Avalanche Tricolor: Paciência e caráter

Paulo Autuori, futuro técnico do GrêmioForam duas semanas das mais perigosas para o Grêmio. Nem tanto pelos adversários em campo, superados um após o outro, a ponto de estarmos hoje com uma das melhores campanhas do futebol sul-americano. Mas corremos sérios riscos. E não digo isso devido a ausência do técnico, não. Rospide se comportou bem para a função de interino. Seu rosto tímido ao lado do gramado estava a altura do seu papel.
Os nomes que surgiram na mídia para substituir Celso Roth é que não ofereciam segurança nenhuma. Diga-se a bem da verdade que dos diretores do Grêmio, os que decidem mesmo, jamais ouvi que pretendiam contratar este ou aquele treinador – exceção a Paulo Autuori, por quem iremos esperar mais 30 dias . Mesmo os pedidos insistentes por Renato Gaúcho, inclusive com aval de Fábio Koff, foram elegantemente negados. Desde o fim de semana, leio também que Vanderlei Luxemburgo estava cotado. Ninguém confirmou. Mas confesso que temi o pior.

A cobrança por uma decisão rápida, apressada, no afogadilho, conspirava contra o Grêmio, após o erro na forma e momento com que Celso Roth foi afastado. Para atender a pressão, Duda Kroeff e companheiros poderiam falhar como nossos atacantes o fizeram nas primeiras partidas da Libertadores ou os homens do meio de campo ao não serem precisos no passe ou nossos defensores quando dão o bote errado para desarmar o adversário.

Paciência é um mérito. Não sei se foi esta a virtude exercitada pelo presidente do Grêmio no evento da contratação de Paulo Autuori.  Um contratação acertada, mesmo com a presença apenas após as oitavas-de-finais da Libertadores e a estreia do Campeonato Brasileiro. Melhor a espera do que o erro da precipitação.

Seja o que tenha sido, o destino nos ajudou, afastou os perigos e vai colocar no comando da equipe gremista alguém que conquistou duas Libertadores e o respeito de clubes no mundo inteiro. Alguém a altura do Grêmio, pelo conhecimento e pelo caráter. Por que para mim, caráter é fundamental.

3 comentários sobre “Avalanche Tricolor: Paciência e caráter

  1. Valeu esperar hein?

    Lembra a passagem dele pelo SPFC?
    Respeitou a base montada do time, desconsiderou o Brasileirão, foi para Tokio e ganhou do Liverpool que há séculos não tomava nenhum gol.
    Só não entendi a sua saída. Talvez os velhos dólares de sempre.

    ST

    Carlos Magno Gibrail

  2. Milton se eu tivesse a receita do bolo, talvez não te emprestasse (amigos amigos títulos à parte).

    Como sou seu amigo concordo com o Carlos Magno, de “CHEF” a cozinha do Grêmio estará bem servida.

    Devo lhe dizer que na “zona do agrião” (nossa quem narrava isso?) o homem é muito bom. Minha opinião.

    Sem frescuras, sem gritos istéricos, sem palavrões, sem inventar o que já foi inventado, enfim…

    Tomára que o Grêmio seja um ótimo vice-campeão.

    PS: Quando você quiser me avise para reunirmos a turma toda, que eu vejo babando aqui no blog, para comermos o famoso pernil e sanduíche de calabresa da Dona Joana na frente do “MORUMTRI”.

  3. Concordo c/ seu comentário s/ Paulo Autuori: melhor aguardar do que errar p/ precipitação. Rumo ao TRI da Libertadores e Bi-Mundial, OK ?

Deixe uma resposta para Lauro Carlos Kolling Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s