Avalanche Tricolor: um Gre-Nal com muita coisa fora da ordem

 

Grêmio 0x0 Inter
Libertadores —- Arena Grêmio

49653986872_3699e4699f_c

Geromel mitou mais uma vez em foto de LUCAS UEBEL/GRÊMIOFBPA

 

O clima está estranho aqui na Terra, você não acha?

 

Um vírus deixou o Mundo de joelhos. Mais de 128 mil pessoas já foram infectadas. Mais de 4 mil e 700 morreram. O valor das empresas derrete na bolsa. As pessoas fazem compras no mercado como se fosse a última vez. Tem líder político combatendo a contaminação com canetaço e galhofa. Fecham portos, aeroportos e fronteiras. O cumprimento com a mão está cancelado. Os encontros e eventos, também.

 

O futebol deixou de ser jogado na maior parte do hemisfério Norte. Aqui pelas nossas bandas, demorou-se um pouco mais para se tomar a mesma decisão. Depois de algumas partidas disputadas no Continente com estádios vazios, adiou-se as eliminatórias para o Mundial e foi anunciada a interrupção da Libertadores, mas antes era preciso assistir ao Gre-Nal das Américas.

 

Mais de 50 mil torcedores se aglomeraram na Arena para ver esse que foi o primeiro clássico gaúcho em uma Libertadores — o jogo merecia pela sua dimensão, mas, convenhamos, era muita gente junta para quem vive o medo do coronavírus.

 

Mais de 2 milhões foram obrigados a assistir à partida pelo Facebook —- em uma experiência que, ao menos de minha parte, é muita estranha e pouco efetiva se considerarmos quão acessível sempre foi ligar a televisão para torcer por seu time do coração.

 

A partida, enquanto a bola rolou foi de alto nível e extremo perigo. Bola no poste, no travessão ou na cavadinha para fora; chute espalmado para o lado, espirrada para escanteio ou despachada pelo zagueiro.

 

Mas havia algo estranho no ar. E não era apenas o risco de um vírus.

 

Desde os primeiros minutos, ninguém tirava o pé na dividida, alguns elevavam o cotovelo acima do razoável e a dureza das faltas obrigava o árbitro a agir e punir para por ordem na casa.

 

Quando tudo se encaminhava para um final sofrido, o que assistimos foi a uma pancadaria sem freio: gente chutando gente, batendo em gente, agarrando o pescoço da gente. Tinha até gente tentando afastar toda aquela gente.

 

O árbitro entrou em ação e distribuiu o cartão vermelho, expulsando ao menos três jogadores de cada lado —- fora uma turma que estava no banco de reservas e não fez falta nenhuma.

 

Ficou feia a coisa em campo e fomos obrigados a ver uma cena estranha nos minutos restantes, com cada time jogando com um no gol e mais sete na linha. Bem que tentaram ensaiar alguma coisa, mas naquela altura tudo estava fora da ordem — como, aliás, está o Mundo nessa altura do Campeonato.

 

Em meio a tudo isso, salvou-se um: Geromel. Nosso zagueiro foi o dono da área, colocou mais uma vez o principal atacante adversário no bolso e se comportou diante dos colegas que se engalfinhavam com a mesma elegância e respeito com que veste a camisa do Grêmio.

 


E quando já havia encerrado esta Avalanche, ouço as palavras de Geromel, ditas ao fim da partida:

“O país tá polarizado. Ninguém respeita ninguém. Nós temos aqui a oportunidade de dar um exemplo. Eu, como capitão do Grêmio, estou envergonhado”.

 Geromel é um mito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s