Avalanche Tricolor: pelo direito à ilusão

Grêmio 3×0 Bragantino

Brasileiro – Arena Grêmio, Porto Alegre/RS

Kannemann em foto de Lucas Uebel/GrêmioFBPA

Comentaristas de futebol são craques (ou deveriam ser) em enxergar aquilo que poucos de nós conseguimos ver em campo – a movimentação estratégica, o ocupar de espaços, a aproximação por bloco, a marcação alta, e todo esse cabedal de conceitos que os técnicos tentam levar dos treinos para o vestiário e do vestiário para o campo de bola. Os torcedores, por sua vez, veem coisas que a razão não explica, que só enxergamos porque assistimos ao jogo através dos olhos do coração

Hoje, alguns minutos de partida foram suficientes para a turma da análise técnica entender que o Grêmio jogava diferente, com velocidade, agilidade e troca de passe; jogava de forma incisiva, pra frente, pressionando e chutando a gol. O quarteto Campaz, Jonatha Robert, Diego Souza e Ferreirinha encantava os críticos pela movimentação, pelos dribles, por um futebol alegre que contrastava com a pressão psicológica e a tensão que cada um dos nossos jogadores tem carregado desde que nos metemos nesse atoleiro da tabela de classificação.

Diego parecia ter reencontrado companheiros que andavam afastados da área. Coube a ele marcar o primeiro gol de pênalti. De rebote do pênalti. Porque na cobrança, preferiu o centro do gol e viu o goleiro adversário defender a bola parcialmente. Completou, então, de cabeça para as redes. O que, convenhamos, já sinalizava uma mudança de astral. Nesses tempos difíceis que vivenciamos, a possibilidade de a bola ir para outro destino, era gigantesca.

Tivemos, também, Lucas Silva que marcou o seu gol, ao chegar forte na área e receber livre a bola que havia sido traçada entre os marcadores por Campaz e passada com precisão por Ferreirinha. E fechamos a goleada com um chute impressionante de Jonatha Robert, lá de fora da área, em uma bola que, cheia de remelexo, encontrou as redes.

Como disse, se aos comentaristas cabe a análise fria e lógica, a nós torcedores é reservado o direito à paixão. Com ela aflorando no peito, trago aqui aquele que considero o personagem do jogo, o craque da bola, o merecedor do Motoradio – que deveria ser revivido apenas para premiá-lo uma vez na vida. Falo de Walter Kannemann, um monstro, que personifica a alma de nossa imortalidade a cada bola que disputa, a despeito das dores no quadril que o perseguem há algumas temporadas. Foi ele o autor dos dois lances que selaram a nossa sorte na partida desta noite e – por que não sonhar – podem escrever um novo fim para nossa história.

No primeiro lance, Kannemann impediu a investida adversária jogando-se de cabeça quase aos pés do atacante, sem temer pela vida. Caiu ao chão com a mão no rosto. E foi retribuído pela ousadia. A bola que tirou de peixinho chegou ao nosso ataque que só foi parado dentro da área com a sinalização do pênalti que abriu o placar. Da cobrança e do gol todos se lembrarão. Da festa dos nossos jogadores, também. A cena se repetirá nos programas de esporte, hoje e amanhã. Kannemann talvez sequer apareça nas imagens, mas o torcedor se viu representando mesmo foi na valentia de seu zagueiro. 

O segundo lance veio quase ao fim da partida, em uma escapadela do time adversário que encontrou nossa defesa desguarnecida – supostamente desguarnecida. Porque havia Kannemann para nos proteger. No momento em o atacante já havia encoberto Brenno e a bola parecia ter encontrado seu caminho em direção ao gol, Kannemann em um esforço descomunal esticou-se como pode, alcançou a bola com a canela e a despachou para longe, fazendo-a se chocar no travessão. 

Um desavisado nos dirá que foi um esforço desnecessário, pois o placar já estava resolvido. Ledo engano. Kannemann saltou naquela bola porque jamais se aceitou derrotado – e isso será essencial para nós que ainda sonhamos com a salvação. Em seu lance, acompanhando a raça e a determinação, havia a sorte, que fez a bola bater no travessão em vez de seguir o caminho do gol. Vítimas que temos sido do Inevitável da Silva – tema da Avalanche anterior -, isso não é pouca coisa, não. Kannemann foi gigante em um jogo em que nosso ataque brilhou. E nos deu o direito à ilusão.

Avalanche Tricolor: bons motivos para comemorar

Bragantino 1×0 Grêmio

Brasileiro – Bragança Paulista, SP

Geromel Foto de Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Voltar a perder e passar mais um fim de semana dormindo na zona de rebaixamento evidentemente não justifica o título que precede esta Avalanche. Mesmo que espremendo o olho como faz o míope que insiste em não usar óculos e forçando a vista para enxergar melhorar aqui e acolá, o resultado foi mais uma vez péssimo, além de vir acompanhado daquilo que costumo chamar de “sorte de perdedor” —- se é para dar uma coisa errada, fique tranquilo, é aquela coisa que vai errar.

Resignado com os fatos em campo e chuleando para que o destino nos reserve alguma surpresa em breve, confesso, não fui dormir de cabeça quente, como dizem por aí quando o time da gente tem pouco a nos oferecer. Antes mesmo de a noite de sábado se encerrar, já estava diante da televisão mais uma vez e torcendo pelos brasileiros na Olimpíada.

A festa começou nas braçadas rápidas de Bruno Fratus, e sua medalha de bronze nos 50 metros livre da natação. Que alegria, que sorriso, que vibração … e que beijo mais gostoso aquele que deu e recebeu da Michelle. Sem contar o tipo “sincerão” nas entrevistas, que se já incomodou, também já fez rir e nos fez sentir o quanto foi significativa a vitória na piscina.

A balada se estendeu pela madrugada —- na batida do funk carioca e do soul brasileiro —, sob a maestria do DJ do torneio de vôlei olímpico. E haja repertório para sonorizar uma partida sem fim com a que deu mais uma vitória ao time masculino do Brasil. Tão inacabável quanto incrível. Mesmo que a classificação já estivesse garantida, quem quer perder um só ponto desta seleção vitoriosa? 

Rebeca Andrade Crédito: Miriam Jeske/COB

Fez frio durante todo o fim de semana e quando acordei ali pelas 4 e meia da manhã, os termômetros marcavam qualquer coisa que beirasse o insuportável, aqui em São Paulo. Um café quente e a tela do computador sintonizada nos canais olímpicos rapidinho esquentaram o início deste domingo. Antes mesmo de o céu clarear, a festa da noite e madrugada estava de volta nas corridas, saltos e corrupios de Rebeca Andrade. Que menina é esse, heim !?! Com 22 anos ainda tem jeito de guria da escola e fala marcada pela humildade, mesmo diante do feito gigante que nos proporcionou ao conquistar a medalha de ouro, na final individual do salto.

Se já havia nos feito chorar prata, agora as lágrimas foram de ouro. Enquanto me debulhava diante do computador, ela abraçava e era abraçada pelo técnico e adversárias com a serenidade de quem tinha cumprido o ritual que lhe foi destinado nos esportes: treinar, sofrer, doer, correr, saltar, girar e aterrisar para a glória olímpica. Uma maturidade para competir que contrasta com seu ar infantil e bem distante da deste torcedor veterano e atleta frustrado de múltiplos esportes.

Ah, por falar em veterano. O restante do domingo, mesmo com o sono dos maldormidos, foi de curtir a alegria de saber que tenho amigos que ainda insistem em me manterem como amigo. Uma gente querida que durante todo o dia, por telefone, presentes, mensagens e redes sociais me enviou generosos e imerecidos parabéns por ter completado 58 anos de vida. Ao lado da família — apenas o núcleo mais duro da casa, porque somos adeptos ao não-aglomerar —-, comemorei a passagem do mais difícil de todos os anos de vida, seja por  motivos que você, caro e raro leitor deste blog, tem vivenciado, também, seja pelos demônios que seguem com assento cativo no cérebro de cada um de nós.

Sou muito grato por todos que me fortaleceram mais um pouco, neste fim de semana, em que encontrei muitos bons motivos para comemorar. Agradeço a Deus por este dia.

E, como dizem os repórter descuidados com os lugares-comuns, a festa não tem hora para acabar, porque amanhã, 5h45 da manhã, tem Baile Na Favela, em Tóquio.

Avalanche Tricolor: não vai deixar saudades

Bragantino 1×0 Grêmio

Brasileiro — Nabizão, Bragança Paulista/SP

Foto de Lucas Uebel/Grêmio FBPA

Cuspida e escarrada! A última rodada foi a cara do Campeonato Brasileiro, que, ao longo da temporada, desdenhou a gravidade da pandemia, teve jogos suspensos devido a “contaminação em rebanho” em alguns times, jogadores expostos a risco e traduzindo essa apreensão no campo com performance abaixo da esperada, estádios com arquibancadas vazias e com aglomeração de torcedor do lado de fora.

O Covidão-2020, apelido que meu amigo Juca Kfouri deu ao campeonato, terminou sem direito a gol do título. O campeão perdeu na partida final, marcando uma campanha claudicante o suficiente para superar em pontos ganhos todos os demais adversários. Quem poderia ser campeão em lugar do campeão, não foi capaz de vencer mesmo jogando em casa e contra um time que nada mais tinha a ganhar. Quase ganhou, mas o VAR impediu que a injustiça fosse concretizada, primeiro em um pênalti sinalizado pelo árbitro, que voltou atrás ao ser chamado para rever na televisão, ao lado do campo, e depois em dois gols marcados em posição de impedimento, que foram anulados com o certificado do VAR.

Quem diria, depois de uma competição em que faltou verificação do VAR, houve erros com o apoio do VAR e descobrimos que o VAR só funciona se estiver bem calibrado, foi o VAR quem salvou a lisura do resultado nos acréscimos do Campeonato. Nesse caso, justiça seja feita, o auxiliar sinalizou a irregularidade do gol e se não foi agredido — como ameaçaram alguns jogadores — deve agradecer ao VAR que ele, aos gritos, anunciava que seria consultado.

Sem gol do título, sem torcida, sem futebol qualificado e com Covid-19, o Campeonato Brasileiro terminou com o mesmo campeão da temporada anterior. Ou seja, enfrentamos toda essa maratona para entregar o título ao mesmo time. Pode isso, Juca?

E se estou aqui a falar de dois jogos que não tinham a presença do Grêmio, protagonista de sempre nesta Avalanche, é porque nada tenho a registrar do desempenho do meu time na rodada final da competição.

O Campeonato Brasileiro de 2020, que já vai tarde, não me deixará saudades.

Avalanche Tricolor: prazer, Diego Churín!

Grêmio 2×1 Bragantino

Brasileiro — Arena Grêmio

Churín estreia, foto de LUCAS UEBEL/GRÊMIO FBPA

 

O argentino Diego Churín não havia pisado em campo, aguardava o árbitro autorizar a substituição pouco depois dos 20 minutos do segundo  tempo e já chamava atenção do torcedor a quem seria apresentado na noite desta segunda-feira. Com 1,80 metro de altura e 80 quilos, tem porte físico avantajado, ombros largos, braços com musculatura acentuada —- parece ser forte o suficiente para brigar dentro da área com os zagueiros adversários e pronto para disputar posição no comando de ataque gremista.

Chegou a Arena com o bom retrospecto que construiu no Cerro Portenho, do Paraguai. Fez 53 gols em 128 partidas disputadas. Oito neste ano. Na sua passagem pelo último clube fez quase a metade de gols de toda sua carreira. Aos 30 anos, marcou 110 vezes em 324 partidas. 

Hoje não fez o seu, mas esteve presente nos dois gols do Grêmio. 

Assim que entrou em campo, se posicionou dentro da área para a cobrança de escanteio. Eram 22 minutos do segundo tempo, e o Grêmio mal havia chutado uma só bola no gol adversário. No cruzamento, disputou pelo alto com os zagueiros, não alcançou a bola mas esta sobrou para David Braz que colocou no fundo do poço.

No segundo gol, quatro minutos depois, Churín estava novamente disputando a bola na área, passou para Isaque que cortou para dentro e antes que completasse foi surpreendido pela chegada forte e precisa de Orejuela que estufou a rede. 

O argentino apareceu mais umas duas, três vezes lutando pela posse de bola. Em uma delas, voltou até a intermediária para desarmar o adversário e iniciar o ataque, em outras mostrou que  sua força física se impõe em campo. Mesmo sem marcar, deixou seu cartão de visitas e abre boas perspectivas para um ataque carente de gols.

Ao contrário de Churín, a vitória do Grêmio que nos coloca na parte de cima da tabela, mesmo  com uma partida a menos, e em condições de seguir brincando pelos primeiros lugares da competição, que somente agora chega a sua metade, não foi alcançada com uma performance que agradasse os olhos do torcedor. Neste momento, porém, o que mais precisamos é pontuar. E isso conseguimos fazer nos quatro últimos jogos disputados pelo Campeonato Brasileiro.