Para Sempre Alice: antes que tudo que você conquistou vá embora

 

Por Biba Mello

 

 

FILME DA SEMANA:
“Para Sempre Alice”
Um filme de Richard Glatzer, Wash Westmoreland
Gênero: Drama.
País:EUA/França

 

O filme conta a história de uma renomada professora de linguística em sua luta contra o mal de Alzheimer.

 

Por que ver:
Confesso que só assisti ao filme pois fui intimada por Maria Lucia Solla, que também escreve no blog do Mílton… Caramba, Maria! Realmente precisei dos lencinhos e do chocolate…Mais precisamente, brigadeiro de colher…O motivo que me fez protelar em assistir ao filme, é o mesmo pelo qual o indico. Um dos filmes mais crus dos últimos tempos…Sem enfeites, real, preciso, tocante… Daqueles que te deixam sentindo uma ausência mental por meia hora… Um filme de atriz..

 

A história é fascinante, não por suas surpresas, mas pela maneira como nos expõe a um de nossos maiores medos(ao menos um de meus maiores medos) a invalidez… Ao fim…

 

As vezes me questiono sobre nossas pedaladas na vida(não me refiro à pedalada fiscal não…). Pedalamos para chegar “onde queremos”, profissionalmente, financeiramente, pessoalmente… No filme vemos bem isto quando em uma palestra a personagem diz “tudo que acumulei na vida, tudo que trabalhei tanto para conquistar, agora tudo isso está sendo levado embora. Como podem imaginar, ou como vocês sabem, isso é o inferno. Mas fica pior.”

 

Portando tiro uma conclusão bem clichê disto: vou me agarrar ao presente ao máximo, e vivê-lo intensamente e com a maior alegria que puder!

 

Como ver:
Seguindo a sugestão da Maria Lucia, com uma caixinha de lencinhos e chocolate para te fazer companhia.

 

Quando não ver:
Está em um momento “tarja preta”? Não veja… Assista ao Fabio Porchat ou algo do gênero, valerá mais a pena.

 


Biba Mello, diretora de cinema, blogger e apaixonada por assuntos femininos. Escreve sobre cinema e filmes no Blog do Mílton Jung

De memória e da falta dela

 

Por Maria Lucia Solla

 

IMG_7773

 

Memória? Sim, assunto corriqueiro no papo com amigos e, pasmem, com filhos e netos.

 

Desço as escadas, decidida, e quando chego lá em baixo: o que é mesmo que eu vim fazer aqui?

 

São mínimos segundos de branco, mas incomodam. Fica um ranço de será?

 

Quem ainda não passou por algo parecido, com certeza vai passar.
Estamos sendo atualizados com uma frequência nunca imaginada, e nossa memória dá sinais de sobrecarga. Vai rateandoo.

 

Mas enquanto tem ainda alguma função, quero contar que ontem assisti a Para Sempre Alice, com Julianne Moore, (que atriz!) por sugestão de um amigo. Bah! Faz muito tempo que um filme não consegue fazer isso comigo. Biba Mello, você concorda comigo? Você assistiu? É um arraso, do começo ao fim, não é?

 

Me organizei: café, água, celular por perto. Acontece que a cada tanto eu punha o filme no pause. Assistia até onde dava para assimilar a emoção, punha no pause de novo e ia fazer outras coisas. Sim, no plural. Aí voltava com um café e um petisco, e lá ia mais uma dose de filme. Assim passei o dia todo.

 

É um filme com efeito prolongado, que desperta sem jogar água fria. Mostra a tristeza e o desalento que tomam conta de uma família, quando a mãe é diagnosticada com Alzheimer precoce. Ela é jovem, tem 50 anos. Não vou contar mais nada, além de que ela é professora/doutora universitária, na área das letras. Apaixonada pelas palavras, vai perdendo uma a uma. Perde o contato com o mundo do modo como o conhecemos. Tudo parece ir se escoando por um ralo.

 

Será que esse é o momento em que superamos a barreira do tempo? Ou é o tempo que se afasta e leva consigo as antigas regras?
Será?

 

Pense nisso, ou não, e até a semana que vem

 


Maria Lucia Solla é professora de idiomas, terapeuta, e realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Escreve no Blog do Mílton Jung