De censo e bom-senso

 


Por Maria Lucia Solla

Ouça de Censo e bom-senso na voz e sonorizado pela autora

Toda vez que há boa vontade na jogada, o trabalho sai, e sai bem-feito. É batata!mesmo que o trabalho escape do âmbito da roça e da cozinha; mesmo que aconteça na rua, na chuva, na fazenda; ou numa casinha de sapé.

Quando a gente se une em volta de um propósito, mesmo que seja a gente com a gente mesmo, a gente com um amigo, com uma porção-de-outra-gente, ou com uma população inteira, a gente vai em frente, executa, realiza; e a coisa sai. A coisa vai.

Agora, quando não, quando não sai do blá blá blá costumeiro, morre no gogó.

Quando a gente mora na esquizofrenia e delira em vez de se engajar; quando a gente reverbera o nada, que é eco de coisa nenhuma, em vez de as mangas arregaçar; quando se põe apalermado em vez de dar conta do recado; não tem jeito, acaba todo mundo insatisfeito.

Como agora, durante o Censo 2010.

Sábado passado fui entrevistada pelo recenseador Claiton Costa Vieira. Fui avisada logo cedo de que ele ficaria à disposição dos moradores do prédio, até às três da tarde. Eu já conhecia seu rosto e sabia seu nome porque, num trabalho bem-feito pelo IBGE, um folheto tinha sido afixado no elevador, com larga antecedência, contendo informações detalhadas e claras.

Fotografei e publico o folheto, tendo o cuidado de esconder os números de telefone do recenseador, declaradamente, porque não confio mais no outro, como costumava confiar.

Tem por aí muito engraçadinho-de-plantão; muito bandidinho-de-meia-tigela, disfarçado de cidadão.

Este é o censo que espera mapear a população e suas reais necessidades, e este é o país em que vivemos, eu e você que vivemos nos queixando de tudo e de todos. Um país em que o recenseador precisa implorar para que as pessoas respondam simples perguntas. O rapaz chega cheio de respeito e de boa vontade por um bando de gente que quer viver na clandestinidade, quer levar vantagem em tudo e exige ser respeitado como cidadão de bem.

Até agora, hoje é quarta-feira, dia 22 de setembro, na segunda tentativa do jovem, apenas 11, dos 24 apartamentos deste condomínio, deram o ar da sua graça no salão de festas do edifício; e os moradores de dois apartamentos já se re-cu-sa-ram a responder.

Pois é, meu caro leitor, o recenseador não consegue realizar o trabalho a que se propõe porque o povo quer se esconder, e as respostas? se nega a responder.

Triste, muito triste!

Maria Lucia Solla é terapeuta, professora de língua estrangeira, realiza curso de comunicação e expressão, escreve no Blog do Mílton Jung aos domingos e contou tudo isso para o Censo.

33 comentários sobre “De censo e bom-senso

  1. Bom dia Malu
    Com chuva e tudo para dar uma bela alividada na poluição, molhar a terra e as matas secas.

    Bão minha cara:

    Até quando pessoas conseguirão se esconder?

    Só umas antas mesmo acreditam em tais possibilidades.
    Se cairem de quatro, bem capaz de permanecerem em tal posição quadrupede.

    Bjus e bom domingo.
    Falando em chuva…………………………..
    Se me permitem por favor
    http://blogdoaitalo.blogspot.com/2010/09/paulistanos-preparem-se-as-chuvas-vem.html#comments

  2. “censo
    cen.so
    sm (lat censu) 1 Contagem geral da população; recenseamento. 2 Rendimento coletável dos cidadãos que serve de base ao exercício de certos direitos políticos.”

    “ignorância
    ig.no.rân.cia
    sf (lat ignorantia) 1 Estado de quem é ignorante. 2 Desconhecimento. 3 Falta de instrução, falta de saber. 4 Imperícia, incapacidade. Var: ignoração.”

  3. Eu não sei até onde queremos nos esconder:

    Com as informações cruzadas, receita-estado-município sabem exatamente quem somos, o que gastamos,o que consumimos e ai vai.
    Reais necessidades ?
    Me fizeram 1/2 dúzia de perguntas e mais nada.
    Afinal, o que eles querem ?
    Abraços

  4. O Censo é uma ferramenta importante para a sociedade brasileira. A partir das informações coletadas, cientistas, pesquisadores, administradores e gestores públicos podem desenvolver ações que atendam as necessidades do cidadão. Mesmo que parte dos brasileiros não leve a sério a busca destes dados, é um momento essencial para a construção de políticas públicas e planejamento.

  5. Olá.

    Pois é, infelizmente as pessoas têm medo de responder. Aqui no bairro, por exemplo, algumas pessoas até respondem, mas mentem. Outra vez questionei e me responderam que mentem porque acham que o censo vai “ferrar” com eles. É delicado, por falta de instrução algumas pessoas confundem as coisas. Uma pena.

  6. É prá se pensar:

    Talves as pessoas estão com medo por causa das recentes invasões a dados sigilosos, ou porque quem está no poder não oderece credibilidade. Sei lá.
    Abraços

  7. Olá Malú!

    Também acho! As pessoas precisam se informar melhor para não confundirem as coisas: nenhum recenseador durante a entrevista pede seu RG ou CPF!

    Portanto seu nome e endereço não bastam para que o governo cruze e questione declarações fiscais ao contribuinte.

    O questionário é muito simples e não demoramos mais que 5 minutos pra respondê-lo.

    Outro detalhe que ninguém se dá conta é que o recenseador escreve aquilo que você responde à ele, portanto se você mentir você faltou com sua cidadania e o país criará metas para o futuro baseado em suas mentiras também!

    Não tem necessidade de mentirmos! O governo não faz cruzamentos dessas informações com dados fiscais, aliás seria contra a lei nos questionarem por exemplo por declarações de renda com informações dadas ao Censo.

    O objetivo não é cruzar nada e o Milton Jung já escreveu aqui com muita propriedade para que serve o Censo.

    Em tempo:

    O recenseador em questão Claiton Costa Vieira é meu irmão e por uma daquelas incríveis coincidências da vida terrena foi entrevistar logo minha amiga Maria Lúcia.

    Não fui recenseado pelo meu irmão e sim por outra recenseadora. Uma pena seria legal!

    Vou pedir à ele que entre aqui depois e explique alguns questionamentos levantados pois vive o problema na carne e tem como nos contar problemas abordados pela Maria Lúcia

    Devemos nos informar melhor e transmitir para outros cidadãos que não entendem o verdadeiro sentido do CENSO 2010.

    Abraços em todos!

    PS: Malú um segredo: meu irmão disse que você foi uma cidadã exemplar durante a entrevista!

    Detalhe: ele só soube que eu era seu amigo depois da entrevista. Risos! Tenho muito orgulho disso. Te adoro!

    Cláudio Almir Vieira ( O sobrenome Costa é da minha mãe!)

  8. Malu,
    Estamos a poucos passos de entender que as limitações impostas pela natureza a nossa espécie são na verdade o elo que ela usa na sua alquimia para nos ajuntar, misturar genes, idéias e fortificar . De lembrar que tempo não é dinheiro nem coisa alguma que não, tempo mesmo. Pelo menos não sempre.
    Que dentro de casa e sozinhos no carro é que corremos riscos. Nunca abrindo a porta ou dizendo obrigado, por favor.
    Há quem acredite. Há Cláudios, Malus, Miltons, Massaos, Ítalos, Betos, Maryurs, Marias, Marios, Anas, Simones, Betos, Dimas, e mais uma mão cheia de esperanças que encontro todas as manhãs de domingo.

    Bjo.

  9. É prima querida, mais um assunto polêmico, hein? Censo…
    Infelizmente noss povo ainda não está preparado, será que falta educação? Acredito que esta deveria ser a base dos próximos governantes…
    Parabéns, pois como diriam nossos pais, devemos sempre nos comportar bem, pois nunca sabemos se estamos sendo observados… Este é apenas mais um dos motivos porque tenho orgulho de você.
    Beijocas
    Magutcha

  10. Armando Ítalo,

    só você me fazendo rir! Eu precisava. E continuo rindo.

    Escuta você falando sério:
    dá as boas-vindas à chuva, preocupado com as matas secas, e passa pelas antas e quadrúpedes, antes de se despedir.

    Às vezes eu penso em parar de escrever por uns tempos, e aí me pergunto: como vai ser sem essa turma?

    Obrigada, viu?

    beijo e boa semana,
    ml

  11. bruno,

    você conseguiu escrever uma tese de doutorado, sobre o pretenso cidadão e sua relação com a sociedade a que diz pertencer quando precisa dela.

    Parabéns.
    Sou cada dia mais tua fã.

    beijo,
    ml

  12. Ezequiel,

    Entendo a tua pergunta, e a resposta já foi dada pelo Mílton Jung, no comentário seguinte, mas pensa comigo: se no teu bairro a população é formada majoritariamente por jovens e bebês, por exemplo, ali será um lugar para se pensar em creches e escolas; parques com brinquedos, etc. Por isso perguntam o ano do teu nascimento. Índice de mortalidade também é um dado fundamental, por isso perguntam se morreu alguém na casa onde você mora, no período em que mora.

    Enfim, se a gente não viver acreditando no que ainda dá para acreditar, para que viver?

    Obrigada, viu?
    beijo e boa semana,
    ml

  13. Leandro,

    é verdade, o medo impera, e vai na frente de tudo, com total vantagem. E dá para entender, mas se a gente não tentar mudar, nunca vai mudar. Nada muda de cima para baixo! Impossível. A base precisa se firmar primeiro, depois tudo segue. E nós somos a base.

    Toda mudança forçada, toda mudança de cima para baixo já nasce fadada ao insucesso.

    Obrigada por ter vindo.

    beijo e boa semana,
    ml

  14. Malu,

    È difícil entender alguém que se recusa a colaborar com a organização de seu País. O Brasil é nossa casa, e como tal, deve ser bem cuidada por todos. Como dizem os especialistas: Casa desarrumada além do desconforto, pode fazer mal à saúde física e mental.

    Boa Semana!

  15. Bom dia Malu ou Mike Lima.
    Aqui no meio do mato onde fico de vez em quando para dar uma sumida “do inferno” que acabou ficando a minha querida São paulo, ainda scarrated, overcast, rain.
    O negocio minha cara, rir para não chorar!
    Quanto aos quadrupedes, este tentat ficar em pé, mas não conseguem.
    A “nossa turminha” antes virtual, realmente é d+.
    No ultimo encontro do Adote um Vereador, presentes o “patrão” Mije Juliet, Claudio vieira, Alecyr, Massao San, Eu, o Dartagnan, Prof Dr PHD Sergio Mendes, ficou comprovado como a internet e a virtualidade pode aproximar pessoas, comprovar afinidades.
    São sensacionais.
    Participo de foruns desde que a internet surgiu, voltados a aviação, a arquitetura, informatica.
    Durante todos estes anos fiz e mantenho exelentes amizades espalhadas pelo mundo todo, e muitas delas tive a satisfação de conhecê-las pessoalmente e estas amizades mantenho até hoje.
    Outros, amigos virtuais, que ainda não tive oportunidade de conhecer pessoalmente, por razões alheias as nossas vontades, por causa da distancia que nos separa, são amigos certamente prontos para o que der e vier.
    Sou testemuna disso, comprovadamente;
    que Deus abençoe a todos!
    Bjus
    Armando Italo
    Rir faz bem para a saude e desopila “os figos, o estromo”, alivia o estrupor”
    Boa semana.

  16. Ezequiel,

    sim, é para pensar, sempre; ou não…

    Sabe que quando tomei o elevador para ir ao salão de festas pensei: Xi! esqueci de pegar um documento.

    Aí, olá, boa tarde, e a entrevista começa depois de uma breve explicação do recenseador, dizendo que a maquininha que está aí em cima na foto faz, aleatoriamente, a cada x moradores, a escolha de um questionário mais extenso: em vez de cinco minutos, qualquer coisa perto de 20 minutos,e esqueci do tal do documento.

    Para mim caiu a série curta de perguntas. Quando ele perguntou o meu nome eu disse: esqueci de pegar um documento; quer que eu vá buscar? E ele respondeu: não, imagina; acredito na senhora, não precisa não. Só seu nome basta. E eu senti uma dignidade no ar, como há tempo não sentia.

    Até no super mercado, onde vou pelo menos duas vezes por semana, pago com cartão e tenho que provar que eu sou eu.

    Então, não há perguntas sobre dados sigilosos; nem o meu RG ele perguntou.

    Vamos combinar que a gente não está mais acostumado com isso, não é?

    Portanto, quando o recenseador chegar até você, responda desarmado.

    Quem sabe, a gente vai se desarmando daqui e vai se desarmando dali e a moda pega, hein?

    beijo e boa semana,
    ml

  17. Claudio, irmão de Claiton, marido de Karen, pai de Sophia e, com orgulho meu, meu amigo,

    foi uma coincidência incrível, e bonita. Fizemos a entrevista e, ao final, diante da minha indignação pela recusa dos moradores em participar, diante da dificuldade dele em realizar o trabalho e diante da minha surpresa pelo atendimento de primeira classe, disse a ele que escrevia uma coluna dominical no blog do Mílton Jung e que dedicaria o espaço para falar sobre o que estava acontecendo. Aí ele matou a charada e perguntou: você conhece o Cláudio? e eu respondi: Vieira? O restante do papo, sobre você, não vou relatar aqui porque você explodiria de orgulho e isso não é saudável! rs

    Espero que ele venha aqui na nossa sala, sim. Tem histórias incríveis para contar. Fez uma entrevista com uma senhora, na rua, passeando com ela o seu cachorrinho. Foi com outra entrevistada entregar as marmitas que ela precisava entregar… Gente que faz e não espera acontecer.

    Obrigada, Cláudio. Beijos na tua família linda,
    ml

  18. Sérgio,

    aniversariante da semana passada! Viva!

    Estamos a “poucos passos do Paraíso”, resmungando e nhanhanhando sem parar.

    Feliz novo ano para você e espero que continuemos juntos.

    beijo e boa semana,
    ml

  19. magutcha minha,

    Sim! Sim! Educação! Formação, muito, muito antes da informação.

    Que o conhecimento floreça da dedução que nasce de estrutura sólida de seres humanos dignos do rótulo de sua raça. Que o indivíduo possa discernir e buscar para si a informação que precisar, sempre que precisar, para crescer livre de verdade.

    Que a dignidade do homem seja seu farol condutor na vida. Que a intuição de cada um seja o objetivo primeiro do desenvolvimento. Que os diálogos tenham como base a leitura de gestos e de olhares, antes de precisarem de firma reconhecida.

    Também me orgulho de você.

    beijo e boa semana,
    ml

  20. o carinha da foto sou eu, parece foto de procurado mas não é..
    o ibge tomo todos os cuidados necessários para adentrar as casas, principalmente dos condôminos, com foto e numero de matrícula, que pode ser acessado no site oficial, ainda sim tive que ouvir piadas como : agora que voce está com meus dados ,voce não vai vir aqui me assaltar”. se ela soubesse que estudei durante 3 meses, fiz a prova passei em décimo oitavo lugar.. fiz uma semana de treinamento das 8hs as 17hs, enfim´, uma serie de passos para que eu pudesse está em sua residência coletando dados que talvez não seja importante para ela… mas para seus filhos e netos esses dados serão fundamentais para políticas publicas dos próximos 10 anos.

    • Claiton e cia,

      Já recebi o rapaz do Censo aqui em casa, também, foi um belo papo e questionário rápido. O que está por traz deste comportamento de desconfiança é a falta de credibilidade das instituições brasileiras. É quase a mesma sensação que leva muitas pessoas a dizerem que querem ficar longe da política, como se esta prática fosse uma praga capaz de contaminar o caráter do cidadão. Não o é, apenas está sendo exercitada por pessoas inescrupulosas. E cabe a sociedade resgatar a confiança através de escolhas mais apropriadas.

  21. Atendendo seu pedido, mando novamente…

    Para os que se orgulham em não aparecer como Brasileiros, quem sabe esta bela musica os façam mudar de idéia:

    O vídeo é muito bacana:

  22. Claiton,

    que bom receber você aqui!
    Você deve ter muuuuita história para contar.

    Nem posso imaginar as situações que você enfrentou, mas não se esqueça de que, não só nesse teu trabalho, mas em todos, a gente encontra flor e encontra espinho. Pelos poucos minutos que estivemos juntos, percebo que você está preparado para lidar com os dois.

    Parabéns, mais uma vez.

    beijo e boa semana,
    ml

  23. Mílton,

    não é coisa fácil de fazer, não; mas alguém tem que começar, e de algum lugar.

    O bom é que não é só o mau comportamento que contagia e propaga fácil. O bom contagia igual: 1 vira 3, que vira 9, que vira 81, e a gente consegue reverter o naufrágio do barco.
    Vale a pena.

    beijo e boa semana,
    ml

  24. Mama,

    Por aqui a turma do Censo não mostrou o bico ainda. Ao menos em casa. Em Extrema tem uma equipe de 15 pessoas que, sem a ajuda da Prefeitura, não sairiam de casa pra fazer cumprir a tarefa de nos entrevistar. Coisa estranha mesmo…

    Imagina que a Prefeitura teve que dar carro, moto, gasolina pros carros pessoais dos entrevistadores, almoço e lanche todo dia e mais algumas coisinhas, pra que a coordenadora fizesse o trabalho, sob pena de ver a cidade classificada num patamar menor do FPM – Fundo de Participação dos Municípios, “se a contagem de população ficar baixa, sabe”, como diz a tal coordenadora.

    O IBGE já banca essas despesas de transporte e alimentação, ou seja, embolsam a grana na cara dura e fazem isso com pressão no prefeito. Bem ao estilo aparelhado do Lula Molusco e sua troupe… coisa que vem de cima, como se diz.

    Cá entre nós, como a cidade é pequenina, a equipe é bem conhecida… gente que faz tempo não trabalha, ou que não pára em emprego como opção de vida. Imagina pelo Brasil afora, onde as cidades são bem mais pobrinhas do que Extrema, a pérola do Sul de Minas Gerais.

    Imagina no próximo Censo, quando no IBGE tiver gente indicada pelo Deputado Tirirca e pela Deputada que vai distribuir orgasmos de graça junto com o Bolsa Família? Aquela do “Vote com prazer”, do 1969…

  25. Nossa, filho,

    dá vontade de voltar pra cama, cobrir a cabeça com o edredon e me fingir de morta.

    Repito: é triste, muito triste!

    Bandidinho-de meia-tigela merece mesmo governo de bandido-de-tigela-inteira.

    Fugir pra onde?

    beijo,
    mm

  26. agradeço suas palavras milton e fico feliz de ter este espaço, nao só para mim como para todos recenseadores e todas as pessoas que se importam em fazer um brasil melhor para todos.
    fazendo justiça ao prédio da maria lucia, consegui terminar o seu prédio . ufa….
    uma coisa engraçada é quando as pessoas surpreendem-se por me ver com um computador de mão , e não com um monte de ” papelada” como a dez anos atrás. Talvez a descrença na política,seja também a descrença num país que era considerado terceiro mundo…. o Brasil inova mais uma vez ,assim como foi pioneiro com as urnas eletrônicas . acredito que este censo dá uma amostra de quão capacidade temos para ser grande , assim como nossas dimensões territoriais.Agora se os políticos irão utilizar bens esses dados , depende de cada um de nós no dia 03 de outubro.

  27. Olá pessoal. Sou recenseador. Felizmente, a maioria das pessoas está respondendo bem.
    É importante ressaltar existe uma lei que rege o Censo, é a Lei Federal 5.534/68 que:
    – Define a resposta a Censo como obrigatória.
    – Prevê multa de até 10 salários a quem se recusar.
    – Garante sigilo das informações pessoais.
    – Garante que o Governo não cruzará dados individuais e não as usuará nem para processos administrativos ou fiscais.
    Então, não precisam temer que a Receita Federal vai usar a informação de renda ou que a prefeitura vai descobrir alguma construção sem alvará.
    Nós recenseadores somos funcionários públicos temporários, contratados por concurso.
    É pelo Censo que se registra a população oficial de um município e se define as verbas que receberá da união.
    O Censo é a base para o planejamento público da década. E também serve para empresas planejarem expansões, investimentos e abertura de empregos.
    Quanto aos bastidores, nada contra o povo, geralmente simpático. Sinto informar que nosso patrão, o IBGE, não está cumprindo a remuneração prometida e tem atrasado nosso pagamento. Eu esperei 3 semanas, mesmo terminado o setor geográfico, para receber o primeiro salário. Falta pouco para, além de fazermos as entrevistas, pedirmos esmolas à população. Não temos registro em carteira e, quando recisamos de ônibus e lanche, pagamos do bolso.

  28. Charles,

    obrigada por tua participação.

    A gente não pode elogiar… Tua informação me surpreendeu, mas eu pergunto, a partir das tuas palavras:

    "Sinto informar que nosso patrão, o IBGE, não está cumprindo a remuneração prometida e tem atrasado nosso pagamento. Eu esperei 3 semanas, mesmo terminado o setor geográfico, para receber o primeiro salário. Falta pouco para, além de fazermos as entrevistas, pedirmos esmolas à população. Não temos registro em carteira e, quando precisamos de ônibus e lanche, pagamos do bolso."

    Qual era o teor do contrato? qual a remuneração prometida? Para quando era previsto o pagamento? E quanto a refeições e deslocamentos?

    Participe sempre.
    Obrigada,
    ml

  29. bem . é verdade que pagamento esta sendo um pouco demorado mesmo, porém quanto ao regime de contratação se deu em caráter temporário por 30 dias e ronaváveis por mais 30 dias, como consta no edital. as renovações podem ocorrer por no máximo 5 meses. Quanto a remuneração ela é feita por fechamento de setor. 50% após 5 dias, e o restante, somente quando o supervisor fizer a revisão do setor que pode levar.. sabe-se se Deus lá quanto tempo. quanto aos benefícios como vale transporte , e alimentação não constava em edital, apenas uma recomendação para que o recenseador trabalhasse próximo de casa. pois tal ajuda de custo só caberia em zonas rurais ou de difícil acesso. por tanto, quanto a isso charles , não se pode reclamar.
    mania de brasileiro de não ler as coisas.
    ps .pelo menos aqui no meu setor houve ajuda de custo de 100 reais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s