Conte Sua História de São Paulo 465 anos: a turminha do córrego do Sapateiro

 


Por João Batista de Paula
Ouvinte da CBN

 

 

No Itaim Bibi nos tempos da zagaia.
 

 

O tempo de todos nós, meninos e meninas do bairro do Itaim Bibi, dos anos 1940 a 1950. Era a nossa infância e parte de nossa juventude — saudades desse tempo que ainda não tínhamos saudades. Não sei nada, mas sei que quando o encanto é para ser, será; e não há quem possa separar.
 

 

Nos tempo das ruas de terra batida — quando chovia o barro com o sol virava  torrão, o torrão virava pó, o pó virava lama, com as águas, o córrego do Sapateiro se agigantava, a ponte balançava, as árvores tremiam e se batiam com os ventos fortes; a molecada corria e brincava de guerra de barro. As casas eram conhecidas, os portões abertos sem chaves e sem grades, os cães ladravam e vigiavam tudo,
 

 

As brincadeiras mudavam quando chovia e fazia frio: agora era de pega-pega, a vareta foi Boca de Forno; com o frio as meninas quase não apareciam na rua; os meninos tinham seus cavalos de cabo de vassoura, trotavam aos gritos em alta velocidade brandindo suas espadas contra inimigos imaginários. Quando o tempo melhorava as meninas brincavam de passa anel ou de barra manteiga e pular corda. Outras se imaginavam donas de casa, montavam suas casinhas nas calçadas de terra e ali sonhavam e formavam suas famílias. Os mais pequenos eram os filhos, o marido era sempre os mais calmos ou imaginário, o diálogo e os afazeres elas aprendiam com as mães.

 

As ruas não eram iluminadas nas noites mais escuras e os meninos tinham lanternas a lenha: era uma lata de óleo com uma abertura na parte baixa em forma de pirâmide e uma alça de arame de meio metro, pouco mais ou pouco menos. Colocávamos lenha e fogo e girávamos com a alça, era bacana quando cinco ou seis lanternas estavam em ação na rua escura, nas noites escuras.
 

 

Nossa turminha vivia em torno do córrego do Sapateiro. Entre a Rua Mário de Castro, hoje Fernandes de Abreu, rua 17, atual Ramos Batista, Rua Piqueta, Rua Heloísa — a mesma onde os caminhões que carregavam areia das descobertas subiam e encalhavam nos buracos, e derrapavam no tijuco preto, para a alegria da molecada que tinham um refrão, que era repetido sempre. Era assim: “galinha preta, galinha preta”ou “catiça-catiça-catiça” — isso repetido continuadamente era a fúria dos choferes e barqueiros que vinham em socorro dos caminhões encalhados. Hoje, ali é a famosa e fabulosa Av. Juscelino Kubistchek de Oliveira. 
 

 

Nesse pequeno apanhado, contei mentalmente mais de 40 meninos e meninas. Não sei por onde andam todos, fomos crescendo mudando de bairro, casando e nos distanciando um dos outros. Da minha parte posso afirmar que todos vocês estão em minha mente, no mesmo lugar de sempre, na rua brincando de tudo. Se notarem algum erro fica por conta dos meus 85 anos.

 

João Batista de Paula é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte você também mais um capítulo da nossa cidade: escreva seu texto e envie para contesuahistoria@cbn.com.br.

Conte Sua História de São Paulo: viaja dentro da cidade de olho no guia de ruas

 

Por Fabiana Luzio
Ouvinte da CBN

 

 

Eu nasci no bairro da Vila Guilherme e passei praticamente toda a minha infância e juventude estudando e trabalhando na zona Norte. Durante esse período, sair da região era um evento. Fazer compras no entorno da 25 de março ou do Brás, ir ao Museu, ao parque ou a algum shopping eram verdadeiras aventuras para mim.

 

Quando me formei em fisioterapia, distribui meu currículo pela cidade e fui contratada para trabalhar no bairro do Itaim Bibi. Fiquei tão empolgada com a novidade que nem me incomodei com a distância ou o tempo que perdia para chegar ao trabalho — quase duas horas de ônibus para ir e mais duas para voltar. Não me importei porque esse não era um tempo perdido, eu estava finalmente conhecendo a grandeza da minha cidade. O trajeto saindo da Avenida Voluntários da Pátria, passando pelo centro na Avenida Tiradentes, seguindo pela Avenida 9 de Julho e chegando a Avenida Faria Lima me deixava encantada, observando cada detalhe mínimo dessa cidade imensa.

 

Dois anos depois, passei a atender no serviço de homecare, dirigindo pelas ruas de São Paulo em uma época que ainda não contava com a facilidade do sistema de GPS. Tinha de olhar no guia de ruas e seguir as instruções para chegar até os pacientes. Não foi fácil, mas foi uma experiência gratificante.

 

Circular pela cidade, contornar a beleza do parque do Ibirapuera, pegar a Avenida Paulista de ponta a ponta,  admirar a imponência do Museu do Ipiranga e do Palácio do Governo, seguir pelas curvas da Vila Madalena com seus bares vibrantes, entender o vai e vem incessante das Marginais… enfim, eu pertencia à cidade.

 

É claro que também sofro com os problemas urbanos  como poluição,  trânsito,  insegurança,  falta de estrutura, mas eu prefiro ver a nossa São Paulo com um olhar de encantamento, de um lugar em constante movimento, onde os outdoors foram retirados, as ciclofaixas foram pintadas e os jardins verticais hoje emolduram grandes avenidas — esse lugar que é uma “metamorfose ambulante”, promovendo sempre surpresas aos seus moradores e visitantes. 

 

Hoje, moro no bairro da Aclimação, mas me sinto em casa em todos os lugares que frequento. Admito: amo essa cidade e não tem nenhum outro lugar que gostaria de chamar de lar.

 


Fabiana Luzio é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio e a narração é de Mílton Jung. Conte você a sua história de São Paulo, escreva para milton@cbn.com.br

Conte Sua História de SP: a galinha preta da rua do Zé Saqueiro

 

Por João Batista de Paula

 

 

Nossa rua tinha suas atrações. Era a Mário de Castro, no Itaim Bibi. Quando meninos e meninas chegavam da escola  já estava combinado: meninas de um lado com suas bonecas e casinhas imitando as mães, sempre em frente a casa de número 3 ou número 7; meninos com brincadeiras mais rústicas como jogar futebol. em frente a casa de número 40, só para chatear os moradores que implicavam com a molecada. Às vezes, escapávamos para as lagoas para nadar sem roupa, em um grande descampado habitado só pelos pássaros que eram nossas testemunhas.

 

A cada dez ou quinze dias, a alegria era redobrada: era quando o caminhãozinho vinha buscar a carga de sacos na casa do seu Zé Saqueiro. Era uma atração à parte, a “furreca”, como nós a chamávamos, ficava no portão da casa 40 por mais de uma hora para receber a carga de sacos de linhagem e estopa. A molecada ficava todo o tempo em volta da furreca, o chofer era um homem bem alto e gordo com uma calça de um pano riscadinho na altura das canelas, uma botina ringideira e um boné de bico de pano. Era uma figura estranha. Já o seu Zé Saqueiro era baixinho e barbudo. Eles formavam uma dupla no mínimo engraçada.

 

A furreca com suas molas em feixes, a lataria bem gasta e com ferrugem aqui e ali. A pintura gasta ficava com várias cores. Quando a carga estava pronta é que tudo virava uma farra para a molecada. O chofer sentava no assento do volante também bem gasto , e nesse momento o seu Zé introduzia uma manivela no motor, e dava maniveladas até ficar exausto. A furreca tremia, mas não pegava, a molecada ria e o seu Zé xingava em espanhol, com sotaque portunhol. Pouco se entendia. De repente, eles trocavam de lugar, lá ia o chofer dar as maniveladas, e o seu Zé que pouco ou nada entendia de carros ficava gritando como agir com a molecada que só atazanava o trabalho. Os dois cansados e nervosos e nada da furreca pegar, até que uma manivelada mais certeira o caminhazinho tremia mais forte e pegava. O chofer corria para o volante. Seu Zé esbravejava novamente em português e em espanhol.

 

Lá ia a furreca em nossa rua toda esburacada, rangendo suas molas, sua lataria acompanhava o rangido do molejo, a molecada acompanhava com alegria que só os meninos possuem.

 

Um refrão dos moleques que era cantado quando os caminhões carregados de areia subiam a Rua Heloisa e encalhavam. Era assim:

 

“Galinha preta, galinha preta, galinha preta” …

isso repetido em coro era sinônimo de azar.

 

Hoje fico pensando, a alegria dos meninos era motivo de raiva desses dois personagens. Não sei porque eu tenho a impressão que o seu Zé também se divertia com toda essa bagunça, será?

 

O seu Zé foi embora não sei para onde, o tempo passou, os meninos cresceram foram se distanciando, a cada ano mais longe. Ficam as distâncias e as lembranças, assim como na canção de Moacir Franco que diz:

 

Porque é que esta lágrima corre tão fria
E o inverno já foi?
Porque é que esta noite os meninos da rua
Não vejo brincar?

 

João Batista de Paula é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A sonorização é do Cláudio Antonio. Conte mais um capítulo da nossa cidade. Escreva para milton@cbn.com.br. 

Conte Sua História de SP: as enchentes na época do verão de 1929

 

Por João Batista de Paula
Ouvinte-internauta da rádio CBN

 

 

Gostaria de falar um pouco da minha cidade São Paulo, da charmosa garoa, das noites escuras da serração do viaduto do Chá, da av. São João do Bar Automático, da Catedral da Sé. São Paulo das serenatas e dos cancioneiros das madrugadas. Do Largo do Piques, ponto de carroceiros com suas belas parelhas de cavalos que faziam mudanças e entregas.

 

Falar da sempre acolhedora São Paulo é falar de pessoas vindas dos quatro cantos do mundo, falar da minha Rua Fernandes de Abreu, ex-Mário de Castro, onde eu nasci no velho e bom Itaim bibi, que nos anos 40 e 50 era um interior dentro de São Paulo.

 

Quero falar para quem não viu as enchentes na época das chuvas de verão de 1929. Uma enchente de grandes proporções atingiu a cidade. As águas do Tietê não deram vazão  suficiente pelo rio Pinheiros, cobriram as várzeas. Dizia-se que a Light controlara a vazão das barragens existentes demarcando, assim, as áreas inundadas, que passariam a ser propriedade sua. Para demarcar casas e terrenos atingidos pela cheia, em uma rápida pesquisa constatei também que a Light providenciou a instalação de pequenas placas, como a que existe até hoje na Rua Porto Seguro. Por seu valor histórico, esse pequeno marco integra o Inventário de Obras de Arte em Logradouros Públicos. Minha mãe contava que essa enchente inundou parte da várzea do Policarpo que era no final do bairro do Itaim bibi.

 

Quero falar um pouco das brincadeiras da época, dos meninos que rodavam pião, nadavam nas lagoas e com forte imaginação montavam em fogosos cavalos de cabo de vassoura. Nos dias de chuva, saíam em disparada nas lamacentas ruas, brandindo no ar  espadas imaginárias. As meninas nos portões de suas  casas montavam  suas  casinhas e imitavam suas mães se fazendo passar por severas donas de casa. Eu era um menino solitário, ficava zanzando nessa imensidão toda.

 

Quando éramos jovens, costumávamos ir ao cinema no cine Dom Pedro ll, depois ir comer um pastel no Bar Automático.

 

Nesse tempo,  tudo era uma aventura!

 

O Conte Sua História de São Paulo vai ao ar aos sábados, 10h30, no programa CBN SP, a sonorização é de Cláudio Antonio e a narração Mílton Jung

Conte Sua História de SP – 462 anos: aquela turma do Itaim Bibi

 

Por João Batista de Paula

 

 

Minha rua era recheada de história. As pequenas casas com seus jardins sem padrão definido e flores de todas as espécies, que se confundiam com pequenas arvores frutíferas e arbustos; daí vinham os pássaros e as borboletas, e o cheiro de pessoas amigas, e a vida calma que levávamos.

 

A casa de número três da rua Mário de Castro era a primeira casa, morava o senhor Emílio; a minha era de número 7, há uns vinte metros, se tanto, do Córrego do Sapateiro, no Itaim Bibi, zona oeste da cidade.

 

Isso há uns bons 77 anos.

 

Seu Emílio era alto, parecia personagem das aventuras dos Sete Mares. Antes do dia escurecer, costumava ficar em seu portão vestido de branco. Ele não usava cinto, e sim uma larga faixa de tecido vermelho enrolada na cintura. Apesar dos meus 83 anos já vividos, ainda posso enxergá-lo com seu cigarro de palha, olhando o sol se por. Essa figura, embora gigante aos olhos de um menino, não metia medo. Seu semblante era de paz. Nos impressionava mesmo era a grande família que tinha: doze pessoas.

 

Vamos a elas, o casal Sr. Emilio Carota e Dona Julia Carota. os seus filhos por ordem de idade: Armando Alberto, Néca, Ermelinda a (Nuje) Rosa, Mafalda, Nélia, Olga, Lolita, e Nina.

 

Quantos casamentos nessa família, quantas festas juninas, quantas risadas e choros dessas pessoas que enfeitaram minha infância e adolescência.

 

A Mário de Castro até já mudou de nome. Agora é a Fernandes de Abreu. Mas, se me concentrar bem, ainda lembro das brincadeiras naquela rua. Éramos uns 20 ou mais meninos e meninas.

 

A noitinha, quando estávamos no auge das brincadeiras, vozes vindas das casas, chamando Olguinha, Nélia, …. tá na hora, a mãe tá chamando … Dito, Nelson, Lúcia, Guiomar … Tchau, tchau, amigos! E disparavam em direção a suas casas. Minha mãe sempre me consolava: dê tempo ao tempo!

 

Uma grande verdade. O tempo é senhor de tudo e de todos. Sem nos darmos conta fomos seguindo nosso rumo. Assim como nos encontramos naturalmente e, por acaso, também nos separamos.

 

Às vezes nos meus devaneios, tenho vontade de gritar bem alto para toda aquela turma do Itaim Bibi: Tchau, tchau – ate amanhã!

 

João Batista de Paula é personagem do Conte Sua História de São Paulo. A narração é de Mílton Jung e a sonorização de Cláudio Antonio

 

Conte Sua História de SP: os velhos e bons meninos do “Canto do Rio”

 

Por João Batista de Paula

 

 

No Conte Sua História de SP, o texto do senhor João Batista de Paula que está com 83 anos e mora em Interlagos. Mas o olhar dele está no Itaim Bibi e o texto é para homenagear um time de futebol, formado por meninos, lá na região

 

Era verão de 1941, portanto estávamos em pleno século 20. Local: a várzea do Itaim Bibi. Éramos uns trinta ou mais meninos que variavam a idade de nove a doze ou treze anos. Era a turminha da parte baixa do Itaim Bibi.

 

Eram as esperadas férias escolares de um verão que ficou marcado para todo sempre entre mil brincadeiras nas matas, nos campos, caçar pássaros, montar em cavalos sem permissão do dono, nadar nas muitas lagoas onde éramos bons nadadores. Em tudo o que fazíamos, as traquinagens de alguns meninos mais aventureiros não tinham limites. Só terminavam à noite, ali pelas nove ou dez horas, depois de passarmos por outras brincadeiras de rua. Naquele local não tinha asfalto nem iluminação nas ruas. O que era quase uma regra, os pequenos jardins nas casas. Naquele tempo, os meninos já tinham suas namoradinhas e as brincadeiras só terminavam quando a canseira nos alcançava.

 

Foi naquele verão de 1941 que, no nosso treininho diário de futebol, no campinho da Rua do Porto, começou um movimento entre os amigos: precisávamos fundar um time de futebol, coisa difícil devido a idade dos meninos, mas aqueles garotos eram diferentes, eram duros na queda. O campinho ficava em um terreno, ao lado da casa do Sr Deja, onde os meninos bebiam água e se refrescavam após o treininho. Nos fundos, o Córrego do Sapateiro, onde o Sr Souza, pai do Armando e do Nico, tinha um porto de areia. Era seu ganha pão. Alguém, olhando o monte de areia, pronta para a entrega, teve a feliz ideia de falar com Sr Souza se podíamos tirar areia de seu porto. imediatamente, ele não só permitiu como ajudou em tudo, como ferramentas e comprador para o produto. Foi também ele quem orientou os meninos no difícil trabalho que iam enfrentar: tirar areia do córrego do sapateiro para fazer fundos para compra de material esportivo.

 

Tudo começou ali. Quando o verão do ano de 1941 terminou, nós tínhamos um time de futebol com o forte nome “Canto do Rio” sugerido por Pedro Chaves, um adolescente da época. Não tínhamos a mínima ideia de quantos anos essa epopeia ou desafio de um punhado de meninos ia durar. Neste verão do ano de 2015,  agora em pleno século 21, já vislumbrando o centenário, com endereço próprio e vários bens, uma diretoria devidamente legalizada tem a difícil tarefa de zelar pelo enorme prestígio que o clube adquiriu nestes 74 anos de fundação.

 

A calçada do descaso

 

A avenida Estrela da Noite tem nome bonito, visual nem tanto. Quem passa por lá todos os dias sabe que a situação, ao menos em uma das calçadas, é vergonhosa. Os alunos que chegam a escola se deparam com uma cena de desrespeito, descaso e falta de cidadania. Sensibilizado, o jornalista e ouvinte-internauta Marcos Paulo Dias decidiu pegar uma câmera de vídeo e “passear” pelo local que fica ao lado da linha Safira da CPTM, no bairro do Itam Paulista, zona leste da capital paulista.

O passeio pela calçada lotada de entulho chama atenção pois durou 3 minutos e meio e em todo o percurso pedaços de madeira, ferro, tecido, papel e uma dezena de materiais expõe a falta de respeito com o ambiente urbano. Marcos descreve as cenas e conta um pouco do que acontece todos os dias por ali.

Veja a cena até o fim e não deixe de publicar aqui a sua opinião sobre esta situação