Avalanche Tricolor: que venha o título da Libertadores!

 

Cruzeiro (3) 1×0 (2) Grêmio
Copa do Brasil – Mineirão – BH/MG

 

Gremio2

Luan antes de colocar Barrios na cara do gol (reprodução SporTV)

 

Algumas horas já se passaram desde a frustrada tentativa de chegar a mais uma final de Copa do Brasil. Seria a chance de seguirmos fazendo história na competição que inauguramos com um título, em 1989; na qual acumulamos mais vitórias do que qualquer outro participante e em que tínhamos a oportunidade de vencer duas vezes seguidas, algo inédito. Além disso, estaríamos muito mais próximos de garantir ao menos uma das cinco conquistas possíveis neste ano – o que seria prêmio merecido ao time que tem apresentado o mais vistoso futebol da temporada.

 

Nem sempre as coisas são como deveriam ser. Ou gostaríamos que fossem. Deixa-se de fazer o resultado mais amplo em casa, mesmo que o placar nos tenha sido favorável; a bola matadora não é executada com a necessária precisão, como poderia ter ocorrido aos cinco minutos de jogo; alguém aparece mais livre do que seria admissível na nossa área; e, mesmo quando temos a chance de recuperação, desperdiça-se um pênalti atrás do outro. É uma sequência de fatores que conspiram contra nosso desejos. Coisas do futebol.

 

A vantagem de escrever à distância é que as palavras já não são mais escritas com a melancolia da frustração. Os primeiros sentimentos pouco católicos provocados pela graça não alcançada já não ficam nos tentando e cochichando no ouvido para influenciar nossa opinião. E a razão se eleva, permitindo um olhar mais equilibrado e menos dolorido.

 

Claro que não foi a busca pela razão que me afastou desta Avalanche por mais horas do que estou acostumado. Geralmente, o texto flui assim que o árbitro encerra a partida. Ontem não dava para fazer isso. A decisão estendida da vaga à final me levou para cama muito mais próximo do horário de acordar do que eu imaginava. Não bastasse o jogo terminar tarde, mais tarde ficou até a batida no coração voltar ao normal – já era madrugada e foi de madrugada que sai de casa.

 

Com a razão e o olhar em perspectiva evita-se culpar um erro qualquer e individual: os torcedores tendemos a procurar um algoz para justificar nossas derrotas, pois assim não precisamos admitir que, em algum momento, o adversário foi superior ou competente. Justifica-se a perda pelo destino que nos tirou o melhor zagueiro em atividade no Brasil mesmo que seu substituto em nada tenha comprometido, ao contrário. Fixamo-nos naquele ali que só assistiu ao adversário saltar para marcar seu gol quando deveria estar mais próximo. Ao apagão que possa ter impactado o craque da competição. Às vezes a desculpa está na decisão do técnico em ter deixado no banco um jogador em detrimento de outro. Em outras, é este fantasma dos pênaltis que nos ronda já faz algum tempo e faz com que a bola seja precisamente chutada na trave. Somos tão irracionais que agora alguns de nós colocam a culpa na preservação da equipe, estratégia usada para poupar nossos titulares de um calendário intenso de jogos e decisões.

 

Distante, descansado e consolado, tendo a ser mais razoável. Afinal, sei que o futebol tem dessas coisas, não é exatamente um esporte justo, especialmente em competições em que toda partida pode ser decisiva. Procuro ver o copo meio cheio e deixar o vazio da derrota para os inimigos do futebol bem jogado. Sim, porque perder a Copa do Brasil, esta que temos aos montes no armário do clube, tem apenas um aspecto preocupante a meu ver: o risco de terminarmos esta temporada sem um título, o que seria uma injustiça absurda ao estilo de jogo que temos apresentando e reforçaria a tese dos adeptos do futebol burucutu, emburrado e sem graça que muitas vezes rondou nosso gramado.

 

Sem a Copa, diante da falta de privilégio ao Brasileiro e, claro, pelo amor que temos a esta camisa tricolor: que o Grêmio seja campeão da Libertadores! O futebol de qualidade, com estilo e inteligência merece este título.

2 comentários sobre “Avalanche Tricolor: que venha o título da Libertadores!

  1. Milton, uma análise rápida feita ontem à noite para uma fila de gremistas na família e amigos, inclusive netos que estavam às 4 hs da manhã em Londres, lamentando a derrota e especulando o que aconteceu. O Grêmio deixou escapar o título mais fácil, dos três que disputa, até porque não merecia perder sequer o jogo. Quanto mais a vaga. Pelo futebol que apresentou nas duas partidas. Se quiser o título da Libertadores (porque o Brasileiro foi meio que escanteado), terá que pelo menos aprender a bater pênalti, dia e noite, treinando. Agora é só mata-mata. É lamentável jogar toda uma campanha fora num chute, mas que pelo menos acertem dentro do gol. Não foram os goleiros que pegaram ou o travessão que levou aos vários pênaltis perdidos. Foram os jogadores que chutaram mal. Saudações tricolores.

  2. Forni, lembrei hoje cedo na rádio: perdemos o Gaúcho nos penaltis, perdemos a Copa nos penaltis, e estamos perdendo o Brasileiro da mesma maneira: perdemos pênalti contra o Corinthians, Botafogo e Avaí, e em todas as partidas perdemos o jogo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s