgoto. Hoje, ao ver cavalos-marinhos retornando naquela área, um animal muito sensível às condições do oceano, isso mostra como é como é bom, como é saudável, como a gente fica feliz de ver o resultado na prática”.

Ver esse mesmo resultado na Baía de Guanabara é um dos desafios que a empresa enfrenta nesse momento, segundo o presidente do instituto. Para recuperar as áreas em que a Aegea atua serão investidos, nos próximos cinco anos, cerca de R$ 3 bilhões na construção de coletores para bloquear o esgoto.

De acordo com Edison Carlos, a governança social se destaca com ações de impacto interno e externo da empresa. Do lado de fora, são mais de 100 mil famílias ou 400 mil pessoas beneficiadas com a tarifa social — número que excede em muito o que está previsto nos contratos assinados pela empresa para explorar o serviço de saneamento nas cidades.

“A gente verifica que  se tem essa possibilidade de encaixar faixas de renda menores na tarifa social, melhor, porque essas pessoas vão ser ‘ fiscais da companhia’. Elas vão olhar se está tendo vazamento de água naquela comunidade, se estourou uma determinado cano …eles informam muito mais a gente. Quanto mais a sociedade está bem atendida, mas eles funcionam a favor do serviço”. 

Internamente, o Instituto Aegea promove programas de diversidade que incentivam a equidade racial e de gênero nos cargos de liderança. Edison Carlos ressalta que para essas ações terem êxito, é importante o comprometimento do comando da empresa, essencial para que os demais colaboradores se engajem nas iniciativas. 

“Não tem um Planeta B. Ou seja, não temos um Plano B de Planeta. O que a gente, então, tem de fazer é entregar o melhor para as próximas gerações, não só como executivos, profissionais, mas como cidadãos, também, esses pilares têm de estar incorporados no nosso dia  a dia”

Na entrevista ao Mundo Corporativo ESG, Edison Carlos também chamou atenção para os cuidados que as empresas devem ter para que as iniciativas de gestão ambiental, social e corporativa passem a fazer parte da cultura da organização. E explicou como funciona essa estratégia de comunicação na Aegea.

Assista à entrevista completa de Edison Carlos, do Instituto Aegea, ao programa Mundo Corporativo ESG:

O Mundo Corporativo tem as participações de Renato Barcellos, Bruno Teixeira, Priscila Gubiotti e Rafael Furugen.

A batalha da sustentabilidade: SP X RJ

 

Texto publicado originalmente no Blog Adote São Paulo, da Época São Paulo.

 

Guarapiranga, a represa

 

Sou do Rio Grande do Sul como já deve estar cansado de saber o caro e raro leitor deste blog. Os gaúchos somos bairristas, ao menos é a fama que temos desde que na Guerra dos Farrapos grupos rebelados pediam a independência do Estado Farroupilha. Mas bairrista mesmo é você, independentemente de onde tenha nascido. Tenho certeza de que se falarem mal de sua terra natal, você será o primeiro a sair em defesa do seu Estado, a despeito de reconhecer todos os problemas que existam por lá (ou por aqui). Dia desses, minha colega de Jornal da CBN Viviane Mosé comentou sobre a violência em São Paulo. Foi o que bastou para alguns paulistas mandarem mensagens desaforadas para minha caixa de correio. Como aquela moça, nascida no Espírito Santo e vivida no Rio de Janeiro, se atreve a reclamar da falta de segurança em São Paulo? Questionavam alguns, como se o assunto não fosse uma preocupação enorme dos paulistanos. Eu mesmo já ouvi desaforos deste tipo porque me meto a pedir melhorias para a capital paulista.

 

Hoje, em sua coluna Economia Verde, em O Globo, o jornalista Agostinho Vieira, meteu sua colher nesta disputa regional ao comparar as cidades do Rio e de São Paulo do ponto de vista da sustentabilidade. Sabia bem o risco que corria, pois já na abertura do texto lembrava que “para alguns cariocas, a melhor parte de uma viagem a São Paulo é a hora de voltar para o Rio. Já certos paulistas acham que este é um balneário decadente e caro, onde não vale mais a pena nem um fim de semana”. Vieira é craque no assunto – não do bairrismo, mas no da sustentabilidade – por isso trago algumas das comparações pertinentes que estão na edição desta quinta-feira do jornal. Acompanhe comigo:

 

Trânsito

 

SP – 11 milhões de moradores/5 milhões de carros (2,2 pessoas p/carro); 30% viajam de carro; da casa ao trabalho gastam 44min42seg em média
RJ – 6 milhões de moradores/2,6 milhões de carros (2,3 pessoas p/carro) 13% viajam de carro; da casa ao trabalho gastam 44min18seg

 

Metrô

 

SP – 74,3Km
RJ – 42km

 

Ciclovias

 

SP – 36km
RJ – 300km

 

Mortes no trânsito

 

SP – 12,1 morrem p/100 mil habitantes
RJ – 5,4 morrem p/100 mil habitantes

 

Poluição

 

SP- 38 microgramas de poluentes por metro cúbico
RJ- 64 microgramas de poluentes por metro cúbico

 

Emissão de gases de efeito estufa

 

SP- 15,7 milhões de toneladas de CO2 (2005)
RJ- 11,3 milhões de toneladas de CO2 (2005)

 

(neste ítem, os dados de 2011 devem mostra empate técnico)

 

Árvores

 

SP- 12,5 metros quadrados p/habitante
RJ- 56,8 metros quadrados p/habitante

 

Lixo

 

SP- 18 mil toneladas/dia
RJ- 9 mil toneladas/dia

 

Lixeira

 

SP- 1 para cada 58 habitantes
RJ- 1 para cada 213 habitantes

 

Reciclagem

 

SP – 2% do lixo gerado
RJ – 1% do lixo gerado

 

Fornecimento de água

 

SP- 100% das casas
RJ- 91% das casas

 

Esgoto coletado/tratado

 

SP- 96% das casas/54% das casas
RJ- 70% das casas/53% das casas

 

Uma ganha aqui, outro acolá. As duas, na maior parte dos itens, estão bem distante das recomendações internacionais. Mas, como escreveu Agostinho Vieira, “esta é uma boa e saudável disputa. Do tipo que deveríamos fazer questão de ganhar em 2016”. Todos nós, bairristas: paulistas, cariocas, gaúchos, pernambucanos …

A lição do gari

 

Por Devanir Amâncio
ONG Educa SP

Sujeira em bueiro
   

Garis ficaram impressionados com a quantidade de sacolinhas plásticas que encontraram ao fazer a limpeza  de bueiros na rua  25 de Março, na região do Parque D.Pedro, centro de São Paulo. Como grandes observadores das ruas, eles recomendam humildade ao prefeito Gilberto Kassab ao falar sobre  enchentes. Segundo os garis, a cidade resolveria significativamente o problema  das enchentes se instalasse ‘telões’ ( grades em ferro fundido) em todas as  bocas-de-lobo da cidade. Ainda prevêem enchentes devastadoras no futuro se a prefeitura não modernizar a construção de bocas-de-lobo e adotar equipamentos eficientes (modernos) na limpeza de galerias pluviais.

“Uma equipe de três pessoas limpa apenas 10 bocas-de-lobo por dia, às vezes uma”, diz um gari, que desistiu ao fazer a conta do tempo que demoraria para desentupir a cidade.

Nem sempre deve-se avaliar a competência de uma pessoa pelo salário que recebe. Os limpadores de esgoto e varredores de rua ganham cerca de 800 reais e têm ideias simples e inovadoras para  os problemas urbanos . Os salários desses humildes trabalhadores são insignificantes se comparar com a fortuna salarial de um subprefeito que chega a 35 mil reais 

Quais são as projetos  de cidade do segundo escalão da Prefeitura de São Paulo, que teve um reajuste salarial de mais de 200 por cento ? Não é um exagero? Por que a oposição, se é que existe, ficou calada? E o décimo terceiro dos vereadores?  Esses últimos acontecimentos envolvendo dinheiro público, uma espécie de êxtase lesa-cidadão, poderiam  ser colocados na lista das grandes injustiças sociais de nossa cidade. E muitos desses ‘servidores do povo’ ainda dizem com a boca cheia:” Eu amo São Paulo.” 

Enquanto isso as subprefeituras, e o Serviço Funerário – o maior cabide de emprego municipal do Brasil – estão sucateados[…]. São agora tubarões da administração pública, perderam o sentido ético, desprezam o senso-comum, menosprezam os valores sublimes que têm os mais humildes cidadãos que vivem com dignidade a sua pobreza. Os mesmos cidadãos,  vítimas das dezenas de milhares de cartinhas escárnio de vereadores desejando-lhes  “Feliz Natal e um Próspero Ano Novo!” . 

Qual dos vereadores e demais funcionários de vida abastada dos ricos teria a coragem de devolver aos cofres públicos parte do que ganham ou, para contestar, distribuir aos pobres em praça pública suas moedas?

A eles,  votos  que aprendam o valor social dos garis e limpadores,  coveiros, sem-teto  quilombolas e inúmeras minorias. Que pensem  na prática  a  sustentabilidade, e projetos de saúde para a legião de viciados em crack que fecha ruas em São Paulo; votos que encontrem uma solução para as milhares de crianças sem creche.

Votos que os políticos vençam todos os  tipos de sujeiras e extravagâncias. Só assim, o “amor ” que tanto se ouve falar em ano eleitoral, terá  sentido.

                                         

Foto-ouvinte: O esgoto da UBS

 

UBS - República

Por Devanir Amâncio
ONG EducaSP

O esgoto da Unidade Básica de Saúde (UBS) na Praça da Bandeira – ao lado do Pálacio Anhangabaú – está entupido e transbordando. Precisa de encanador urgente. A água grossa e escura  que sai do banheiro de deficientes alaga toda a unidade.Durante cerca de 30 dias,faxineiros,seguranças  ,enfermeiros e médicos se revezam na limpeza. No dia 28/9 ,mais uma vez todos se uniram para  retirar a água podre. Os funcionários da UBS afirmam que a Prefeitura foi comunicada sobre o problema da rede de esgoto no início de setembro ,e  até agora  nenhuma providência foi tomada. 

Um esgoto transbordar por tanto tempo dentro de uma Unidade de Saúde é uma grande negligência. Isso é mais do que preocupante. É grave !
 

Enchente, taxa, esgoto e a mesma m…

 

Osasco pós enchente 2

A palavra ganhou destaque na mídia na boca do presidente Lula, semana passada, e se tornou apropriada para a situação vivida por moradores do extremo leste e região metropolitana de São Paulo. Haja vista o que ocorreu nesta quarta (16.12) em bairros de Osasco tomados pela lama e na terça retrasada (08.12) no Jardim Pantanal e áreas vizinhas, na capital, que ainda estão embaixo d’água.

Em três entrevistas, o CBN São Paulo falou sobre assuntos diferentes mas que migravam para o mesmo fato: a falta de estrutura das cidades para encarar os fenômenos do clima. Aliás, a própria Patrícia Madeira, da Climatempo, logo na abertura do programa, chamou atenção para o fato de apesar da quantidade de chuva ser muito grande, não há nada de excepcional neste mês de dezembro.

Ela disse que esta história de que “em duas horas choveu o equivalente a oito dias” é balela. Pois a chuva não cai em prestação, costuma despencar na cabeça do cidadão em pancadas como a que ocorreu nestas últimas semanas.

Mas vamos ao que disse cada um dos nossos entrevistados.

A cidade de São Paulo tem planos de construir 21 parques lineares até o fim do Governo Kassab. Dos 13 previstos para este ano, sete foram entregues. A maior aposta é com o Parque Linear da Várzea do Tietê que deve ter sua primeira etapa entregue em um ano:

Ouça a explicação do secretário interino do Verde e Meio Ambiente da cidade de São Paulo, Hélio Neves

A Sabesp, por sua vez, deixou de tratar boa parte do esgoto gerado na última semana na região de São Miguel Paulista, por defeito em seu equipamento. Sem contar que o esgoto coletado no Jardim Pantanal é todo despejado no rio Tietê.

Ouça a entrevista com o superintendente da Sabesp Paulo Nobre

E como tudo se deve a forma com que ocupamos o ambiente urbano, a professora de engenharia hidráulica da USP, Mônica Porto, defende medidas urgentes para melhorar a drenagem do solo e comentou sobre a necessidade de criação de uma taxa para combater enchentes, a taxa da drenagem:

Ouça a entrevista com a professora de Engenharia Hidráulica da USP Mônica Porto

Aos que não querem ouvir falar em taxa, uma notícia: apesar de a secretária estadual de Saneamento e Energia Dilma Pena ter se sensibilizado com o tema, e se declarou a favor da cobrança, o comentário dela não repercutiu bem no Palácio dos Bandeirantes e em Copenhagen, na Dimarca, onde está o governador de São Paulo José Serra (PSDB).