Avalanche Tricolor: o dia do “não”

 

Grêmio 0x1 Libertad
Libertadores — Arena Grêmio

 

 

46449739915_44ebe6280b_z.jpg

Renato não estava com cara de bons amigos na foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

 

Lembra do guri de camisa tricolor com listras desbotadas da última Avalanche de Libertadores? Esteve de volta nesta noite de terça-feira, aqui em São Paulo — de onde curto à distância as façanhas do meu Grêmio. Estava sentado no sofá, diante da televisão. Sofrendo como naquela época. Com as mãos esfregando o rosto de cima a baixo. E os dedos escorrendo sobre a cabeça e empurrando os cabelos para trás — bem menos cabelo, é verdade do que antigamente.

 

Assim como aquele guri, esteve de volta também a lembrança de uma conversa que tive com meu padrinho por adoção,  Ênio Andrade — um dos maiores técnicos que já passaram pelo meu time. Dos tempos em que ele colocava a mão sobre meu ombro e me convidava a passear pelo Largo dos Campeões, no entorno do saudoso estádio Olímpico.

 

Seu Ênio, naquelas semanas em que o resultado em campo estava aquém do esperado por ele e sonhado por mim, costumava dizer que o futebol tem algumas coisas curiosas: “Tem o dia do “sim” e o dia do “não”, Alemão!”.

 

Quando o dia é do “não”, esquece! — me ensinou.

 

A bola que sempre rola redonda no gramado, pipoca para um lado e escapa pelo outro. Acostumada a chegar no pé do colega, vai parar na altura da canela. O movimento sincronizado se transforma em correria desordenada. O cruzamento nunca encontra a cabeça amiga. A defesa que espanta até fantasma se atrapalha. Sofre o drible e deixa espaço.

 

No dia do “não”, quem está melhor em campo sente dores e tem de ser substituído. E depois de o técnico já ter feito todas as substituições, sempre haverá mais alguém para se lesionar. Com tudo conspirando contra, com certeza não será o árbitro que vai ajudar. Não vê pênalti quando podia ter visto, vê menos ainda quando o pênalti realmente acontece. Deixa o cronômetro correr até a conclusão do ataque adversário. E, claro, é nesse lance que vamos tomar o gol.

 

Hoje, foi o dia do “não” para o Grêmio na Libertadores. Mas como o guri aprendeu com o Seu Ênio, não adianta se desesperar. Porque se o trabalho está sendo bem feito — e este é o nosso caso —, melhores dias virão. Até lá.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s