A simplicidade é um luxo

 

Por Ricardo Ojeda Marins

 

 

Carros, joias, aviões particulares, roupas, sapatos e outros bens caríssimos. Não há dúvidas que esses itens nos remetem a pensar em luxo, ou mais que isso, são associados ao luxo. Cada vez mais, porém, esse exigente consumidor busca algo muito além de produtos. Sabedoria, paz de espírito e simplicidade, por exemplo, são desejos que estão na lista de privilegiados do mundo contemporâneo.

 

Como o luxo em si, a simplicidade também é subjetiva. Pode ser um fim de semana em spa exclusivo, um retiro espiritual em hotel de luxo no Butão, uma viagem de balão na Capadoccia, aulas de gastronomia com um Chef em resort na Toscana ou a degustação de café preparado por você mesmo. Pode ser, simplesmente, admirar o pôr do sol em destinos cuidadosamente selecionados.

 

A simplicidade pode ser tanto um artigo de luxo como um produto Premium: imagine pipocas cobertas de chocolate da Chocolat du Jour, as guloseimas mais simples da Bolo à Toa ou, até mesmo, as sandálias Havaianas, consideradas Premium principalmente na Europa e Estados Unidos.

 

 

E não se engane, a simplicidade pode ser cara. Atente-se ao SHA Wellness Clinic, hotel de luxo em Valência, na Espanha, considerado um dos mais exclusivos complexos de Spa da Europa, com uma vista privilegiada para o Mar Mediterrâneo. Com diárias de hospedagem que se iniciam na faixa de 300 euros, ali pode-se cuidar do corpo e da mente através de tratamentos de beleza e desintoxicação, além de se entregar aos prazeres da gastronomia e participar de atividades como mergulho, esqui, golfe e passeios de barco.

 

A simplicidade está presente no olhar do cliente, no que ele almeja ao buscar um determinado serviço. Nos benefícios adquiridos, no seu bem estar, na realização pessoal, no sentimento de ser único ao receber tratamento personalizado, com suas necessidades e desejos realizados.

 

O luxo deslocou-se para o subjetivo universo do consumidor, repleto de sentimentos, necessidades e valores que envolvem especialmente o aprimoramento sociológico das pessoas.

 

Sim! A simplicidade também exige o maior grau de sofisticação.

 

Ricardo Ojeda Marins é Administrador de Empresas pela FMU-SP e possui MBA em Marketing pela PUC-SP. Possui MBA em Gestão do Luxo na FAAP, é autor do Blog Infinite Luxury e escreve às sextas-feiras no Blog do Mílton Jung.

Um comentário sobre “A simplicidade é um luxo

  1. Leio seus artigos às sextas-feiras e considero interessante a abordagem sobre o luxo. Gostaria, porém, de entender melhor qual a relação da simplicidade, tema do seu post, com o luxo. Quando vejo os objetos desenhados por Steve Jobs percebo a complexidade do simples, porém sabemos que seus produtos não estão na categoria do luxo, pois são cada cada vez mais acessíveis e populares. O que há de simplicidade em um hotel que me oferecer massagens especiais ou outros tipos de serviços citados no seu texto?

    um abraço a você e a todos os leitores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s