Foto-ouvinte: Encaixotando Leopoldina

 

Abuso na Vila Leopoldina

“Caixas e lixos na rua, caminhões em fila dupla, pregos que furam pneus e a inexistência de calçadas”. A cena assim descrita pelo ouvinte-internauta Hélio Figueiredo ocorre na Vila Leopoldina, zona oeste de São Paulo. Ele disse que está cansado de reclamar para a prefeitura, mas o problema parece não ter solução.

Triturador pode ser solução, escreve Soninha

Reproduzo aqui comentário deixado no Blog pela subprefeita Soninha Francine, sobre o problema das caixas que armazenam produtos transportados para o Ceagesp:

“E o desespero que me dá quando tenho o impulso de dizer “o problema parece não ter solução mesmo”?! Uma operação de apreensão para liberar uma única rua exige cerca de 60 caminhões da prefeitura. E no dia seguinte, a caixaria estará funcionando lá a todo vapor. Como outros tipos de comércio irregular e ilegal, ele é favorecido por circunstâncias locais – a Ceagesp, com seu imenso impacto na vizinhança – e pelo valor econômico. Se ninguém comprasse os tais dos caixotes; se o consumidor exigisse embalagens corretamente rotuladas etc., o comércio morreria de inanição. No ano passado, como cheguei a comentar com o Milton Jung no ar, me animei com a perspectiva de usar um terreno cedido pela Ceagesp e um triturador doado por empresas da região para dar muito mais agilidade às operações de apreensão – e um outro valor econômico para os caixotes. Mas a doação “micou” (não era tão simples qto os empresários tinham dado a entender – “é só a prefeitura querer!”) e a Ceagesp tb não quis mais ceder o terreno, que pretende usar como estacionamento. Estamos, agora, firmando uma parceria com uma cooperativa de catadores para instalar o triturador em uma área municipal – surgem contratempos aqui e ali, mas parece que vai dar certo. Enquanto isso, fazemos operações esporádicas em pontos específicos, mas é uma lástima ver o quanto o resultado mal aparece. A cadeia produtiva é muito mais forte e poderosa do que nosso poder de fiscalização, e isso me dá um desgosto imenso. Não é à toa que tantos defendem que a Ceagesp diminua de tamanho e mude boa parte de suas atividades para outro local, mais moderno e menos favorável ao subemprego e exploração que vicejam no seu entorno”

2 comentários sobre “Foto-ouvinte: Encaixotando Leopoldina

  1. Imagem impressionante!
    Com certeza a prefeitura tem muita responsabilidade em regularizar esta situação.
    Mas é triste viver em uma sociedade em que o indivíduo próximo, no caso os caminhoneiros, não tem o bom senso de evitar tal situação e se recusarem a descarregar enquanto a Ceagesp não oferecer condições adequadas a fim de não prejudicar terceiros…

  2. E o desespero que me dá quando tenho o impulso de dizer “o problema parece não ter solução mesmo”?! Uma operação de apreensão para liberar uma única rua exige cerca de 60 caminhões da prefeitura. E no dia seguinte, a caixaria estará funcionando lá a todo vapor. Como outros tipos de comércio irregular e ilegal, ele é favorecido por circunstâncias locais – a Ceagesp, com seu imenso impacto na vizinhança – e pelo valor econômico. Se ninguém comprasse os tais dos caixotes; se o consumidor exigisse embalagens corretamente rotuladas etc., o comércio morreria de inanição. No ano passado, como cheguei a comentar com o Milton Jung no ar, me animei com a perspectiva de usar um terreno cedido pela Ceagesp e um triturador doado por empresas da região para dar muito mais agilidade às operações de apreensão – e um outro valor econômico para os caixotes. Mas a doação “micou” (não era tão simples qto os empresários tinham dado a entender – “é só a prefeitura querer!”) e a Ceagesp tb não quis mais ceder o terreno, que pretende usar como estacionamento. Estamos, agora, firmando uma parceria com uma cooperativa de catadores para instalar o triturador em uma área municipal – surgem contratempos aqui e ali, mas parece que vai dar certo. Enquanto isso, fazemos operações esporádicas em pontos específicos, mas é uma lástima ver o quanto o resultado mal aparece. A cadeia produtiva é muito mais forte e poderosa do que nosso poder de fiscalização, e isso me dá um desgosto imenso. Não é à toa que tantos defendem que a Ceagesp diminua de tamanho e mude boa parte de suas atividades para outro local, mais moderno e menos favorável ao subemprego e exploração que vicejam no seu entorno.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s