Avalanche Tricolor: Éramos nove …

 

Criciúma 2 x 1 Grêmio
Brasileiro – Heriberto Hülse (Criciúma-SC)

 

LEU_5360

 

Foi um jogo curioso. Muito curioso. A sequência de adversidades que marcou nossa trajetória, no sábado, chamou atenção: estádio pequeno, torcida aguerrida, chuva forte, frio intenso, adversário desesperado e atos desiquilibrados que leveram às expulsões. Duas, por sinal. Não bastasse isso, tivemos Werley machucado e pelas circunstâncias, que não gostaria de ressaltar nesta Avalanche, podemos até computar como mais “um a menos” (lembra em cima de quem saiu o primeiro gol?).

 

A partida despertou sensações diversas e contraditórias a partir do comportamento de nossos jogadores e das decisões do árbitro. Perdemos no jogo, mas deixamos o gramado com uma ponta de orgulho pela forma brava com que aqueles que permaneceram em campo lutaram. Talvez muitos não entendam isso, mas não somos torcedores de resultado. Não nos convence a vitória conquistada sem suor, sem desejo. E no primeiro semestre deste ano houve situações assim: três pontos garantidos que não foram capazes de tocar nosso coração.

 

Não quero dizer que ficamos contentes por perder. Claro que não. Como lembrou Kleber: corre-se o risco de jogar fora o campeonato em partidas como essa, contra adversário que não está na disputa do título, teoricamente mais fácil de ser batido. Mas nós nos orgulhamos pelos que batalham e acreditam sempre. E assim tivemos prazer de ver que os nove que foram até o fim em defesa de nossas cores não se apequenaram. Apesar do gramado encharcado e das expulsões, jogaram muito melhor do que quando estávamos completo em campo. E aqui mais uma dessas contradições difíceis de serem explicadas: com 11 em campo não tivemos o mesmo desempenho e crença do que na adversidade.

 

Até a próxima luta!

4 comentários sobre “Avalanche Tricolor: Éramos nove …

  1. Já deixamos escancarado que a velha garra voltou ao nosso Grêmio. Renato terá agora de aperfeiçoar, a cada novo jogo, a estratégia e a técnica. Uma certa dose de sorte,como não, também tem lá a sua importância. Sim,Mílton,até a próxima luta!!!

  2. Foram três pontos perdidos, é verdade. Mas ficou no ar a sensação de que se tivéssemos com o time completo, a história seria diferente. Não sentia isso nas equipes de Luxemburgo. Fábio Koff tem razão. O Renato Portaluppi conseguiu resgatar aquele espírito do Grêmio que nunca deveria ter deixado de existir.

    Que o Fluminense não queira se reabilitar em cima da gente…

    Abs

    • Bruno,

      Você captou bem a ideia. Não estou satisfeito com a derrota, porque são três pontos importantes que deixamos para trás (e que seriam mais fáceis de conquistar, levando em consideração os demais adversários). No entanto, o que não é admissível é ver jogadores e time entregues como acontecia anteriormente. Hoje, se percebe a equipe disposta a lutar sempre e diante de qualquer circunstâncias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s