De Grécia

 

Por Maria Lucia Solla

Ouça Da Grécia na voz e sonorizado pela autora

Da galeria de Érato_79 no Flickr

O jornal Zero Hora trazido de Porto Alegre pelo meu fiho Luiz Fernando estampa na capa: “Brasil socorre Grécia com US$ 286 milhões”.

Não sei o que significa essa quantia para você; para mim é dinheiro que não acaba mais, e me faz curiosa. Quero saber que tipo de socorro é esse e leio a matéria.

Pelo que entendi, o FMI – Fundo Monetário Internacional correu a cestinha por alguns países que já foram socorridos antes, e que portanto não podem nem fingir que estão rezando, olhos semicerrados em fervorosa prece, nem que não viram a cestinha passar.

Ainda pelo que pude entender, se todo mundo não participar dessa vaquinha, a vaca vai pro brejo, no mundo todo.

Queria ser uma mosquinha para ver o que acontece nesses bastidores. Ou melhor, não queria não. Já vi gente morrer de overdose muito menor e menos letal.

Mas voltando ao socorro, o negócio foi quebrar o porquinho e meter a mão no bolso.

Agora, se você ingenuamente credita no que eu acreditava, pode mudar o canal, pode desviar a atenção porque mesmo esse socorro compulsório vem com vantagem embutida no pacote. Os países que emprestam na verdade estão investindo. Tipo agiota ou gerson: sempre leva vantagem.

Ainda confessando minha ignorância do tema, vejo o FMI como um Banco Big Brother planetário, que pega cá dá lá, e vice-versa, e leva o seu.

Esses milhões, que no caso são duzentos e oitenta e seis, saíram da nossa reserva internacional. Vou parar por aqui porque não conseguiria nem explicar para um neto meu o que é reserva internacional. Seria um fiasco. Não sou boa para números. Finanças, então…

Aprendi ainda, lendo a matéria, que eu tenho, tu tens, ele tem, nós temos US$ 249 bilhões na reserva internacional e o Brasil vai investir, quero dizer socorrer a Grécia com parcos US$ 286 milhões.

Se você se pergunta o que é que deu em mim para me meter a falar do que eu não entendo – e nem quero entender – eu explico: Não foi a transação financeira que me chamou a atenção.

O caso é que eu amo a Grécia.

Tenho uma ligação incrível com a terra, a cozinha, a música, o idioma, a gente. Pedras, vulcão, mares azuis como o céu de primavera, carneiros assados, batatas ao forno, tudo regado abundantemente com azeite da absoluta melhor qualidade e com limão siciliano. Terra das buzúquias e do mussaká. Da dança, de tragédia e de alegria. Alegria que nasce dali: da tragédia. Quando a tragédia atinge seu ponto máximo é que a gente encontra o chão – o fundo do poço – e consegue dar impulso para de novo respirar.

Com os gregos não é diferente: de tanto treinar, século após século, após século, esse mecanismo se automatizou.

na Grécia a arte faz parte do dia a dia
há tragédia na dança
e dança na tragédia
ali tudo é criação
comida música beleza história e dança
em qualquer situação

Numa casa grega com certeza, se come em volta do fogão, do lado, na frente ou atrás dele, dependendo da arquitetura da cozinha. Muda a cozinha, muda o endereço, e a festa em volta da mesa e do fogão é a mesma.

Enfim, o que vai acontecer com a Grécia?

Não sei. Só sei que muitos gregos que conheci trabalham para o governo. São funcionários públicos; ele ou ela, ou ele e ela e toda a família. O governo paga regiamente e oferece inúmeras vantagens como a de servir a pátria em Nova Iorque ou São Paulo, ganhando em euros mais moradia garantida e viagens de férias para a mãe pátria, duas vezes ao ano.

Syntagma

Eu poderia falar ainda da tristeza de voltar a Atenas e ver o centro, a praça Syntagma modernizada.

O berço do mundo virou cama-box!

E agora vou ouvir um pouco de música grega e sonhar que tudo vai bem, obrigada.

Maria Lucia Solla é terapeuta, professora de língua estrangeira e realiza curso de comunicação e expressão. Aos domingos, escreve no Blog do Mílton Jung

4 comentários sobre “De Grécia

  1. Bom dia Mike Lima
    Aqui neste trecho você afirma e eu também.

    “Não sei o que significa essa quantia para você; para mim é dinheiro que não acaba mais, e me faz curiosa. Quero saber que tipo de socorro é esse e leio a matéria.”

    Só sei dizer que a nossa saúde publica está um verdadeiro caos, inferno de Dante e a cada dia pior.
    Coitado de quem não pode pagar um básico plano de saude, porque se depender de tratamento em hospitais escola, publicos certamente vai acabar morrendo numa das interminaveis filas de espera, se não tiver que pegar outra fila para a senha.
    O ensino idem
    A seguança publica idem e não é por culpa das policias.
    Salarios de professores do ensino fundamental, medio, superior, cada vez mais para baixo.
    Dos profissionais da saude sem comentarios.
    Transporte publico?
    Ave Maria, cruz credo!
    As nossas estradas, ferrovias, acabaram virando caminhos, picadas, daqui a uns dias nem carro de boi vai poder trafegar.
    Ahhhh!
    Os aposentados então?
    Quem depende de aposentadoria depois de ter trabalhado arduamente por 35 anos, tá ferrado e o valor que receberá de aposentadoria, cairá a cada ano de forma assustadora.
    O nosso judiciario esta emtupido de processos, faltam magistrados, funcionarios, etc.
    Cadeias super lotadas.
    Deputados vereadores, senadores, prefeitos, e todda a sorte de politicos, cada vez ganhando mais.
    Milhares de mendigos, drogados, nóias, sem teto, sem nada vagueiam pelas ruas e a cada dia aumenta mais.
    Só sei dizer que a cada dia, pagamos mais impostos, ou melhor, temos que trabalhar cinco meses por ano somente para pagar impostos.
    Is the question minha carissima “iscrivinhadora”
    E assim como o brasileiro “é bonzinho”, ajuda o mundo inteiro, porque aqui no Brasil, está tudo bem, tudo em ordem, tudo funciona plenamente, organizadamente, pois como vemos diante desta noticia, ajuda a Grecia & cia Ltda, dinheiro comprovadamente é coisa que não está faltando.

    Só queria entender.

    Bjus e bom domingo.

    Alfa India November.

  2. meu caro amigo alfa india november,

    concordo com cada palavra tua. E não há vantagem nenhuma nisso porque não concordar é que seria de admirar.

    tudo verdade.
    verdade dolorosa é verdade
    mas ainda assim verdade

    meu filho luiz fernando diz que ainda não chegamos ao fundo do poço, portanto ainda falta chão.

    Ele diz que hoje não há esperança de melhora. Primeiro tem que chegar ao fundo do pior para que tudo possa recomeçar do zero. Ele compara a situação com a reforma de uma casa que tenha a estrutura podre. Precisa botar no chão, senão ela eventualmente cai.

    Então, em vez de me agarrar nisso tudo, uma vez que não há esperança e a corda está podre também,

    vou procurando encontrar meu equilíbrio
    sem mapa mas com a direção escolhida
    a cada momento da minha vida

    tento viver o que me faz sorrir
    e aceitar da melhor forma que puder
    o que me faz chorar

    Você faz a tua parte
    eu faço a minha
    e gostemos ou não
    os outros fazem também as suas

    E cada um de nós, dessa forma, vai pontuando a sua existência. Uma vírgula aqui, um ponto final ali.

    Tem gente que adora os pontos de reticências… eu prefiro o de exclamação e o de interrogação, mas acabo curtindo, mesmo, a falta total de pontuação.

    Beijo, obrigada pela companhia e tenha uma boa semana,
    ml

  3. Mike Lima

    A sensação de muitos brasileiros nos dias de hoje em relação aos politicos e a o futuro.
    Assista o video.
    Bastante oportuno!
    Não achas?

  4. Alfa india november,

    Assisti ao vídeo. Emocionante!
    Vamos esperar que, depois de ficar na escuridão, tudo dê certo, como deu no voo.

    Beijo,
    ml

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s