Pot-pourri da corrupção

 

Por Carlos Magno Gibrail

Na canção, é comum ordenar músicas com afinidades, para tributos a estilos, compositores ou épocas. Por que não na corrupção? Para cumprimentar autores de textos atuais sobre a corrupção, destacamos:

O que retém a voz da rua” – Notas & Informações Estadão. As manifestações de rua não refletem o desconhecimento da população, mas a melhora sem precedentes no padrão de vida, que não as anestesia, apenas não as incentiva.

“Faz diferença” – Editoriais Folha. Sem novas mobilizações populares, dificilmente medidas para coibir a corrupção encontrarão meios de implantação. Entretanto, a faxina de Dilma se conclusa, o voto aberto no Congresso, a Ficha Limpa e a diminuição dos 25mil cargos nomeados, poderão contribuir no movimento contra a corrupção.

“Abaixo a corrupção” – Eliane Catanhêde. A onda contra a corrupção está crescendo. A Ficha Limpa e sua ampliação ao Executivo e Judiciário, o fim do voto secreto no Congresso, a abrangência do CNJ, começam a tomar corpo.

“Um campo e um tiro” – Carlos Heitor Cony. Nesta batalha contra a corrupção não há rosto, ou tem tantos que dificulta a identificação. Jacó corrompeu Esaú, Judas vendeu o seu mestre, Collor ganhou um Elba. Rostos em todos os casos. Até num caso às avessas. Getúlio quando soube que um de seus filhos comprara um campo no Rio Grande do Sul com Gregório, seu guarda-costas corrupto e mandante de assassinato, perguntou-lhe se era verdade. Ao ter a confirmação, deu um tiro no peito.

“A ‘primavera’ brasileira não chega” – Fernando Rodrigues. O copo meio cheio ou meio vazio é propício à análise das recentes manifestações públicas contra a corrupção. Seu raquitismo não desmerece o movimento. A realidade é que ainda não temos um caldo de cultura já pronto e desaguando em grandes protestos contra a roubalheira do dinheiro público.

“A corrupção é hoje fato normal no Brasil” – CBN Arnaldo Jabor. A dificuldade é que tudo está corrompido. Os comentaristas se esgoelam em vão, e os canalhas não tiram as mãos das cumbucas. Será que um dia teremos uma “primavera” brasileira?

“Presidente: sonhar e não ceder” – Miguel Srougi. Presidente, a senhora adotou algumas medidas corretivas diante da corrupção, tragédia que nos assola, mas isso foi só um começo, talvez pouco. Como médico luto contra o câncer de próstata que ameaça 140 mil homens, mas escrevo para falar de outra doença que ameaça toda a sociedade brasileira.

E, assim por diante. Não há espaço para todas as manifestações. Felizmente.

Carlos Magno Gibrail é doutor em marketing de moda e escreve às quartas-feiras, no Blog do Mílton Jung

A foto deste post é do álbum digital de Saulo Cruz, no Flickr

4 comentários sobre “Pot-pourri da corrupção

  1. Bom Dia Milton e aos colegas do Blog.

    A velha vassoura, representa limpeza e é que temos que fazerm com relação aos politicos. Temos que fazer uma faxina politica, desde do senado até as camaras municipais. E me parece que nas camaras municipais, a coisa esta ficando mais serias. A parir do 2012, o nº de veriadores vão aumentar. Por tras disso, vem aumentodos gasto publicos, corrupções e outras cositas mas.
    Temos que lutar para evitar essa aberração a todo custo. Afinal de contas chega de vagabundos mamando nas tetas do Brasil.

    Abr,

    JR.

  2. Jose Sinval, comentário 1
    O que me parece preocupante é ainda o descaso pela população em relação ao problema.
    A imprensa já começa a reagir. Veja que os resumos acima são uma abreviação daquilo que temos visto na mídia.
    Os mais renomados jornalistas, colunistas e escritores têm manifestado posição agressiva contra a corrupção.
    Talvez Cony tenha razão , identificando a falta de uma cara. Que certamente não é o Orlando Silva, Quem sabe, se tivesse a força de seu homônimo!

  3. Armando Italo, comentário 2
    Acabei de ouvir um trecho da propaganda do PC do B na CBN.
    É inacreditável.
    Não adianta nada as fotos das ONGs inexistentes mostrando mato ou residência.
    É o mesmo fenômeno da negação da imagem da Roriz recebendo propina.
    É hora de ficar revoltado , e não de ficar parado.
    E, tem de tudo. Tem o governador de São Paulo se acomodando com relação ao roubo que os estados não produtores de petróleo estão programando .
    Segundo o que está na internet, Alckmin não vai pressionar para impedir a diminuição que o Senado aprovou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s