Alckmin, do PSDB, entre cafezinhos e estatísticas

 

Cafezinho, número, debate, estatística, cazefinho de novo, mais debate, mais dados, e um cafezinho, por favor ! Assim tem sido o cotidiano do candidato Geraldo Alckmin, do PSDB, apontado como favorito na disputa pelo Governo de Estado de São Paulo.

Na noite passada, estava em um debate. O quarto de seis que se realizarão até o fim do primeiro turno. “Com seis participantes fica cansativo”, confidenciou. Hoje cedo, saiu de casa para a rádio CBN e pouco antes de entrar na emissora, atravessou a rua para mais um cafezinho. É sempre oportunidade para ganhar o apoio de um eleitor que esteja no caminho.

Interrompeu o trajeto para cumprimentar o jornalista Heródoto Barbeiro que deixava a rádio naquele momento. “Fui aluno dele” contou aos mais próximos. E seguiu para o cafezinho. Abraços, foto, um sorriso contido.

Apesar de aparecer com chances de ganhar a eleição no primeiro turno, Alckmin não perde um minuto de sua agenda. Sabe que qualquer descuido é suficiente para ter de encarar mais uma etapa nesta corrida, o que significaria mais cafezinho, número, debate, estatística …

Chega no estúdio acompanhado de alguns assessores, fotógrafos e um cinegrafista da TV Globo que grava imagens para reportagem do dia. A propósito: Alckmin faz parte dos candidatos de gravata, e usa uma azul. Será retirada assim que voltar às ruas.

Antes disso, porém, mantém a pose de candidato na televisão (é no rádio e na internet nossa entrevista, mas é como se fosse na TV). Senta com a coluna ereta, não encosta na cadeira, usa as mãos de maneira sincronizada com a fala e mantém um hábito de políticos antigos: fala olhando para a lente da câmera, se esquecendo que ao lado dele tem um jornalista a fazer pergunta.

Da primeira a última pergunta tenta disparar dados, estatísticas e propostas de governo, mesmo que a questão tenha outro sentido. Se não é forçado a interromper a resposta, dá a impressão de que falaria sem errar os 30 minutos que tem à disposição. Este hábito torna a entrevista quase um embate. Posso perguntar, por favor ?

Falou muito de educação, metrô e segurança, sempre apoiado em uma quantidade enorme de dados, alguns dos quais difíceis de serem confirmados. Comentou sobre o Efeito Lula na eleição estadual e de denúncias durante seu governo quando foi acusado de estar beneficiando deputados da base aliada com verba de publicidade da Nossa Caixa.

 

Apesar de gostar tanto de números e dados (e cafezinho), Alckmin abre mão de usá-los quando o tema é transparência na campanha. Diz que não vai divulgar o nome dos financiadores antes da eleição, pois cumpre a lei rigorosamente. Se cadastrar no site do Ficha Limpa nem pensar: “daqui a pouco vem uma ONG e vai querer que a gente atualize as contas diariamente”, reclamou. Sugeriu que transformem a obrigação em lei. Deve ter esquecido que ONG na cria lei, deputados (inclusive os da base alida) é que têm este poder.

Seja como for, a entrevista termina e lá vai o candidato para mais um cafezinho, números, debate, estatística, cazefinho de novo … Ele torce para que dia 3 de outubro esta maratona acabe, seus oito concorrentes esperam que não.

Perguntômetro

Líder nas pesquisas e no número de mensagens, também. Entre perguntas, críticas e sugestões foram 78 as que contei em minha caixa de correio.

Mercadante, do PT, acusa ‘pedagocídio’ (o quê?)

 

“Pode gravata vermelha ?” – perguntou uma assessora por telefone, um dia antes.

A pergunta endereçada à produtora Fabiana Boa Sorte, do CBN São Paulo, sinalizava o cuidado do candidato Aloizio Mercadante, do PT, com sua imagem. Todas as assessorias haviam sido informadas que o vermelho predomina no estúdio de internet da CBN, e foi sugerido que evitassem roupas com esta cor. Mas, vá lá, gravata vermelha, pode.

Preciosismo da assessoria, pois na hora da entrevista o candidato aparece sem gravata. O mesmo já havia acontecido com Celso Russomano, do PP. Melhor que Alckmin, do PSDB, não saiba. Como já falamos neste espaço, ontem, foi ele quem viu na semelhança das gravatas dos dois principais adversários um sinal da conspiração petista-malufista.

Gravatas à parte, ou guardadas na mala, Mercadante chegou meia hora antes da entrevista começar. Veio de carro do Alto de Pinheiros até o centro. E saiu cedo para não ser traído pelo congestionamento. “Culpa dos 16 anos de governo do PSDB”.

No estúdio chegou com três assessores, fotógrafo, equipes de gravação e perseguido de perto pela TV Globo – parece ser a única televisão a cobrir o cotidiano da disputa estadual (eu disse, parece). Antes de começar a falar ao vivo, brincou com os santistas do estúdio, enquanto eu era assediado por um dos gremistas que o acompanha, o vereador Arselino Tatto, do PT.

No ar, tráfico de influência, sigilo fiscal, aloprados e ausência no Senado foram os temas que abriram a conversa, para depois entrarmos em propostas de governo. As respostas curtas na primeira parte da entrevista demonstravam incômodo com os temas; as longas explanações na segunda, revelavam um candidato mais à vontade a ponto de ter de interrompê-lo para que pudéssemos atender parte da demanda de perguntas enviadas pelos ouvintes-internauta.

Na área de educação, que mais me interessa no momento, disse que não é contra a progressão continuada, mas, sim, a aprovação automática. “Culpa dos 16 anos de governo do PSDB”. Infelizmente, pretende jogar o bebê junto com a água da bacia. Chegou a arriscar um neologismo: pedagocídio – suicídio pedagógico. Que nenhuma criancinha aprenda estas coisas na sala de aula.

Também não vai se cadastrar no site do Ficha Limpa. Pelo menos, desta vez, não pôs a culpa no PSDB, mas nos empresários que doam às campanhas e não querem ser pressionados pelos demais concorrentes.

Meia hora de entrevista vai embora rapidamente, não dá tempo para mais nada. Mercadante espera ter oportunidade de continuar falando no segundo turno. Não depende só dele.

Da rua das Palmeiras, na capital, seguirá para Suzano, região metropolitana.

“Vai como candidato ?”

“De helicóptero” – respondeu

“Culpa dos 16 anos de governo do PSDB”- deve ter pensado.

Perguntômetro

Antes e durante a entrevistas, foram enviados 65 comentários e perguntas ao candidato Aloizio Mercadante. Até aqui, é o líder no perguntômetro do CBN São Paulo.

Mancha do PSTU quer polícia única e comunitária

 

Sem glamour de candidato nem apoio de filiados ou acompanhado por uma equipe de televisão, mas com o discurso do partido na ponta da língua. Assim, Luis Carlos Prates, o Mancha, do PSTU, se apresentou na quarta entrevista da série com os candidatos ao Governo de São Paulo, no estúdio de internet da CBN, nesta manhã.

Mancha faz parte dos candidatos sem-gravata, apelido que ganharam os representantes de partidos nanicos e de esquerda que disputam o pleito este ano após a indumentária masculina ter sido citada no primeiro debate eleitoral promovido pela TV Bandeirantes. Alckmin (PSDB) “acusou” Mercadante (PT) e Russomano (PP) de usarem gravatas iguais; e Paulo Bufalo (PSOL), único representante dos socialistas, aproveitou para mostrar que era tão diferente dos demais que nem gravata vestia.

O candidato do PSTU usa camisa de gola aberta, manga levemente arregaçada e calça jeans. O sapato não lembro bem, mesmo porque estava mais interessado em ouvir as propostas dele do que me ater as vestimentas.

A propósito disto, não é apenas a falta de gravata que o aproxima dos demais candidatos de esquerda, nesta campanha. Defende a bandeira socialista, redução na jornada de trabalho sem redução de salário, aumento do mínimo para os trabalhadores, reestatização e fim das privatizações, entre outros pontos.

Planos de governo vieram à tona, também, provocados por perguntas de ouvintes-internautas e assim Mancha falou sobre segurança, defendendo a criação de uma polícia unificada e comunitária; sobre educação disse ser a favor do fim da progressão continuada e a diminuição do número de alunos por sala de aula; e sobre transporte pediu o fim dos pedágios. As propostas dele você acompanha assistindo à entrevista no vídeo acima.

Antes de ir embora, perguntei sobre o cadastramento dele no site do Ficha Limpa. Assim como todos os demais candidatos ao Governo de São Paulo ainda não se cadastrou, mas disse que talvez o faça. Neste caso, tanto faz usar ou não gravata, todos se parecem.

Perguntômetro

Durante a entrevista, 9 perguntas e comentários foram enviados ao candidato do PSTU, Mancha, e todas foram encaminhadas a ele para que possa responder aos ouvintes-internautas.

Mancha, do PSTU, na entrevista do CBN SP

 

CBN SP painelO PSTU está sozinho na disputa deste ano. O partido não fez coligação com nenhum dos demais partidos de esquerda e extra-esquerda e decidiu lançar candidato para todos os cargos, inclusive para as duas vagas ao Senado. Para o governo do Estado, o nome escolhido foi o do metalúrgico e sindicalista Luis Carlos Prates, que atende por Mancha.

Ele será o entrevistado desta segunda-feira, no CBN São Paulo, na série com os candidatos ao Governo de São Paulo que se iniciou semana passada. A entrevista terá transmissão simultânea no rádio e na internet (com imagens), das 10 e meia às 11 horas da manhã. Ouvintes-internautas participam com perguntas que podem ser enviadas para milton@cbn.com.br, as quais serão encaminhadas ao candidato, após a entrevista, para que ele possa respondê-las diretamente

Os temas discutidos na entrevista com os candidatos foram sugeridos pelo público, nas duas últimas semanas. O CBN São Paulo conversou também com especialistas nas áreas de transporte, educação, saúde, segurança, meio-ambiente e gestão pública.

A ordem dos entrevistados foi decidida em sorteio com a presença dos representantes das nove coligações que disputam o cargo ao Governo de São Paulo:

Dia 08.09 – quarta – Paulo Skaf (PSB)

Dia 09.09 – quinta – Celso Russomano (PP)

Dia 10.09 – sexta – Paulo Roberto Bufalo (PSOL)

Dia 13.09 – segunda – Luiz Carlos Prates, Mancha (PSTU)
Dia 14.09 – terça – Aloizio Mercadante (PT)

Dia 15.09 – quarta – Anai Caproni Pinto (PCO)

Dia 16.09 – quinta – Geraldo Alckmin (PSDB)

Dia 17.09 – sexta – Fábio Feldmann (PV)

Dia 20.09 – segunda – Igor Grabois (PCB)

Bufalo, do PSOL, fala enquanto tem tempo

 

Trinta minutos no rádio, trinta segundos na televisão. O candidato do PSOL ao Governo Paulo Bufalo teve de encarar o difícil desafio de adaptar o mesmo discurso para tempos (e mídias) tão distintos, nesta manhã.

Primeiro, falou na CBN, onde chegou com meia hora de antecedência e sozinho, bem diferente dos candidatos que disputam o cargo pelos partidos mais tradicionais. E hoje ainda era o dia de sorte dele, pois na escala da TV Globo cabia a Bufalo o acompanhamento de duas equipes de reportagem. Isto significa aparecer nos dois telejornais locais e gravar depoimento sobre alguns temas propostos pela emissora.

Nada que mudará sua situação na preferência do eleitor, mas boa chance de “vender o peixe” do PSOL. Tem feito isto principalmente no interior, onde me disse que a cobertura da imprensa tem sido mais assídua no embate estadual. Não se sabe ao certo quanto tempo ainda terá para seguir em frente nesta campanha, pois a candidatura dele – por problemas com o vice Aldo Santos – está ameaça pela justiça eleitoral.

Parecia mais à vontade diante das câmeras do estúdio de internet da CBN do que os da reportagem da Globo. Certamente, o fato de o tempo da entrevista no rádio ser maior e menos rígido tenha colaborado para desenvolver suas ideias sobre educação, saúde, transporte, meio ambiente e gestão pública.

Na TV, o discurso não podia ser nem maior nem menor, 30 segundos exatos, controlado pela equipe. O não cumprimento do tempo o levou a gravar exaustivamente a mesma fala.

Demonstra timidez fora do ar, por isso surpreende quando sobe a voz para disparar críticas aos governos Estadual e Federal, na entrevista. Sobrou também para alguns adversários de campanha, entre eles Russomano e a ideia de disciplinar as escolas com polícia na porta.

Assim como todos os demais concorrentes ao Governo, porém, não se inscreveu ainda no site do Ficha Limpa. Pelo pouco que arrecadou até aqui e a forma como o dinheiro chega à campanha – “do meu bolso e alguns amigos” – não teria dificuldade. O problema, alega, é a falta de pessoal para organizar as contas. Mas prometeu que vai tentar. Mais uma promessa para nossa lista.

Fim de papo, no rádio e na Tv. E lá se vai o candidato agora acompanhado por mais um assessor.

Perguntômetro

Na caixa de correio, o reflexo da campanha sem estrutura do PSOL: quatro perguntas apenas.

E por falar em Ficha Limpa

 

ficha-limpa-limpaSe cumprir promessa feita ao CBN SP, Celso Russomano do PP será o primeiro candidato ao Governo do Estado a se cadastrar no site do Ficha Limpa, apesar de faltarem cerca de 20 dias para a eleição. Se seguir a tendência dos candidatos ao Senado que estiveram no programa será mais um político a descumprir com a palavra assumida publicamente.

Na série de entrevistas com os candidatos ao Senado por São Paulo, perguntei a 10 deles se assumiam o compromisso de se cadastrar no site do Ficha Limpa. Apenas um se comprometeu e cumpriu: Marcelo Henrique do PSOL.

Sete, apesar de dizerem que iriam tomar a atitude no dia seguinte, até agora estão devendo a promessa: Netinho de Paula (PC do B), Ciro Moura (PTC), Afonso Teixeira (PCO), Dirceu Travesso (PSTU), Serpa (PSB), Mazzeo (PCB) e Redó (PP).

Dois se negaram a se cadastrar no site: Marta Suplicy do PT e Aloysio Nunes do PSDB.

O candidato ao senado Ricardo Young do PV não precisou ser cobrado, pois foi um dos primeiros em todo o Brasil a aderir ao Ficha Limpa.

Nessa quarta-feira, também fiz a pergunta ao candidato ao Governo Paulo Skaf (PSB) que disse não ter condições de fazer prestação de contas semanais, uma das exigências para ter o nome cadastrado no site. Ele também se negou a divulgar o nome dos financiadores de sua campanha antes das eleições.

Até a noite desta quinta-feira, 63 candidatos em todo o Brasil estavam cadastrados no Ficha Limpa dos quais sete concorrem ao Senado, três a governos estaduais e um à presidência. Confira a lista completa clicando aqui.

Paulo Bufalo, PSOL, na entrevista com Governadores

 

CBN SP painelUm beijo gay e uma ficha suja deram destaque inesperado ao nome do candidato do PSOL ao Governo de São Paulo, Paulo Bufalo. O caso do beijo, que apareceu na propaganda eleitoral para mostrar que as pessoas tem opção, incomodou reacionários; o da Ficha, ainda incomoda o próprio partido que corre o risco de ficar fora da disputa antes mesmo da eleição.

Bufalo é o entrevistado desta sexta-feira, na série promovida pela rádio CBN. Ele ainda concorre ao cargo de Governador porque o PSOL recorreu da decisão do TRE que indeferiu o nome do candidato a vice Aldo Santos, condenado por ter usado carro oficial indevidamente quando era vereador em São Bernardo. Como aos olhos da justiça eleitoral a candidatura é indivisível, se a decisão for confirmada Bufalo também perde o direito de disputar o cargo.

A entrevista terá transmissão simultânea no rádio e na internet (com imagens), das 10 e meia às 11 horas da manhã. Ouvintes-internautas participam com perguntas que podem ser enviadas para milton@cbn.com.br, as quais serão encaminhadas ao candidato, após a entrevista, para que ele possa respondê-las diretamente

Os temas discutidos na entrevista com os candidatos foram sugeridos pelo público, nas duas últimas semanas. O CBN São Paulo conversou também com especialistas nas áreas de transporte, educação, saúde, segurança, meio-ambiente e gestão pública.

A ordem dos entrevistados foi decidida em sorteio com a presença dos representantes das nove coligações que disputam o cargo ao Governo de São Paulo:

Dia 08.09 – quarta – Paulo Skaf (PSB)

Dia 09.09 – quinta – Celso Russomano (PP)

Dia 10.09 – sexta – Paulo Roberto Bufalo (PSOL)

Dia 13.09 – segunda – Luiz Carlos Prates (PSTU)

Dia 14.09 – terça – Aloizio Mercadante (PT)

Dia 15.09 – quarta – Anai Caproni Pinto (PCO)

Dia 16.09 – quinta – Geraldo Alckmin (PSDB)

Dia 17.09 – sexta – Fábio Feldmann (PV)

Dia 20.09 – segunda – Igor Grabois (PCB)

Russomano: atrasado, assediado e ainda nas ruas

 

Celso Russomano se auto-intitula o “Governador das Ruas”. E estava em uma delas, em Santo Amaro, zona sul, antes de seguir para a rua das Palmeiras, 315, em Santa Cecília, área central. Talvez desacostumado com o trânsito de São Paulo, afinal está há quatro mandatos em Brasília, deixou para sair de lá apenas 50 minutos antes de se iniciar a entrevista no CBN São Paulo. Você que anda pra lá e prá cá nas ruas da cidade já imagina qual foi o resultado: chegou atrasado, 10 minutos atrasado.

Chegou correndo ao estúdio, vestindo uma jaqueta de couro, calça jeans e tênis, apropriado para a campanha feita na rua. Estava acompanhando por um bom número de auxiliares, cabos eleitorais e candidatos do PP. Não tive tempo para contar quantos estavam lá. Paulo Maluf não estava.

A imprensa estava. Ao menos a TV Globo, com duas equipes, além de fotógrafos – todos da própria campanha dele. As empresas de comunicação tendem a escalar equipes para cobrir os três primeiros nas pesquisas eleitorais. Ele é o terceiro colocado na corrida ao Governo de São Paulo.

O assédio não é apenas de alguns repórteres, é dos partidos, também. PSDB e PT já conversaram com Russomano, segundo ele próprio confirmou na entrevista. Apoio para o 2o. turno ? Ainda não é hora, diz. Pode até pensar assim, mas os partidos não querem chegar atrasado.

O PT de Mercadante conta com uma leve melhora de Russomano na preferência do eleitor para ver se consegue tirar votos de Alckmin. O PSDB de Alckmin não quer ser pego desprevenido caso não se concretize o plano de vencer a eleição já no primeiro turno. E o Russomano do PP ? Estando bom para ambas as partes, ele pode fechar acordo com um ou outro: “me dou bem com todos os lados”.

Não perdeu a mania dos tempos de repórter de televisão. Responde olhando o tempo todo para a câmera e esquece do interlocutor. Fala com facilidade, apesar de a pressa levá-lo a esquecer de alguns nomes … de rua.

Na entrevista, mais curta pelo atraso, falou-se de educação, segurança, estradas, transporte, gestão pública e transparência nas contas. Do primeiro tema, destaco a afirmação de que vai colocar polícia na porta da escola pra dar autoridade ao professor; do último, a promessa de que vai se cadastrar no site do Ficha Limpa. Promessa de candidato.

Antes de deixar o estúdio parecia mais tranquilo, apresentou-me um candidato do partido e me agradeceu por ter feito uma entrevista apenas com assuntos que interessam ao eleitor. Eu havia esquecido de perguntar sobre a ausência de Paulo Maluf.

Perguntômetro

Foram 17 perguntas de ouvintes-internautas enviadas diretamente ao candidato Celso Russomano, antes e durante a entrevista. 39 no total, contando as feitas a todos os candidatos. Já foram repassadas por e-mail à assessoria dele para caso tenha interesse em esclarecer os assuntos propostos pelos ouvintes-internautas.

Russomano, PP, será entrevistado no rádio e internet

 

CBN SP painelTerceiro colocado nas pesquisas eleitorais, distante da disputa dos dois primeiros, mas com potencial para impedir uma vitória do PSDB no primeiro turno. É com este cacife que o candidato Celso Russomano do PP, que integra a Coligação Em Defesa do Cidadão, chega a essa altura do campeonato – ou da campanha. O discurso, lógico, ainda é de que está na disputa e com chances. E assim deve se apresentar na segunda entrevista da série com os candidatos ao Governo do Estado, promovida pela CBN.

Com transmissão simultânea no rádio e na internet, a entrevista vai ao ar das 10 e meia da manhã às 11 horas, com participação dos ouvintes-internautas que podem fazer perguntas pelo e-mail milton@cbn.com.br. Todas as mensagens enviadas ao candidato durante o programa serão, após a entrevista, encaminhadas à assessoria dele para que possam ser respondidas.

Os temas discutidos na entrevista com os candidatos foram sugeridos pelo público, nas duas últimas semanas. O CBN São Paulo conversou também com especialistas nas áreas de transporte, educação, saúde, segurança, meio-ambiente e gestão pública.

A ordem dos entrevistados foi decidida em sorteio com a presença dos representantes das nove coligações que disputam o cargo ao Governo do Estado:

Dia 08.09 – quarta – Paulo Skaf (PSB)
Dia 09.09 – quinta – Celso Russomano (PP)
Dia 10.09 – sexta – Paulo Roberto Bufalo (PSOL)
Dia 13.09 – segunda – Luiz Carlos Prates (PSTU)
Dia 14.09 – terça – Aloizio Mercadante (PT)
Dia 15.09 – quarta – Anai Caproni Pinto (PCO)
Dia 16.09 – quinta – Geraldo Alckmin (PSDB)
Dia 17.09 – sexta – Fábio Feldmann (PV)
Dia 20.09 – segunda – Igor Grabois Olimpio (PCB)

Skaf fala em tirar aeroportos do Governo Federal

 

Em cima da hora, mas na hora. E com duas recomendações e muitos cuidados. Assim chegou Paulo Skaf (PSB), primeiro entrevistado da série com os candidatos ao Governo de São Paulo, ao estúdio de internet na CBN, nessa manhã.

Faltavam 15 minutos para começar a entrevista, por telefone a assessoria dele informou que ainda estavam na avenida Angélica. Não é longe, mas o trânsito atrapalha. E este seria um dos assuntos a serem tratados mais tarde quando defendeu uma espécie de “CET estadual” para cuidar do trânsito na região metropolitana.

Foi da assessoria o primeiro pedido, assim que todos chegaram na rádio: ele é presidente licenciado da Fiesp e não ex-presidente. Bom saber, assim fica certo que tem cargo garantido após a eleição.

Foi do próprio candidato o segundo: “Me chame de Skaf, é como está na propaganda”. Aliás, o resultado da campanha eleitoral abriu nossa conversa, já que por enquanto o nome dele não vai além dos 2% nas preferências de voto, segundo as pesquisas. Isto não parece lhe tirar o entusiasmo. Acredita que a hora da mudança é agora.

Antes de ir ao ar chamou atenção para o fio do microfone que aparecia de mais ao lado da lapela, fez questão de perguntar quais câmeras poderia olhar para conversar com o eleitor e ajeitou várias vezes o terno bem alinhado – hábito que trouxe dos tempos de Fiesp.

Começa a entrevista e o candidato Paulo Skaf, como preferi chamá-lo, dá sinais de que está bem treinado. Pontua sua fala com as mãos, alterna o olhar para a câmera e para o apresentador, segue a risca as mensagens-chave da campanha: educação em tempo integral, tirar projetos do papel, oferecer mais segurança, saúde melhor, transparência nos atos de governo etecetera e tal. Arriscou até mesmo a defesa da estadualização dos aeroportos: “Se não estiverem funcionando vou intervir”.

Deixa a desejar, porém, quando precisa explicar melhor cada um desses pontos. Prefere voltar as frases formatadas e reforçar a ideia do Governo com mão forte no qual com autoridade tudo consegue. Mas estas coisas é melhor você mesmo avaliar assistindo à entrevista que está disponível na página da CBN no You Tube.

A propósito, repetiu o comportamento da maioria dos candidatos ao justificar que não vai se cadastrar no site do Ficha Limpa por que não tem como atualizar as contas da campanha semanalmente e seria cruel com os doadores “se eu publicar o nome de um doador nesta semana, os outros candidatos vão lá no dia seguinte pedir dinheiro”.

Perguntômetro do CBN SP

Antes e durante a entrevista, ouvintes-internautas enviaram 39 comentários e perguntas ao CBN São Paulo, dos quais 22 feitos para Paulo Skaf, os demais foram dirigidos a todos os candidatos ao Governo. Logo após a entrevista, as perguntas foram encaminhadas à campanha de Skaf para que ele tenha oportunidade de responder a todos os questionamentos. O mesmo será feito com os demais candidatos no decorrer da série que vai até o dia 20 de setembro