Avalanche Tricolor: chega pra lá, bruxa!

 

Grêmio 4×5 Fluminense
Brasileiro – Arena Grêmio

 

Gremio x Fluminense

Kannemann comemora um dos gols em foto de LUCASUEBEL/GRÊMIOFBPA

 

“No creo en brujas, pero que las hay, las hay” diz o ditado espanhol que ouvi meu pai repetir algumas centenas de vezes, geralmente quando revelava ceticismo em relação a alguma coisa da vida. Lembrei-me dele não apenas pela oportunidade de estar ao lado do pai nestes últimos cinco dias, em visita a Porto Alegre. Mas pelos fatos que se sucederam desde que fui embarcar em um avião de volta a São Paulo.

 

O atraso do voo, por motivos jamais explicado pela companhia aérea, nos fez embarcar no avião quase 40 minutos depois do combinado — o que já seria suficiente para atrapalhar minha agenda desta noite de domingo: assistir ao jogo do Grêmio pela televisão.

 

Como desgraça pouca é bobagem — perdão, hoje esta Avalanche está cheia de ditados —-, assim que as portas do avião fecharam, o céu em Porto Alegre fechou junto, e um temporal de vento passou a balançar a aeronave na pista do aeroporto Salgado Filho. A torre cancelou decolagens e aterrisagens. E lá ficamos todos presos a espera da liberação.

 

Costumo não ser ansioso nessas horas, mesmo porque a segurança é a prioridade. Mas estava na cara que meus planos tinham ido por água abaixo —- opa, lá foi mais um lugar-comum. Na melhor das hipóteses assistiria ao segundo tempo da partida. A chuva só se acalmou depois de uma hora e 45 de atraso.

 

Assim que desembarquei no aeroporto de Congonhas, liguei meu “radinho de pilha” do celular e fui surpreendido com um 3×0 acachapante, conquistado em 21 minutos, como exaltava o locutor esportivo. Feliz com aquela que seria a primeira vitória gremista no Campeonato Brasileiro me dirigi para o estacionamento onde um carro me aguardava.

 

Nem bem havia chegado ao estacionamento, ouvi o primeiro e o segundo gols adversários. No caminho para a casa veio o terceiro. E quando me sentei diante da televisão, pude ver o 3×4, o 4×4 e o 4×5. E tudo que consegui pensar era que “la bruja” no caso era eu, pois enquanto não acompanhava a partida estava tudo bem. Bastou começar a ouvir o jogo e o meu time desandou.

 

A me apaziguar o coração o fato de “el diablo saber más de viejo que por diablo” —- outro ditado que meu pai repetia à exaustão ao se referir à experiência que só o tempo nos oferece. Pois de tanto assistir ao futebol também sei que nem sempre é o nosso pé frio que muda o placar da partida. Às vezes “la bruja está suelta” no pé de um goleiro desastrado, de um atacante atabalhoado, de um time desconcentrado ou no apito de um juiz mal-intencionado (longe de mim levantar suspeita contra qualquer um dos personagens dessa última frase).

 

Independentemente onde “la bruja” tenha pousado, terminei o fim de semana com o desejo que ela já tenha feito todos os seus feitiços em campo e vá voar para bem longe da Arena, porque na quarta-feira, não pode haver espaço para o azar: “arriba y avante porque la Libertadores viene adelante“.

2 comentários sobre “Avalanche Tricolor: chega pra lá, bruxa!

  1. E eu pensando que eu era o pé frio… hahah Liga não, Milton. Quem deve estar com o pé gelado mesmo, é o goleiro Júlio César, de tanto tempo sem usar. Foi tentar fazer graça ontem, provocou a reação do time das Laranjeiras. Quarta-feira a Católica que me desculpe, mas a religião que vai predominar é a do Grêmio e deve avançar na Libertadores.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s