Empreendedorismo: cuidado com o empreendedor-pipoca

 

 

No Brasil, boa parte das pessoas que envereda pelo caminho do empreendedorismo, o faz por necessidade. Na falta de emprego ou dificuldade para juntar um pouco mais de dinheiro, sai em busca de opções, abre seu próprio negócio e fica na torcida para que tudo dê certo.

 

Claro que a possibilidade de sucesso em casos como esses é pequena, pois se não houver planejamento, estratégia, informação precisa e paciência, o empreendedor tende a encontrar mais problemas pela frente.

 

Com a crise atual e diante das promessas de resultados rápidos, algumas pessoas saem de um negócio para o outro sem pestanejar, podendo gerar ainda mais prejuízos a si mesmo e a seus parceiros.

 

No Papo de Professor, do Sebrae, falei sobre o empreendedor-pipoca, esta figura que está sempre correndo atrás de nova aventura na esperança de que um dia encontrará o negócio certo. É impaciente, ansioso e, muitas vezes, ganancioso. Tem um perfil de altíssimo risco. Muito cuidado!

 

Para saber minha opinião sobre o assunto assista ao vídeo acima.

 

Veja aqui outros vídeos sobre empreendedorismo.

Empreendedorismo: na crise, olhe para além do horizonte

 

 

Diante da crise econômica, qual o plano de negócios que podemos ter para os próximos anos?

 

Essa foi uma das muitas perguntas relacionadas a crise que o Brasil enfrenta que tive de responder no Papo de Professor, promovido pelo Sebrae.

 

Para começar a conversa, precisamos pensar que, mesmo diante dos problemas atuais, nós e os nossos negócios precisam ir à frente. Obrigatoriamente precisamos pensar além do horizonte. E buscar informações sobre o que pode acontecer com os diferentes mercados é fundamental.

 

No vídeo acima falo de algumas projeções feitas por consultorias especializadas que podem ajudar você a planejar seu futuro negócio.

 

Aqui você assiste a outros vídeo desta série sobre empreendedorismo.Aqui você assiste a outros vídeo desta série sobre empreendedorismo.

 

Empreendedorismo: micros têm mais agilidade e independência para driblar a crise

 

 

Falamos em vídeo anterior sobre a informalidade e os riscos que provoca no seu negócio. Uma das opções que tornaram a regularização da sua prestação de serviço acessível foi a criação da figura jurídica do microempreendedor individual, o MEI, que trouxe para dentro do sistema legal cerca de 6 milhões de pessoas, desde que foi criado há seis anos.

 

No Papo de Professor, promovido pelo Sebrae, conversei com os participantes sobre como incentivar o microempreendedor individual a encarar este momento de crise econômica no Brasil. A resposta você assiste no vídeo acima.

 

Aproveito para lembrar que ainda nesta semana, o Sebrae, abriu inscrições gratuitas, para quem pretende sair da informalidade e ter acesso a diversos benefícios, inclusive direitos trabalhistas. O curso à distância “MEI – Microempreendedor Individual” pode ajudá-lo nesta tarefa.

Empreendedorismo: desenvolva a consciência empreendedora nos estudantes

 

 

Nesta quarta-feira, tive oportunidade de entrevistar no Mundo Corporativo, Wilson Risolia, líder da Falconi Educação, que se dedica a desenvolver projetos de gestão em instituições de ensino, públicas e privadas. A conversa vai ao ar em breve, no Jornal da CBN, mas quem teve oportunidade de assistir ao vivo pela internet, seja no site da CBN ou na transmissão pelo Facebook, deve lembrar que uma das últimas questões foi relacionada ao currículo escolar.

 

Risolia, que foi secretário estadual de Educação no Rio de Janeiro por quatro anos, lembrou-me que um dos grandes desafios dos gestores de educação é incluir as 12 matérias obrigatórias em uma grade com apenas 4 horas de aula por dia, ou seja, 20 horas semanais. Por isso, sempre que alguém sugere impor algum novo tema aos alunos, devemos pensar como incluir o assunto sem sobrecarregar ainda mais a grade escolar.

 

A resposta de Risolia foi ao encontro do que eu havia falado durante o Papo de Professor, do projeto Pronatec Empreendedor, realizado pelo Sebrae. Em uma das perguntas que tive de responder, o tema proposto era a possibilidade de as escolas, com o apoio de instituições financeiras, privadas e públicas, inserirem a cultura empreendedora para que os alunos se transformassem em protagonistas de sua história.

 

Minha resposta completa você assiste no vídeo acima. Se quiser acompanhar outras questões tratadas no Papo de Professor, clique aqui.

Empreendedorismo: informalidade afasta parceiros e negócios

 

 

São mais de 10 milhões de desempregados, segundo a Pnad Contínua, pesquisa divulgada nessa quarta-feira, 19/04, pelo IBGE. Efeito de uma crise que atinge empresas, negócios e a sua família, direta ou indiretamente. Desses que tiveram suas carreiras interrompidas, muitos decidem partir para negócios próprios, abrem pequenos comércios, investem o dinheiro da indenização na compra de alguma franquia ou aproveitam para se unir a outro parceiro e tentam se reinventar em outras áreas.

 

As dificuldades burocráticas e o desconhecimento legal levam muitos à informalidade tornando sua situação ainda mais frágil.

 

Um dos temas propostos pelos participantes do Papo de Professor, projeto do Pronatec Empreendedor, foi como incentivar os novos empreendedores a atuarem dentro das regras do jogo, por mais que isto gere custos e dificulte a implantação de suas ideias. Minha resposta está no vídeo acima.

 

Assista a outros vídeos sobre empreendedorismo no meu canal no You Tube

Mundo Corporativo: Newton Campos fala dos mitos do empreendedorismo

 

 

O dono de um carrocinha de cachorro quente pode ser um empresário ao oferecer seu produto no ponto de venda, mas somente será empreendedor se inovar no seu negócio, seja na maneira de fazer a salsicha, de vender o cachorro quente ou de atender seus clientes. Essa é uma das formas encontradas pelo professor Newton Campos, da IE Business School, em Madri, e da Fundação Getulio Vargas, em São Paulo, para mostrar o que é essencial para que você realmente seja considerado um empreendedor, conceito que, segundo ele, vem sendo avaliado de forma distorcida nos últimos tempos. A intenção dele é combater os mitos que existem em torno do assunto e mostrar que “você não é empreendedor, você está empreendedor ao menos enquanto a inovação que você se dispôs a implementar estiver sendo percebida como inovação pelos demais”. Autor do livro “The Myth of the Idea and the Upsidedown Startup”, Campos foi entrevistado pelo jornalista Milton Jung, no Mundo Corporativo, da rádio CBN.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site cbn.com.br. O quadro é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN.

Os brasileiros que deram certo

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

pagueme1_Fotor_Collage

 

Henrique Dubugras, 19, corintiano, aos 12 anos, contrariado pela mãe que tinha negado a compra de um jogo eletrônico, resolveu criar um. Aos 17, cruzou na rede com Pedro Franceschi, 16 anos, (supostamente são-paulino), que aos 8 já programava. Detectaram um nicho de mercado e fundaram a “Pagar.me”, plataforma de pagamentos eletrônicos em 2012. Levantaram R$1 milhão com duas empresas investidoras, e operam a “Pagar.me” no azul desde dezembro, e preveem movimentar este ano R$500 milhões.

 

Mílton Jung, no CBN Young Professional, perguntou a eles sobre o método usado para o levantamento de capital. Disseram que foi graças a aposta pessoal dos investidores mais do que ao “Business Plan” apresentado. É fato, pois ambos certamente pertencem àquela classe de brasileiros acima da curva. A aprovação em Stanford, que iniciarão em 2016, é uma constatação evidente. (ouça o CBN Young Professional)

 

Alguns minutos depois, Luiz Barreto, presidente do SEBRAE, disse no Jornal da CBN que o Brasil alcançou no último censo sobre empreendedorismo a invejável marca de 34,5% de cidadãos empreendedores. Pesquisa que considerou a faixa etária entre 18 e 64 anos, cujo resultado é o melhor entre os BRICS, com a China em segundo lugar com 27% de empreendedores. É um número significativo também pela comparação com a posição anterior que era de 23%. (ouça a entrevista do Sebrae ao Jornal da CBN)

 

Crescimento positivo tanto pela expressiva margem como também pelo fator “formalização”, impulsionada pela reforma tributária realizada para as micros e pequenas empresas. Ressalte-se ainda que dos empreendedores nacionais 70% buscam negócios pelo desejo e 30% pela necessidade.

 

Se o caso da “Pagar.me” é de autores acima da média, os dados do SEBRAE podem ser corroborados pelo setor nacional de franquias. Considerando apenas os negócios formatados, temos a maior feira de franquias do mundo, 2.942 redes, 125.641 unidades, R$127 bilhões de faturamento, 1.096.859 empregos, e 94% de empresas brasileiras. Podemos afirmar que somos uma terra de empreendedores. Apesar de tudo.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Mílton Jung, às quartas-feiras.

Mundo Corporativo: Dr. Luiz Fernando Garcia fala do poder do cérebro

 

 

“Você pode ser uma pessoa com conduta empreendedora sem ser uma personalidade empreendedora. Às vezes, é até melhor porque a personalidade empreendedora é mais inquieta, a conduta empreendedora é capaz de ter mais pertinência e comprometimento com pequenas ações – então um dos segredos: a conduta empreendedora é passível de ser treinada em qualquer líder, liderado ou qualquer dono de negócio”. A afirmação é do psicoterapeuta Luiz Fernando Garcia, autor do livro “O cérebro de alta performance – como orientar o seu cérebro para resultados e aproveitar todo seu potencial de realização”(Editora Gente), entrevistado pelo programa Mundo Corporativo, da rádio CBN. Ao jornalista Mílton Jung, Garcia explica de que maneira a neurociência tem colaborado para criarmos profissionais mais produtivos e bem preparados. Ele dá exemplos práticos de como uma pessoa pode controlar melhor seu comportamento diante das tarefas a serem realizadas e decisões que precisam ser tomadas.

 

O Mundo Corporativo pode ser assistido, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site da rádio CBN. O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN, e tem a participação de Paulo Rodolfo, Carlos Mesquista e Ernesto Fosci.

Mundo Corporativo: Adriana Auriemo, da Nutty Bavarian, e o sabor de uma boa franquia

 

 

“Tem de saber lidar com pessoas, tem de saber motivar, tem que ser engajado com negócio; o franqueado tem de saber que ele, embora seja dono do negócio tem algumas regras para seguir”. O alerta é da empresária Adriana Auriemo, sócia-diretora da Nutty Bavarian, que produz e vende produtos como castanhas, amêndoas e macadâmias, em quiosques espalhados por mais de 100 pontos no Brasil. Na entrevista ao jornalista Mílton Jung, do programa Mundo Corporativo, da rádio CBN, Auriemo também conta como a marca se desenvolveu no país e as mudanças estratégicas que foram realizadas no negócio que começou, originalmente, nos Estados Unidos.

 

O Mundo Corporativo vai ao ar às quartas-feiras, 11 horas, no site CBN.com.br e os ouvintes-internautas podem participar pelo e-mail mundocorporativo@cbn.com.br e pelos Twitters @jornaldacbn e @miltonjung (#MundoCorpCBN). O programa é reproduzido aos sábados, no Jornal da CBN. Produzem o Jornal da CBN Paulo Rodolfo, Douglas Matos e Ernesto Foschi​

Mundo Corporativo: empresa ajuda a acelerar negócios digitais

 

 

“Uma ideia ruim com um time fantástico vai criar uma ótima empresa; uma ideia excelente com time medíocre não sai do chão; a gente costuma dizer mais importante que a ideia é a capacidade do time de executar, de levar a essa ideia para um próximo estágio”. A dica é de Pedro Waengertner, um dos fundadores da Aceleratech, empresa especializada em levar para o mercado novos empreendedores. Na entrevista ao programa Mundo Corporativo, ele traz dicas importantes para quem pretende investir em empreendedorismo no setor digital.

 

O Mundo Corporativo vai ao ar, ao vivo, às quartas-feiras, 11 horas, no site http://www.cbn.com.br com participação dos ouvintes no e-mail mundocorporativo@cbn.com.br e pelo Twitter @jornaldacbn. O programa é reproduzido aos sábado, no Jornal da CBN, da rádio CBN.