Varejo faz o balanço dos 100 dias e aposta no futuro

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

escalator-711793_960_720

 

O Simpósio Nacional de Varejo e Shopping da ALSHOP, ao reunir 250 empresários do setor para retratar o cenário político-econômico e ouvir as premissas de membros do atual governo, transmitiu a pulsação do país que teremos pela frente.

 

O Wish Golf Resort Convention, em Foz do Iguaçu, de 4 a 7 de abril, testemunhou a manutenção do apoio do varejo ao governo Bolsonaro, ao mesmo tempo em que presenciou as críticas pela demora das mudanças.

 

A expectativa é tão grande quanto o trabalho a ser executado. As reformas previdenciária, tributária e política estão no pacote dos desejos da classe.

 

Sergio Zimermam, da Petz, com respeito a PREVIDÊNCIA, destacou que a média de 55 anos para aposentadoria e expectativa de vida superior a mais 30 leva a despesa a se aproximar de 5% do PIB e quase 60% do orçamento da União. Relatou também que, no TRABALHO, os sindicatos estão forçando as empresas a permitirem o desconto de um dia de salário quando negociam os acordos. Ameaçando-as a proibições do trabalho em jornadas específicas como feriados e fins de semana. Disse ainda que do lado do legislador há um desrespeito ao trabalho escravo, pois estão usando erroneamente o conceito de escravidão, banalizando de tal forma a descaracterizá-lo. E no TRIBUTO, estamos onerando o consumo e não a renda, o que implica em prejudicar o menos favorecido.

 

O Secretário da Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos Alexandre da Costa, noticiou em primeira mão que irá simplificar o E-social, unificar a nomenclatura brasileira de serviços e digitalizá-la. Esperando com isso desburocratizar e incentivar o empreendedorismo. Lembrou que nos próximos 10 anos os gastos públicos, hoje com 35% do PIB, precisarão estar em 20% — evidenciando a importância do enxugamento da máquina estatal.

 

No âmbito POLÍTICO, o evento que  há um ano contou com a presença e a expectativa dos candidatos à Presidência, agora refletiu a expectativa das ações.

 

Quanto as novidades para o setor, a exposição de Regiane Relva, da Cidade Inteligente, abordou as recentes tecnologias para a ex-loja do futuro, agora loja do presente.

 

Gabriel Mariotto, da Cielo, demonstrou que, através de informações obtidas com tecnologia, as vendas dos shoppings podem crescer.

 

Mauricio Morgado, da FGV, expôs que a maneira das pessoas fazerem compras mudou e é necessário que os lojistas acompanhem esta transformação.

 

Marcelo Miranda, do Grupo Iguatemi, apresentou a plataforma de E-commerce do Shopping Iguatemi a ser lançada dentro de 5 semanas.

 

O apelo ouvido para que varejistas acompanhem os avanços na tecnologia foi necessário, pois os fatos recentes mostram descompasso nesta relação.Coube principalmente aos Shopping Centers essa defasagem. O fato de lojas virtuais se transformarem em Market Place foi um alerta aos empreendedores que despertaram e estão apostando no futuro que chegou.

 

Carlos Magno Gibrail, Consultor e autor do livro “Arquitetura do Varejo”, é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Grupo cria associação para reunir lojas satélites de shoppings

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

stairs-906720_1280

 

A Associação Brasileira de Lojas Satélites – ABLOS -, criada por Tito Bessa Júnior da TNG, com o objetivo de representar as lojas satélites de shopping centers, foi formalizada recentemente com 70 lojas, de acordo com informações divulgadas pela mídia, na segunda-feira, dia primeiro de abril — com a premissa de aglutinar exclusivamente unidades menores de 180m2 e com a promessa de representá-las efetivamente a contento diante dos shopping centers.

 

O propósito mira os shoppings denunciando-os de proteger as lojas âncoras com custos de ocupação de baixos percentuais, algo entre 3% e 5% do faturamento, e entregar a conta as pequenas lojas com percentuais de 10% até 20% aproximadamente.

 

Ao mesmo tempo, atinge a ALSHOP, entidade que representa os lojistas de shopping, acusando-a de não defender as lojas satélites e ser aliada dos empreendedores de shopping.

 

Arguindo a ALSHOP, através de Alexandre Sayoun, sobre a posição da ABLAS, o dirigente relembrou que o romantismo de unir os lojistas para fortalecer as posições, há 24 anos, embora embrionário já almejava uma coexistência amistosa.

 

O amadurecimento, enfatiza Sayoun, trouxe a ALSHOP para uma relação essencialmente negocial, evidenciando a interdependência de todos os agentes da cadeia. O equilíbrio é que deu resultado e manterá o sistema. Haja vista os 40 mil pontos de venda que compõem as marcas associadas a ALSHOP e a penetração em entidades governamentais para representar o setor.

 

Lembro que não necessariamente as lojas satélites compõem empresas de pequeno porte. Há marcas com pequenas lojas que pertencem a poderosas organizações e com potencial de negociação com os shopping centers. Esses, por sua vez, precisam da segmentação das âncoras para atrair o grande público, das megalojas para dispor de operações especializadas que demandam mais espaço e das lojas satélites para os nichos e o luxo.

 

O cenário reflete o sistema capitalista, que permite dissidentes como a ABLOS. O futuro dirá se entregará o que promete.

 

Carlos Magno Gibrail, Consultor e autor do livro “Arquitetura do Varejo”, é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

O despertar dos Shoppings

 

Por Carlos magno Gibrail

 

mall-591337_960_720

 

No momento em que o comércio eletrônico chega a R$ 48 bilhõese cresce 12%, os Shoppings dão sinais que acordaram do passado e começam a enxergar o presente. A BRMalls e a Ancar Ivanhoe estão utilizando a Delivery Center para serviços de entrega — atendendo a pedidos feitos via WhatsApp ou iFood, com entregas em até uma hora. O sistema é o 020 – online-to-offline.

 

No Shopping Tijuca a BRMalls experimentou o sistema na praça de alimentação e as vendas nos 3 primeiros meses subiram 15%. Até o final de 2019 a BRMalls estará integrando à plataforma 40 Shoppings.

 

Em breve a Multiplan lançará um canal de vendas online – o MultiShopping – que inicialmente levará o BarraShopping até o cliente. A Multiplan também está operando com a FullLab de tecnologia tipo big data para atuar em soluções para o seu varejo.

 

A Cyrela está com seis Shoppings integrados no ON Stores, seu Shopping virtual, utilizando logística descentralizada, de forma que o produto comprado pela internet pode ser recebido na casa do cliente ou entregue no Shopping. Em uma única compra. De todas as lojas do ON Stores, com um único cadastro e um único pagamento.

 

E, neste ponto, podemos afirmar que esse é o sistema irreversível que deverá ser adotado por todos os Shoppings. Caso contrário aqueles empreendedores resistentes poderão ser atropelados por seus parceiros de hoje: os lojistas mais avançados.

 

A pesquisa realizada pelo GEU Grupo de Estudos Urbanos GeoMarketing, dá a ordem de grandeza das inovações:

 

A Renner está com seu e-commerce crescendo quatro vezes mais que o mercado. Além disso está se preparando para potencializar ao investir na integração com as lojas física, que já é totalmente automatizada. Simultaneamente está aumentando os investimentos em centros de distribuição.

 

A Lojas Marisa começa a validar a integração entre lojas físicas e comércio eletrônico, quando se poderá comprar pela internet e retirar a mercadoria na loja. Até 2019 toda a rede de lojas estará integrada.

 

Em 22 de agosto, foi lançada a “NOVA LOJA Amazon Moda”. A loja de moda e esportes da Amazon em nosso mercado. São 350 000 produtos que estão num Marketplace onde são disponibilizadas marcas como Reserva, Animale, Capodarte, Havaianas, Le Lis Blanc, Levi’s, e muito mais do que qualquer grande Shopping físico brasileiro.

 

Para quem, desde o ano 2000, testemunhou ouvir que ninguém compraria moda pela internet e que até hoje atesta que muitos Shoppings temem a integração com o mundo físico pela imaginária competição com o virtual, esses fatos reais são um alento.

 

Esperemos que o tardio despertar não seja lento.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Uma boutique para o bom atendimento

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

woman-1329790_1280

 

A voracidade dos fatos atuais em que identificamos aceleradas mudanças tecnológicas ao lado de atitudes comportamentais extremas é um desafio a ser enfrentado — pessoal e corporativo. Prosperar no caos é a tarefa que se impõe aos agentes desse mercado contemporâneo. Os esportes, as artes, o entretenimento, a política, os produtos e os serviços são ofertados e demandados como negócios, o que aparentemente reflete um mercado de consumo tecnicamente coerente.

 

Entretanto, o velho e essencial bom atendimento está ainda para se constituir em um bem universal. Status que não conseguiu quando o mundo era menor e mais lento. Agora com a vez da automação e de robôs, o formato que se contrapõe e dispõe a oferecer pessoas para atender fica obrigado a cumprir com esmero a função. É preciso efetivamente possibilitar ao cliente uma boa experiência de compra. E isso não vai acabar. Pesquisas recentes confirmam que até mesmo a geração Z, 14 a 18 anos, atribui ao bom atendimento um agregado de valor.

 

Portanto, a busca pelo bom atendimento permanecerá e de forma inequívoca porque o mundo físico precisará usá-lo como grande diferencial ao virtual, que, ao que tudo indica, estará dominando o cenário de consumo. Nesse contexto, uma das ferramentas essenciais para corresponder a exigência da real experiência de compra é a pesquisa do comprador camuflado.

 

dubai-326544_1280

 

Atenta a esta demanda, o pioneiro grupo que implantou no Brasil as técnicas do cliente misterioso, ressurge com uma roupagem absolutamente comoditizada às necessidades atuais. Vislumbrando um atendimento artesanal em contraponto a linha de produção em série, a JUST FOR YOU está constituída para, sob medida, atender e se aprofundar em segmentos específicos e nichos de mercado.Daí o conceito da JUST FOR YOU como boutique de bom atendimento.

 

É pretencioso, pois a meta é usar a figura do cliente oculto para além do controle. A pesquisa constante será um elemento de motivação para a equipe de atendimento. O consumidor agradecerá, ao fazer da compra um momento de satisfação. O empreendedor lucrará, ao multiplicar as vendas com os mesmos custos.

 

Os nossos votos de sucesso à iniciativa.

 

Welcome!

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Franchising é destaque de desempenho no semestre

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

shopping-mall-509536_960_720

 

O crescimento das vendas no setor de franquias foi de 6,8% no primeiro semestre deste ano em comparação com 2017. De 74,455 bilhões de reais no ano passado marcou 79,496 bilhões de reais este ano. Até certo ponto não há surpresa.

 

O franchising é um processo consolidado, no qual marcas e operação são fortes atributos no mercado altamente competitivo que vivenciamos — e ainda em crise. Além disso, o sistema de franquias absorve parcela da mão de obra qualificada, que numa economia de baixo crescimento opta por empreender ao não encontrar empregos a contento. Sendo assim, a opção da franquia é um caminho mais seguro do que a aventura de lançar novos produtos e novas marcas. Fato comprovado pelo número no franchising de lojas abertas comparado ao de lojas fechadas: 3,1% contra 1,3%. Saldo positivo de 1,8%.

 

Entretanto, algumas novidades despontam nesses dados recentes.
A descentralização das novas unidades começa, embora de forma ainda incipiente, a demonstrar uma nova tendência. A participação da região centro oeste subiu de 8,0% para 8,3% e a da região norte de 5,1% para 5,4%.

 

De outro lado, os segmentos de viagens e turismo, casa e construção começam a ocupar maiores espaços. Ao mesmo tempo, restaurantes, fast food e entretenimento evidenciam notoriedade suficiente para apostas certas em seu crescimento. Os shopping centers, habitat preferencial ao sistema de franquia, estão cada vez mais se tornando locais de encontro, diversão e lazer —  o que ratifica e potencializa esses setores na preferência dos consumidores. Com a vantagem do distanciamento da disputa com o mundo virtual.

 

Enfim, na receita do franchising não há contraindicação nem efeitos colaterais. Apenas a advertência para seguir a boa prática. Expressa nas melhores bulas.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Passando o varejo a limpo

 

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

 

conarh

 

Agora em agosto, nos dias 14, 15 e 16, os agentes da cadeia do varejo estarão juntos pela primeira vez. Pessoas, lojistas e shoppings, lado a lado no CONARH, BRASILSHOP e EXPOSHOPPING, no São Paulo EXPO na rodovia dos Imigrantes km 1,5.

 

O CONARH, Congresso Nacional de Recursos Humanos, é um tradicional evento apresentado pela ABRH Brasil, Associação Brasileira de Recursos Humanos do Brasil, com o papel proposto de protagonista da transformação. É uma comunidade de cinquenta mil profissionais de diversas áreas dos quais 53% estão em funções de alta liderança.

 

A EXPOSHOPPING é um evento da ABRASCE, Associação Brasileira de Shopping Centers. A programação é focada nas inovações e nas tendências dos Shopping Centers, sendo o maior congresso da América Latina no setor.

 

A BRASILSHOP é uma feira de negócios apresentada pela ALSHOP, Associação de Lojistas de Shopping. O objetivo é apontar o caminho para a retomada econômica abordando conteúdo de RH, Produto, Franquia, Licenciamento, Jurídico e Internacionalização de marcas.

 

Essa inédita reunião de players do setor de varejo de Shopping Centers deverá dinamizar a área. Afinal, faces convencionalmente antagônicas passam a convergir num setor cujos números já expressivos poderão ser potencializados.

 

São 1,37 milhão de profissionais atuantes, 122 mil pontos de venda, 761 shopping centers existentes, 42 em construção, e faturamento de 140,5 bilhões de reais.

 

A boa notícia é complementada na semana seguinte, no dia 23, quando teremos o VAREJO TECH Conference, apresentado pela StartSe, cuja proposta é mostrar o futuro do varejo e do e-commerce contado pelas maiores empresas do mundo. Vinte e seis palestrantes, entre empresários, executivos e professores estarão expondo suas pesquisas e ideias no PRO MAGNO Centro de Eventos no Jardim das Laranjeiras.

 

Para encerrar o mês do varejo, nos dias 28, 29 e 30 no Expo Center Norte, a GS&MD juntou o Fórum de Varejo da América Latina, Retail Real State, Redesign, Digitailing, e Fórum Internacional de Franquias, no LATAM RETAIL SHOW. Definindo-se como evento para o varejo, franquias, e-commerce, food service, e Shopping Centers da América Latina.

 

Com tanto conteúdo prometido, para quem é do ramo, é hora de rever a agenda e se programar. Aos que não moram em São Paulo, marcar passagem e fazer as malas.*

 

PS:Quem for à CONARH poderá conhecer pessoalmente o Mílton Jung — autor deste blog —, que estará mediando debate sobre a diversidade nas grandes empresas.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

O presente e o futuro dos Shoppings para a geração Z

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

bonding-1985863_1280

 

A HSR Specialist Researchers com o apoio da ABRASCE – Associação Brasileira de Shopping Centers contribui com o mercado de shopping centers na entrega de pesquisa realizada com jovens: meninas e meninos de 14 a 18 anos das classes A B e C. Focando o presente e mirando o futuro.

 

A boa notícia para os empreendedores é que 68% frequentam os shoppings semanalmente, e 32% quinzenalmente. Mas, atenção, apenas 28% compram produtos, enquanto 15% se alimentam, 15% usam serviços, 4% marcam encontros, 3% assistem a filmes, 3% procuram serviços bancários ou caixas eletrônicos. Restam 14% que são os “caroços” pela linguagem dos vendedores. Isto é, apenas passeiam.

 

A assiduidade ao mundo físico não impede que no universo do e-commerce, quantificado em 48 milhões de consumidores, a presença da geração Z seja significativa: 40% deles são compradores pela internet.

 

PESQUISA

 

Atuando como consumidores 87% ficam atentos a preços e ofertas e, 86% procuram se controlar em compras desnecessárias.

 

Nas características pessoais são investigativos, buscam a customização, gostam de usar a tecnologia, apreciam o entretenimento e procuram o indoor e outdoor para o lazer, sem desprezar o ócio.

 

As demandas para o futuro refletem a expansão das preferências atuais. 59% propõem que os shoppings sejam locais para se relacionarem e não só para compras. 57% acham que os shoppings deveriam ter grandes áreas de encontro para diferentes tribos.

 

As lojas para 43% deverão customizar as roupas, 57% querem wifi em todos os ambientes, 46% querem natureza sem abrir mão da tecnologia. Restaurantes deverão apresentar diferentes culturas para 33% e cafeterias precisam disponibilizar espaços de convivência para 25%.

 

Enfim, a pesquisa registra que o shopping do futuro passará a ser um LIFE CENTER. Faz sentido, embora minha preferência ainda seja por SHOPPING com Lifestyle.

 

Com relação a previsões de futuro é bom lembrar que elas são conectadas com o presente na medida em que inovações que certamente virão ainda são desconhecidas. Podem aparecer mudanças que coloquem estas perspectivas no passado.

 

De outro lado estamos vivenciando uma infindável projeção de lojas do futuro. Algumas com plenitude de tecnologia. Acho um risco criar lojas que se assemelhem a centros de computação. Há alguma razão em se preocupar na diferenciação do físico com o virtual. De modo que precisamos considerar que ao procurar a loja física o consumidor quer estar na atmosfera do atendimento pessoal.

 

De qualquer modo sempre é saudável pesquisar, mesmo que seja o futuro que virá. Vale para o presente.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

O futuro dos shoppings não deve ser visto sob ameaça, pois soluções são visíveis

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

elephant-1191266_960_720.jpg

 

O fechamento de grande número de Shopping Centers nos Estados Unidos ao mesmo tempo em que existe aqui uma taxa de ocupação abaixo do padrão, têm precipitado previsões pessimistas quanto ao futuro de nossos empreendimentos.

 

A realidade é que o futuro não deve ser visto sob ameaça, pois as soluções estão visíveis.

 

A inevitável adaptação ao mundo eletrônico e a absorção do omnichannel não é mais desconhecida. Separar os dois canais não é mais cabível. De outro lado, a ordem é ofertar produtos e serviços mais aderentes ao mundo físico que preencham as novas necessidades do consumo.

 

Isso foi constatado tanto no Congresso da ALSHOP, há uma semana em São Paulo, quanto na RECon The Global Retail Real Estate Convention da ICSC International Council of Shopping Centers, em Las Vegas, de 20 a 23 de maio.

 

No caso americano, os empreendimentos foram instalados em áreas suburbanas. Hoje, para atender aos “millennials” precisam se deslocar para áreas urbanas. Esse passado dá uma vantagem aos Shopping Centers brasileiros, que desde a origem procuraram centros de população adensada.

 

De acordo com Luiz Marinho, em artigo de Mercado & Consumo, que cobriu o evento de Las Vegas, 90 Shopping Centers investiram U$ 8 bilhões em revitalização, trocando produtos por experiência. Foram instaladas áreas de descanso, paisagismo, música agradável, com o intuito da maior permanência do consumidor sem a preocupação exclusiva do comercial. E até os nomes começaram a mudar. De “Shopping” ou “Mall”, para “Town Center” ou “Village”.

 

No Brasil, onde temos a incontestável aprovação do formato Shopping Center pela população e a vantagem da localização urbana desde a origem, não será difícil enfrentar as novas necessidades da demanda. Implantar o omnichannel, mudar o mix de lojas, focar no lifestyle e enfim passar de “produtos” para “experiência”.

 

Talvez nem pense em outro nome. Embora a Eliana Tranchesi, visionária, pensasse no conceito e na marca. Era a Vila Daslu.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

No congresso nacional de lojistas de shopping o destaque foi o futuro da política e do varejo

 


Por Carlos Magno Gibrail

 

central-embassy-498560_960_720

 

As falas de políticos e lojistas, ouvidas no WTC, no evento da ALSHOP, convergiram para o futuro — como que deletando o presente nada recomendável.

 

Os presidenciáveis Alckmin, Amoedo e Rocha, apresentaram um discurso conciso das respectivas plataformas sem ataques pessoais aos adversários.

 

Será prenúncio de novos tempos?

 

Alckmin ressaltou a desproporção entre a máquina governamental e o meio privado. Em custos e eficiência. Enfatizando a vantagem da experiência administrativa que possui para consertar este desequilíbrio.

 

Amoedo defendeu a liberalidade econômica, social e comportamental. Acredita em nomes novos em todas as áreas políticas. Ressalta seu diferencial entre todos os candidatos ao descartar o “status quo” do profissionalismo político. Aposta que as necessárias reformas somente virão através de outros legisladores. Novos deputados e novos senadores.

 

Rocha enalteceu a competência empresarial, defendendo o liberalismo na economia e o tradicionalismo no comportamento. Abomina o sistema no qual o estado onera e algumas vezes interfere no mundo privado. Situação em que já foi vítima.

 

Neste contexto macro, o lojista Sergio Zimermam da PETZ contribuiu para a elucidação da questão tributária, pois é consensual que temos uma das maiores participações de impostos sobre o PIB. Não é verdade. O 34% de tributos no PIB do Brasil está na média mundial. O problema é que o Estado não entrega os serviços devidos e, além disso, a taxação de 50% sobre o consumo e 20% sobre a renda cria um disparate. Um peso tributário maior sobre os de menor renda, causando a distorção que poderia ser mais explícita se nos produtos e serviços se destacasse o montante de imposto.

 

No âmbito técnico do Congresso se constatou uma tendência de as cadeias de lojas concentrarem as operações em FRANQUIAS, em detrimento das lojas próprias. Uma estratégia para reforçar a necessária experiência de compra como diferencial ao mundo eletrônico e, ao mesmo tempo, viabilizar os resultados usufruindo das menores taxas para o sistema fiscal das sociedades no regime simples.

 

Neste setor de FRANQUIAS haverá reforço financeiro vindo pela Caixa, na palavra de seu presidente, Nelson de Souza, que expôs o lançamento de crédito específico e de baixo custo. Fruto da parceria ALSHOP com a Caixa, estimulada por Nabil Sayon e referendada por Souza, atento aos mais de 50 mil associados da ALSHOP.

 

Sob o aspecto de LIDERANÇA ressaltou-se a presença da mulher como força inovadora. Testemunhada na presença e na palavra das presidentes da Le Postiche, Nutty Bavaria e Amor aos Pedaços.

 

A necessidade de trabalhar o CLIENTE INTERNO X CLIENTE EXTERNO também foi um dos temas marcantes, apresentado pela Ideale e ABRH Brasil, por Peterson Coli e Eliana Aere.

 

Como INOVAÇÃO, Renato Claro da Kick Off trouxe o caso da Johnny Rockets que tem apresentado mudanças constantes no conceito, no cardápio e no tamanho como forma de manter o espírito original. O Rock de Elvis Presley e seus hambúrgueres.

 

O varejo que busca ATUALIDADE não pode descartar os Marketplaces. Sotero da B2W – Submarino, Americanas, Shoptime, e Bertolazzo do Magazine Luiza, não só demonstraram números e tendências irrecusáveis, como convidaram a todos a participar desse gigantesco universo. Pequenos, médios e grandes negócios e até mesmo os inexistentes podem procurá-los para atuar nesta multiplicidade de espaços de venda.

 

Para os Shopping Centers a tendência de aglutinar mais áreas de serviço e entretenimento deverá continuar. Um novo formato chamado de Power Center tem surgido com força. Consiste em agregar sobre grandes áreas operações populares de baixo preço. Entretanto a grande novidade é o início do e-commerce de shopping centers tradicionais.

 

O SPMarket, de acordo com Sylvio Carvalho Neto, diretor, já possibilita seus clientes comprarem via internet. Nos corredores, ouvia-se sobre o Cidade Jardim e a Multiplan estarem próximos do lançamento de suas plataformas de comércio eletrônico.

 

Enfim, pelo Congresso da ALSHOP tudo indica que podemos esperar um futuro melhor.

 

A tarefa é chegar lá.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung

Igreja em shopping

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

22291390_171371716771931_6640151818550665693_o

Igreja Batista da Lagoinha, no shopping (foto: divulgação)

 

Em Betim – MG, o Shopping Monte Carmo, em atitude inovadora, abriga a Igreja Batista da Lagoinha, desde agosto de 2017.

 

O Estadão de domingo, em artigo que destaca mudança de foco do Shopping, traz o relato da inédita abertura de área para cultos religiosos.

 

Segundo Maria Chiara, autora da reportagem, a intenção do Monte Carmo visa a ocupação de espaços vazios — tema familiar ao Shopping, pois na abertura tinha apenas 12 lojas em área de 34 mil m2. Quando foi vendido pela Saphyr para a Sodepar a vacância era de 52%, em 2016. Hoje é de 15%.

 

A igreja passou a fazer parte do grupo de serviços que são oferecidos, como os Correios, a Receita Federal e a Faculdade Pitágoras. A esse respeito o testemunho do gerente Cesar Miranda ressalta:

 

“A igreja é um ‘case’ de sucesso, que se converteu em aumento de receita para inúmeras operações do shopping”

 

Acreditamos que mais do que um caso, esta pode ser uma questão de várias vertentes, diferentemente de mudança de foco ou de esquizofrenia dos shoppings, como citado por Márcia Sola do IBOPE.

 

Se há um consenso que mesmo as modernas empresas afeitas às novas tecnologias e propensas ao omni-channel e ao unified commerce também sofrem as consequências das mudanças e desejos do novo consumidor, não há unanimidade quanto ao caminho a seguir.

 

Uma das dificuldades ao prever o futuro é a impossibilidade de visualizar as quebras de paradigmas que virão, pois como sabemos a incerteza é a única certeza.

 

Ainda assim, neste caso de Betim, se creditarmos o depoimento de Miranda ao afirmar que houve benefícios a outras unidades, podemos inferir que esta cadeia positiva pode ser um condutor ao estilo de vida. E a experiência de compra dentro de um centro comercial homogêneo leva a um Lifestyle, que pode ser o caminho futuro.

 

Eliana Tranchesi foi quem melhor traduziu esta possibilidade com a Daslu. A volta ao futuro de Eliana pode ser a via de diferenciação.

 

O rígido lifestyle reflete bem a segmentação comportamental de hoje, com tribos hermeticamente alinhadas.

 

Que venham os shoppings por LIfestyle!

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung