Avalanche Tricolor: na goleada, uma homenagem ao goleiro que conta a história do Grêmio

 

Grêmio 5×0 Cerro Porteño-PAR
Libertadores – Arena Grêmio

 

 ezgif.com-video-to-gif-3

 

Era meio-dia quando deixei Porto Alegre, onde estive durante o feriado prolongado. Havia bons motivos para estar na capital gaúcha, não bastasse sempre ser a oportunidade de conviver com a família. No avião que me levaria de volta a São Paulo, pouco antes de eu embarcar, desceram passageiros com a camisa do Grêmio — era uma turma que tinha destino certo: a Arena gremista, a poucos minutos do aeroporto Salgado Filho.

 

Quase lamentei a necessidade de retornar mais cedo devido aos compromissos profissionais do dia seguinte. Mas já me acostumei com esses desencontros de agenda: a tabela de jogos do Grêmio e minhas obrigações como jornalista poucas vezes se acertam. Portanto, assistir ao meu time na televisão tem sido a opção mais razoável diante das responsabilidades impostas pela profissão.

 

E lamentar qualquer que seja o fato relacionado ao Grêmio nestes últimos anos sequer é justo de minha parte. São tantas coisas boas acontecendo por nós que prefiro não reclamar desses detalhes.

 

A cada partida que assistimos, é um espetáculo à parte. Independentemente do adversário, seja qual for a competição — se o time titular está em campo, é satisfação garantida.

 

Mesmo quando o placar não é o que buscávamos — e isso aconteceu recentemente no Brasileiro, quando empatamos na Arena —, o resultado do futebol jogado é gratificante.

 

Vê-se uma defesa tão firme quanto eficiente, com Geromel e Kannemann dominando pelo alto e desmontando o adversário — hoje eles não deram chance de reação aos atacantes.

 

Nossos dois laterais, Léo Moura e Cortez, se aproveitam de um sistema defensivo bem estruturado e reforçado pelo retorno da turma da frente: vão à linha de fundo, dando opção de jogadas abertas sempre que a entrada da área está congestionada.

 

Maicon e Arthur são os dois volantes mais talentosos em atividade no Brasil. A chuteira que calçam desliza sobre a bola e a trata com um carinho pouco comum aos jogadores que atuam na posição deles. Enquanto carregam a bola, o olhar almeja um companheiro mais bem colocado. E é no pé desses companheiros que ela é entregue com uma precisão muito acima da média.

 

Compõem esse setor do campo Luan e Ramiro.

 

Um é o craque reverenciado pela América — dribla com facilidade e se desloca com elegância à frente dos marcadores. Tecer elogios a ele é redundância.

 

O outro, é o meio de campo adorado pelo torcedor — com a mesma humildade com que aparece para desarmar na defesa, agradece as oportunidades que surgem para marcar seus gols. Com seu 1,68 metro de altura, transforma-se em gigante quando veste a camisa do Grêmio, como no segundo gol, feito de cabeça.

 

No ataque, temos Jael e Everton — é a fome com a vontade de comer, como costumava dizer minha mãe.

 

Um briga com os zagueiros para garantir a bola em seu pé e não se importa de ser o homem da assistência, mesmo que sua principal função devesse ser o gol. Luta de forma tão obstinada e se entrega para o time de tal maneira — como no lance que permitiu a abertura do placar, ainda no primeiro tempo —, que o destino acaba lhe oferecendo também essa alegria — como vimos no terceiro gol, no qual se atirou para escorar a bola, já no início do segundo tempo.

 

O outro está endiabrado. Sai em disparada pela direita, dribla pelo meio, corre pela esquerda e dribla novamente se for preciso. Parte sempre em direção ao gol para desespero de seus marcadores. Se antes os desperdiçava, hoje consegue concluir cada vez com mais precisão: fez dois da goleada desta noite. Fará muito mais ainda, mesmo com o olho gordo dos clubes do exterior.

 

Poderia descrever outros jogadores que fazem parte deste elenco, como Alisson e Cícero — esse último ainda se deu o direito de completar a goleada de 5 a 0, também de cabeça.

 

Mas quero encerrar essa Avalanche enaltecendo a figura séria e simbólica de Marcelo Grohe, o nosso goleiro — o que pode ser uma contradição, sendo esta Avalanche sobre um jogo em que goleamos.  

 

Consta na estatística que ao fim da partida de hoje, Grohe completou 840 minutos sem ser vazado — nunca antes havia ficado tanto tempo sem saber o que é tomar um gol. Tenho sempre receio desses recordes, pois acaba-se ficando refém deles.

 

Portanto, mais importante do que o número, é a consistência com que tem se apresentado a cada jogo, especialmente nos momentos cruciais — como nos primeiros minutos em que uma bola traiçoeira foi alçada para nossa área.

 

Grohe além de firme e competente no que faz, ainda está aí para nos lembrar que se hoje somos capazes de sorrir a cada passe realizado, drible registrado e gol marcado; se podemos nos divertir cantando “olé” já aos 12 minutos do segundo tempo, em plena Libertadores; se a alegria de levantar uma taça tem se repetido com exagerada frequência; tudo isso só foi possível graças a um clube que lutou muito para construir sua história.

 

Nosso goleiro começou nas categorias de base, em 2000, transformou-se em profissional em 2005, teve de suportar a reserva por muitos anos e mesmo depois de ter assumido como titular, em 2012, sofreu novo revés com a chegada de goleiros de renome.

 

Suportou nariz torto de torcedor e desconfiança de parte da crônica — além de críticas maldosas e sem lógica de gente influente. A falta de títulos importantes na carreira pesava sobre suas costas, mesmo diante de algumas defesas incríveis. Passou por momentos de dificuldade, em que a cobrança era intensa e os resultados muito distantes do que desejávamos.

 

Perseverou! E venceu!

 

Grohe, além do talento embaixo do gol — e também por este talento —, com sua carreira marcada pela coragem em enfrentar as dificuldades que surgiam no seu caminho e em saber superar todo e qualquer obstáculo sem jamais desistir é a figura em campo, atualmente, que personifica a história do Grêmio. 

 

Obrigado, Grohe!

 

Um comentário sobre “Avalanche Tricolor: na goleada, uma homenagem ao goleiro que conta a história do Grêmio

  1. Belíssimo resumo deste maravilhoso momento do Grêmio Milton. A única reclamação que se faz neste momento em POA é que agora o ingresso para assistir aos jogos do nosso time ficará mais caro pois a direção gremista começará a cobrar couvert artístico como adicional para assistir aos shows!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s