Quintanares: A Grande Enchente

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretada por Milton Ferretti Jung

Cadáveres de Ofélias e cadelas mortas
vinham parar por instantes às nossas portas
porém, sempre a mercê dos redemoinhos
prosseguirão depois seus incertos caminhos.

 

Quando água alcançar as mais altas janelas
eu pintarei rosas de fogo em nossas faces amarelas
o que importa o que há de vir
tudo é poupado aos loucos
e os loucos tudo se permitem

 

Vamos, espírito de Deuses
sobre as águas pairamos
alguns de nós dizem que apenas somos nuvens
outros, uns poucos, dizem que somos cada vez mais mortos
mas não avisto, lá embaixo, os nossos próprios defuntos.

 

E em vão também olho em redor
onde é que estão vocês, amigos, amigas,
dos primeiros e últimos dias
é preciso, é preciso, é precio continuarmos juntos
então, em um último e diluído pensamento
eu sinto que meu grito é só a voz do vento

 

Quintanares foi programa reproduzido originalmente na rádio Guaíba de Porto Alegre

Um comentário sobre “Quintanares: A Grande Enchente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s