Avalanche Tricolor: Grêmio faz a lição “fora” de casa

Operario PR 0x1 Grêmio

Brasileiro B – Estádio Germano Krüger, Ponta Grossa PR

Elias comemora o gol da vitória, em foto de LUCAS UEBEL/GRÊMIO FBPA

Estádio acanhado. Distante de oferecer o conforto das Arenas. Torcida motivada, quase no cangote dos jogadores. Adversário entusiasmado diante da #BatalhaDos110 — marca usada para comemorar o aniversário do time. Em campo, uma equipe aguerrida, disposta a manter a invencibilidade iniciada em outubro do ano passado e a conquistar a primeira vitória de sua história contra o Grêmio.

Começo essa Avalanche de forma inédita. Pelo outro. Pelo adversário. Pelo coadjuvante. E não pense que falo assim por desmerecimento. É que dedico esse espaço ao time do meu coração. O Grêmio é o protagonista. Mesmo que nem sempre o seja com a bola no pé, como aconteceu em boa parte do ano passado, a tal ponto que chegamos onde estamos. Por isso mesmo, aliás, iniciei essa Avalanche descrevendo o cenário que encontramos nesta quarta rodada do Brasileiro B. 

A situação de rival a ser batido, do grande a ser superado ou de deparar com estruturas nem sempre apropriadas para a partida, vai se repetir a cada rodada — ou na maioria delas. Na última vez que estivemos nessa condição, demoramos para aprender a lição antes de sermos protagonistas da nossa própria batalha, a dos Aflitos. Você talvez não lembre, mas só mudamos nossa história após sofrermos uma impressionante goleada. Neste ano, temi pelos primeiros resultados. Pensei que as dificuldades de adaptação para o tipo de jogo a ser jogado e de competição a ser disputada fossem se estender por mais tempo. 

Na noite desta quarta, em Ponta Grossa, interior do Paraná, o Grêmio deu sinais de que está ciente de seus limites e de como deve se comportar diante da situação a que se expôs ao não ser capaz de permanecer na primeira divisão. Mesmo com a escassez de jogadas de ataque, foi competente na marcação, dobrando em cima do adversário, encurtando espaço para o toque de bola e sendo firme nas divididas. Jogadores foram substituídos por exaustão —- provocada porque precisam fazer o dobro do que estavam acostumados. 

Não por acaso, Campaz, que seria um talento a ser preservado à frente, apareceu duas ou três vezes despachando a bola na defesa. E Rodrigo Ferreira, novidade na temporada, escalado para dar consistência lá atrás, foi quem proporcionou o primeiro chute de grande perigo a gol. Sem exagero, cito Benitez, que entrou já no segundo tempo. Meio-campo sempre lembrado pelo toque de bola e distribuição de jogo. Não se fez de rogado: apareceu três vezes desarmando com carrinho os adversários.

Depois de resistir ao empate no primeiro tempo, Roger armou a equipe para impor velocidade. E em dois lances, logo no início do segundo tempo, o Grêmio mostrou a que veio. Biel pela esquerda, soltou o drible e usou de agilidade para chegar na área. Na primeira jogada, colocou Diego Souza na cara do gol. Na segunda, deu assistência para Elias marcar o nosso gol. Nosso único e suficiente gol. Gol com o valor de goleada. Porque valeu os três pontos que precisávamos para botar o pé no grupo dos quatro mais bem classificados.

Sem querer me precipitar: tenho a impressão de que o Grêmio entendeu que está disputando o Brasileiro B. E esse é o primeiro passo para todo e qualquer time se livrar dela o mais cedo possível.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s