Avalanche Tricolor: salve, Imortal!

 

San Lorenzo 1×1 Grêmio
Libertadores – Buenos Aires

 

25193436884_c19e9e53fc_z

Lincoln voa em foto de Lucas Uebel/Gremio FBPA

 

Um gol quando o jogo mal havia se iniciado. Um gol bem quando o jogo estava terminando. E entre um mal-feito e um bem-feito, havia Marcelo Grohe.

 

Nosso goleiro foi heróico aos 19 do primeiro tempo quando limpou a barra do nosso esquema defensivo.

 

Foi elástico, aos 42, ao despachar o chute traiçoeiro do adversário.

 

Como a sorte ajuda aos homens de boa vontade, aos 43, Grohe foi salvo pelo travessão, uma vez; pelo pé alheio, na segunda; e por seu fiel escudeiro Geromel, na terceira.

 

E ainda havia todo o segundo tempo para Grohe operar milagres.

 

Verdade que o time da casa não repetiu a artilharia dos primeiros 45 minutos, mas quando só Grohe poderia nos salvar, como naquele lance nos acréscimos, foi ele quem nos salvou.

 

Salve, Grohe!

 

Grohe, porém, não pode fazer tudo. É preciso que alguém faça gol. E Lincoln fez justo quando os descrentes já haviam abandonado a causa.

 

Salve, Lincoln!

 

O guri entrou desajeitado em meio a um time que jogava desajustado. A bola quase não chegava ao pé dele, pois não havia ninguém mais em condições de carregá-la com a precisão necessária.

 

Após um cruzamento mascado e uma bola prensada, Lincoln acertou o único chute a gol do nosso time, naqueles últimos 45 minutos de partida. A bola passou rente e entre as pernas do zagueiro deles (que não era assim um Geromel) e foi parar dentro do gol.

 

Um gol que talvez não tenha feito jus ao futebol que apresentamos. Mas que fez à história que construímos: a de Imortal Tricolor. E só por acreditar sempre nesta história, fiquei atento, ligado, sofrendo e torcendo até o apito final do árbitro, sem perceber que me restariam pouco minutos para descansar e iniciar maratona de trabalho, nesta quarta-feira.

 

Quem se importa com isso, depois de ter tido o prazer de assistir a mais um grande feito da nossa imortalidade.

 

Salve, Gremio!

2 comentários sobre “Avalanche Tricolor: salve, Imortal!

  1. Fazia muito tempo que eu não tinha um companheiro capaz de me deixar tranquilo em certos jogos do Grêmio. O dessa terça-feira,contra o San Lorenzo, foi um deles. Aguentei o primeiro tempo inteiro sem perder, totalmente,a calma. No intervalo da partida,não mais que de repente,tive uma ideia.:quem sabe volto a buscar,na gaveta da cômoda,a foto do Padre Reus,o meu Santo preferido. Pensei cá comigo:o Marcelo Grohe,no primeiro tempo,não deixou de defender as bolas dificílimas que chegaram ao seu gol,mas, embora com a zaga perfeita,as bolas traiçoeiras eram enviadas sem solução de continuidade.Precisamos mais do que um goleiro mágico,pensei. Não tenho vergonha de revelar que passei o segundo tempo inteirinho pedindo ao Padre Reus que ajudasse Grohe. E ele não falhou. E o empate, que quase sumiu quando Grohe espalhou o último chute ao seu gol,apareceu ao lado de Marcelo,e a bola do que seria o segundo gol do San Lorenzo acabou ficando nas boas mãos dos dois.

  2. O comentário de hoje pela manhã do Kennedy Alencar mostra que o mesmo defende o atual governo. Ao politizar a decisão do juiz S Morro de liberar o conteúdo jurídico das escutas (a evidenciação é o procedimento normal; o segredo é a exceção), o comentarista mostrou, como em diversos outros momentos nestes últimos meses, que não é isento. O que é uma pena ….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s