Quintanares: Verão

 

 

 

Poema de Mário Quintana
Interpretação de Milton Ferretti Jung
Publicado em Antologia Poética

 

No capinzal, o meu cabelo cresce;
Pende, polpa madura, o lábio teu no fruto;
Todo o calor te diz: “Amadurece
Mais, ainda mais e tomba!”
Eu não espero
Vento nenhum que te derrube, eu quero
que tombes, doce e morna, por ti mesma, onde
mais sejas desejada e apetecida… vem!
Faremos
De verdura acre
E doce polpa
Manjar que reses lamberão
E virão farejar os animais noturnos

 

Antes de que nos sorva, lentamente, o chão…

 

Quintanares foi ao ar, originalmente, na rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: A carta

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretação de Milton Ferretti Jung

 

Hoje encontrei dentro de um livro uma velha carta amarelecida,
Rasguei-a sem procurar ao menos saber de quem seria…
Eu tenho um medo
Horrível
A essas marés montantes do passado,
Com suas quilhas afundadas, com
Meus sucessivos cadáveres amarrados aos mastros e gáveas…
Ai de mim,
Ai de ti, ó velho mar profundo,
Eu venho sempre à tona de todos os naufrágios!

 

Quintanares foi ao ar originalmente na rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: Operação Alma

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretação de Milton Ferretti Jung

 

Há os que fazem materializações…
Grande coisa! Eu faço desmaterializações.
Subjetivação de objetos.
Inclusive sorrisos,
Como aquele que tu me deste um dia com o mais
puro azul de teus olhos
E nunca mais nos vimos (Na verdade a gente nunca mais se vê…)
No entanto,
Há muito que ele faz parte de certos estados do céu,
De certos instantes de serena, inexplicável alegria,
Assim como um vôo sozinho põe um gesto de adeus na paisagem,
Como uma curva de caminho,
Anônima,
Torna-se às vezes a maior recordação de toda uma volta ao mundo!

 

 

Quintanares foi ao originalmente na rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: Ser e estar

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretada por Milton Ferretti Jung

 

A nuvem, a asa, o vento,
a árvore, a pedra, o morto…

 

tudo o que está em movimento,
tudo o que está absorto…

 

aparente é esse alento
de vela rumando um porto

 

como aparente é o jazimento
de quem na terra achou conforto…

 

pois tudo o que é está imerso
neste respirar do universo

 

– ora mais brando ora mais forte
porém sem pausa definida –

 

e curto é o prazo da vida

 

e curto é o prazo da morte.

 

O programa Quintanares foi ao ar, originalmente, na rádio Guaíba de Porto Alegre.

Quintanares: O cisne

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretação de Milton Ferretti Jung

 

O cisne que estava imóvel sobre o piano
desliza agora sobre as águas negras
ao som da valsa
que eu tocava a quatro mão
uma menina Gertrudes
se fosse ao menos uma Gertrudes Stein

 

o nome da valsa não me lembro
seria o cúmulo se fosse aquela sobre as ondas
que se tocava tanto no fim do mundo
e o pior de tudo
é que as visitas aplaudiam sinceramente
que menino inteligente

 

oh, tempos
oh, gente
a menina Gertrudes era enjoada e pretensiosa
como suas calças de babado.
e olhava-me com ares de quem sabia coisas
de que eu não entendia nada
é que as meninas sabem mais do que sabem

 

e havia um velho
que me parecia mais velho do que todos os retratos da sala
e que dizia sempre naquela sua voz de molas de relógio
ai, que Catitas,
ai, que catitas

 

e com as palmas das visitas
nem se ouvia o rumor das águas infinitas
que vinham subindo, subindo

 

 

Quintanares foi ao ar, originalmente, na rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: Pedra rolada

 

 

Poesia de Mário Quintana
Publicado em Nova Antologia Poética
Interpretado por Milton Ferretti Jung

 

Esta pedra que apanhaste acaso à beira do caminho
– tão lisa de tanto rolar –
é macia como um animal que se finge de morto.

 

Apalpa-a… E sentirás, miraculosamente,
a suave serenidade com que os mortos recordam.

 

Mortos?! Basta-lhes ter vivido
um pouco
para jamais poderem estar mortos

 

– e esta pedra pertence ao universo deles,

 

Deposita-a
no chão,
cuidadosamente…

 

Esta pedra está viva!

 

Quintanares for originalmente ao ar na rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: Numismática

 

 

Poema de Mário Quintana
Publicado em Apontamentos de História Sobrenatural
Interpretado por Milton Ferretti Jung

 

A moeda de prata
é casta.
tem um brilho de luar.
A moeda de ouro
traz a efígie de um touro solar.
Ela acende um brilho assassino no olhar.
Com elas se compram cortesãs.
Com elas,
por causa delas,
repousam galeões no fundo do mar.
A moeda de ouro é pomposa
e vulgar como o Rei-Sol.
A moeda de prata é uma rosa lunar.
Uma rosa branca.
Não sei por que, parece
uma Ave-Maria…

 

Quintanares foi quadro apresentado, originalmente, na Rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: A Grande Enchente

 

 

Poesia de Mário Quintana
Interpretada por Milton Ferretti Jung

Cadáveres de Ofélias e cadelas mortas
vinham parar por instantes às nossas portas
porém, sempre a mercê dos redemoinhos
prosseguirão depois seus incertos caminhos.

 

Quando água alcançar as mais altas janelas
eu pintarei rosas de fogo em nossas faces amarelas
o que importa o que há de vir
tudo é poupado aos loucos
e os loucos tudo se permitem

 

Vamos, espírito de Deuses
sobre as águas pairamos
alguns de nós dizem que apenas somos nuvens
outros, uns poucos, dizem que somos cada vez mais mortos
mas não avisto, lá embaixo, os nossos próprios defuntos.

 

E em vão também olho em redor
onde é que estão vocês, amigos, amigas,
dos primeiros e últimos dias
é preciso, é preciso, é precio continuarmos juntos
então, em um último e diluído pensamento
eu sinto que meu grito é só a voz do vento

 

Quintanares foi programa reproduzido originalmente na rádio Guaíba de Porto Alegre

Quintanares: O velho do espelho

 

 

Poesia de Mário Quintana
Publicado em Apontamentos de história sobrenatural
Interpretação Milton Ferretti Jung

 

Por acaso, surpreendo-me no espelho: quem é esse
Que me olha e é tão mais velho do que eu?
Porém, seu rosto…é cada vez menos estranho…
Meu Deus, Meu Deus…Parece
Meu velho pai – que já morreu!
Como pude ficarmos assim?
Nosso olhar – duro – interroga:
“O que fizeste de mim?!”
Eu, Pai?! Tu é que me invadiste,
Lentamente, ruga a ruga…Que importa? Eu sou, ainda,
Aquele mesmo menino teimoso de sempre
E os teus planos enfim lá se foram por terra.
Mas sei que vi, um dia – a longa, a inútil guerra!-
Vi sorrir, nesses cansados olhos, um orgulho

Quintanares: Contigo fiz, ainda em menininho

 

 

Poesia de Mário Quintana
Publicada em A Rua dos Cataventos
Interpretada por Milton Ferretti Jung

 

XI [CONTIGO FIZ, AINDA EM MENININHO]

 

Contigo fiz, ainda em menininho,
Todo o meu Curso d′Alma… E desde cedo
Aprendi a sofrer devagarinho,
A guardar meu amor como um segredo…

 

Nas minhas chagas vinhas pôr o dedo
E eu era o Triste, o Doído, o Pobrezinho!
Amava, à noite, as Luas de bruxedo,
Chamava o Pôr-do-sol de Meu Padrinho…

 

Anto querido, esse teu livro “Só”
Encheu de luar a minha infância triste.
E ninguém mais há de ficar tão só:

 

Sofreste a nossa dor, como Jesus…
E nesta Costa d′África surgiste
Para ajudar-nos a levar a Cruz!…

 

Quintanares foi programa originalmente apresentado na rádio Guaíba de Porto Alegre