Quintanares: Canção de Ballet

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretação de Milton Ferretti Jung
Publicado em Canções

 

Ele sozinho passeia
Em seu palácio invisível.
Linda moça risca um riso

 

Por trás do muro de vidro.

 

Risca e foge, num adejo.
Ele pára, de alma tonta.
Um beijo brota na ponta
Do galho do seu desejo.

 

E pouco a pouco se achegam.
Põem a palma contra a palma.
Mas o frio, o frio do vidro

 

Lhe penetra a própria alma!

 

“Ai do meu Reino Encantado,
Se tudo aqui é impossível…
Pra que palácio invisível
Se o mundo está do outro lado?”

 

E inda busca, de alma louca,
Aquele lábio vermelho.
Ai, o frio da própria boca!

 

O amor é um beijo no espelho?

 

Beija e cai, como um engonço,
Todo desarticulado?
Linda moça, como um sonho,
Se dissipa do outro lado?

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s