Conte Sua História de SP: meu pai me levava para ver provas de remo no Tietê

 

Por Ricardo Pinto Filho
Ouvinte da Rádio CBN

 

 

Meus pais e eu viemos morar no Brasil em idos do ano de 1958. Meu pai, que atuou no corpo diplomático como adido comercial, se aposentou, e passamos a morar na cidade do Rio de Janeiro, mais especificamente em Copacabana.

 

Meu pai, homem dinâmico não queria parar de trabalhar e reingressou no mercado de trabalho, participando dos negócios de uma empresa de tecidos, que atuava com tecidos finos e seda importados.

 

O negócio obrigava meu pai a fazer viagens constantes à São Paulo, onde visitava negociantes e empresas importadoras para ver e comprar produtos.

 

Normalmente, viajava no meio de uma semana e retornava no meio da outra. Nos finais de semana em que ficava por aqui, aproveitava para rever velhos amigos de quando aqui morou por algum tempo. Sempre procurava visitar uma sobrinha muito querida, casada com um financista, que vivia em São Paulo fazia muito muitos anos.

 

Nas minhas férias escolares, sempre acompanhava meu pai nessas viagens. Eu adorava a viagem, sempre de ônibus, pois meu pai tinha medo de avião. Me recordo bem do ônibus GMC da Cometa, prateado, com janelas amplas com seus vidros Ray-Ban verdes e com o forte ronco do seu motor traseiro. Nada comparado aos ônibus urbanos.

 

Bem lembro que a via Dutra ainda tinha pista de mão dupla, que bem suportava o tráfego daquela época. A viagem sempre era muito tranquila e confortável.
Assim conheci São Paulo ainda criança.

 

Muito embora São Paulo não tivesse praia, me encantou pelos programas que proporcionava e as coisas e comidas que eu não achava pelo Rio. Meu pai, fora dos afazeres, me levava a passear pelos encantos paulistanos.

 

Sempre ficávamos no Centro, mas meu pai gostava de ir ao bairro oriental da Liberdade ou dos italianos do Bexiga. Nossos passeios sempre tinham museus, exposições, shows e parques para ver. Gostava muito de ir ao Jardim Zoológico, ao Jardim Botânico, ao Parque do Ibirapuera sendo o Planetário e o Museu da Aviação os meus prediletos. O Parque da Independência e o Museu de mesmo nome.

 

Visitávamos a Cidade Universitária, sem deixar de ir ao Instituto Butantã e seu serpentário.

 

Não me recordo ao certo de quantos lugares conheci, mas de um em especial, sempre me lembro, por causa do meu pai.

 

Ele, quando jovem, foi remador de competições no Clube de Regatas Guanabara. Remava em barcos de competição como o iole e os esquifes. Esse esporte sempre fez parte da sua vida e competições esportivas dessa modalidade sempre o atraiam.

 

Assim, sempre que estávamos em São Paulo e havia competições no Rio Tietê, a partir da Ponte das Bandeiras, ele me levava. Me lembro que para chegar lá, nosso táxi passava por grandes trechos de mato alto, como se ali não houvesse cidade até chegar a margem esquerda daquele rio, junto ao clube Tietê.

 

As regatas sempre atraiam muito público, naquele domingos pela manhã. Os barcos de cada prova alinhavam em uma espécie de píer de madeira e de onde a molecada pulava para se esbaldar no rio ao final das provas. Lembro do meu pai falar das guarnições do Espéria, Tietê, Corinthians e o Náutico da cidade de Santos.

 

Guardo nas minhas recordações do quanto cristalinas eram as águas do Rio Tietê. Tinha gente que pescava ou a garotada que nadava em grande farra, com suas bóias feitas com câmaras de ar de automóveis. Se vão 50 anos e ainda relembro esses fatos guardados em minha memória.

 

Depois de muitas andanças em minha vida, acabei por vir morar em São Paulo.

 

Hoje, estou casado com uma filha dessa cidade, com quem constituí família. Moro no bairro da Pompéia e invariavelmente passo todos os dias pela marginal Tietê a caminho do trabalho. Vejo com muita tristeza a que condições reduzimos o nosso Rio Tietê.

 

Falo assim “nosso” porque me julgo como parte de São Paulo, que tão bem me recebeu quando aqui vim morar e construir o meu futuro. Essa é a mina história de São Paulo.

 

O Conte Sua História de São Paulo vai ao ar no CBN SP, logo após às 10h30, e tem a sonorização do Cláudio Antonio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s