Até quando as festas barulhentas continuarão impunes? — II episódio

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

pancadc3a3o

 

Voltamos ao tema dos pancadões publicado há 15 dias neste blog e replicado na íntegra no jornal Morumbi News — cuja repercussão gerou inúmeras manifestações de leitores, que abordaram significativos ângulos do problema.

 

Entre tantas, selecionei uma que transcrevo abaixo:

 

Milhares de pessoas sofrem de síndromes metabólicas decorrentes da poluição sonora urbana. Poucas horas de sono ou sono de má qualidade causam aumento de pressão arterial, aumento do colesterol, irritabilidade, perda de memória, etc.
O barulho do motor de uma moto é um medidor do nível de decibéis que prejudicam o sono e a saúde humana. Se esse é o limiar, o que dizer das milhares de pessoas que nas noites de sexta, sábado e domingos são submetidas a tortura de terem suas casas invadidas pelo som dos pancadões….

 

Estive no último CONSEG Morumbi, na terça 5 de junho,….Lá representantes do Jardim das Vertentes, de condomínios ligados ao Shopping Raposo Tavares, do Real Parque, do Jardim Colombo e nós moradoras da Rua Tavares Vilela, clamávamos por alguma proteção para ter direito ao justo sono! Ouvimos o que tenho ouvido nos últimos 5 anos de participação em CONSEGs….A PM e a GCM, que chegam aos locais de tumultuo nas madrugadas, não tem qualquer poder para agir e são limitados a passar lição de moral. Se não me engano, metade dos milhares de chamados para os telefones de emergência nas madrugadas se refere a perturbação de sossego e outros tantos de agressão são decorrentes do mesmo problema.

 

Se nós de classe média, com casas bem construídas temos condição de nos dirigirir aos CONSEGs com nossos carros para pedir proteção, qual seria a situação de milhares de pessoas de comunidades que têm muito menos proteção ao barulho dos vizinhos? E quem, como ouvi outro dia no ônibus, não consegue entrar na própria casa vindo da escola noturna porque os carros com música a toda fecharam o caminho…E quem consegue trabalhar depois de um fim de semana sem dormir? E quem protege mães que choram o envolvimento de filhos e filhas nessas algazarras associadas a bebida e as drogas?

 

Por outro lado, como o barulho não é colocado como um problema de saúde pública e meio ambiente, e meramente como um problema de polícia, há pouco apoio por parte dos vereadores no sentido de criar leis que ataquem o problema. Esses defendem o pancadão como uma manifestação cultural ou uma diversão juvenil….

 

Por tudo isso exposto, peço como cidadã que o Grupo I dê visibilidade e abra o debate sobre o problema…

 

Sugiro que se difunda a ideia de que:

 

a) poluição sonora não mata tão rápido como uma bala, mas também mata. Barulho noturno é questão de saúde pública.

 

b) que a PM e GCM sejam agentes fiscalizadores com o poder de gravar documentando a altura do som e o endereço do comércio, casa ou carro responsável pelo mesmo. E, ao mesmo tempo, que o PSIU advirta e multe os responsáveis. Multas que sejam cobradas no sistema de cadastro de inadimplentes e SERASA….

 

c) que vereadores que fizeram a semana de Poluição Sonora e Meio Ambiente em 2016 possam colaborar no trato desta questão com informações técnicas e de saúde pública.

 

Att

 

Dirce S R Moretti

 

Ao que tudo indica, resta apoiarmos a posição da Sra. Dirce com os meios que tivermos. De nossa parte, apelamos aos vereadores que se debrucem no tema.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Até quando as festas barulhentas continuarão impunes?

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

PANCADÃO

reprodução do Bom Dia São Paulo

 

É inexplicável que o poder público e a força da mídia não consigam parar bailes funks e pancadões, que atormentam sonoramente a vizinhança onde se estabelecem.

 

Dia 11 de junho, o Bom Dia São Paulo da TV Globo exibiu imagens através de drone, gravadas por um morador, que mostravam decibéis acima do permitido, bem como intensa movimentação de pessoas na área do Real Parque — zona de edifícios e casas de alto padrão. O detalhe: não foi possível exibir as músicas devido ao baixo calão das letras.

 

Essa situação de desconforto é comum na região do Morumbi, onde Paraisópolis semanalmente ancora bailes cujo som se estende por um enorme espaço geográfico devido a altura exorbitante das músicas.

 

Moradores já fizeram denúncias aos órgãos policiais e judiciais competentes, mas salvo algumas medidas paliativas e temporárias, até hoje nada se resolveu. E o barulho continua.

 

Danos sociais, psicológicos, de saúde de bebês e crianças, desvalorização de imóveis e insegurança, tem passado despercebido pelas autoridades competentes.

 

Por que não reprimir esta agressão à região?

 

O Capitão Fabio Fonseca, responsável pelo policiamento do Morumbi, segundo a Globo, disse que os moradores estão exagerando e já deveriam estar satisfeitos por viverem em casas confortáveis.

 

A verdade é que este ponto de desrespeito ao silêncio não se restringe ao Morumbi. Toda a cidade precisa receber atenção do poder público na alçada que é dele.

 

A Cidade e o Estado têm órgãos competentes suficientes para agir.

 

Ministério Público, Secretaria de Meio Ambiente e Secretaria de Segurança, por que não proteger os que agem na lei?

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung