Fora da Área: confesso minha infidelidade na Copa

 

 

Desde que a Copa se iniciou tenho me transformado em um vira-casaca de carteirinha – no futebol, vira-casaca é como chamamos o torcedor que troca de clube, que torce um dia para um, outro dia para outro. Você, caro e raro leitor deste blog, sabe bem que de time não mudarei jamais. Serei gremista até a morte (apesar de que gremista é, por tradição, imortal, ou pensa ser). Já registrei neste blog, também, o quanto e por que torço para a seleção brasileira. Sendo assim, quando Grêmio e Brasil estiverem em campo, não tenha dúvida de que lado estarei. Agora, quando estamos diante de uma Copa do Mundo, onde 32 seleções se enfrentam, e você assiste a praticamente todos os jogos, o coração fica despedaçado. Claro que eu poderia apenas ver as partidas como um admirador do esporte, mas sou muito passional para não ser conquistado por uma ou outra seleção que esteja em campo.

 

Uso alguns critérios pouco confiáveis para decidir se comemoro um gol ou não. Por exemplo, por Jung que sou nada mais natural do que sempre estar ao lado da Alemanha. Posso debandar para a Itália em homenagem ao Ferretti que carrego no sobrenome. Uruguai e Argentina merecem minha admiração pela proximidade com o Rio Grande do Sul, onde nasci. Conheci os países do Cone Sul antes mesmo de viajar para qualquer estado brasileiro. Tem ainda os Estados Unidos onde nasceram e ainda moram três dos meus sobrinhos, ou a Inglaterra que o filho mais velho admira pela língua, ou a Coreia do Sul que o mais novo gosta devido aos costumes e ao videogame.

 

Agora mesmo estão jogando Alemanha e Estados Unidos enquanto na outra partida está Portugal e Gana. Seria bom ter os portugueses na próxima fase, pois gosto de craques como Cristiano Ronaldo, mas a seleção não ajuda muito. Os alemães tem vários deles e não precisaria da minha torcida, no entanto é admirável a forma como jogam e sei que lá em casa, em Porto Alegre, tem gente feliz. Ao mesmo tempo é louvável o esforço dos americanos em praticar o esporte e isto me entusiasma durante a partida em alguns momentos. Os ganeses, depois de todas as confusões, não mexem comigo. Nesse vai e vem de emoções, torço por um gol aqui, quem sabe a reação acolá. E, talvez, se o empate vier, por que não uma virada? Vibro com jogadores que lutam de forma destemida mesmo diante de todas as suas limitações, por isso esperei um gol do Equador contra a forte França, na penúltima rodada. Comemorei toda vez que Messi marcou, em especial no finzinho daquele jogo com o Irã, apesar de estar achando incrível o que os iranianos conquistavam até aquele momento frente a uma das seleções favoritas ao título. Aplaudi todos os gols de Inglaterra e Uruguai quando fui à Arena Corinthians.No fim, percebo que o que mais quero nesta torcida da Copa é assistir a jogos bastante disputados, bola rolando com qualidade e jogadores se expressando com raça. Torço para ser testemunha da história que alguns desses personagens incríveis estão escrevendo.

 

Chegamos à segunda fase da Copa e pela forma como foram definidos os confrontos para as oitavas de final, percebo que ainda vou exercitar muito a minha infidelidade de torcedor. Menos amanhã, porque amanhã é Brasil. E eu sou fiel torcedor do Brasil.

Nem os deuses do trânsito salvam

 

Por Milton Ferretti Jung

 

Sei que há quem se dá ao trabalho de ler o que escrevo no blog do Mílton. Não penso que sejam muitos esses abnegados.Tenho por eles (ou ele?),como não poderia deixar de ser,grande respeito. Por isso,afora outros cuidados,lembro que digito o texto nas terças-feiras,mas esse somente é postado nas quintas.Assim,sou obrigado,dependendo do assunto,a correr o risco de que ele fique defasado. Vou usar,no do dia 26,um subterfúgio. Isto é,morador que sou de Porto Alegre,só não sofro com o trânsito caótico dos dias de jogos da Copa do Mundo na Arena da Beira-Rio,porque fico acoitado – ou quase isso -em minha casa. Morador,que sou,da Zona Sul,sofro com a proibição de ir,pelas vias normais,ao Centro da cidade. Já as anormais,que aumentam o trajeto uma enormidade e não contribuem em nada com a velocidade do deslocamento,só podem ser utilizadas por quem tem necessidade de chegar,depois de gastar muito combustível e torrar a paciência,ao local de destino.

 

Nesta terça-feira,estou redigindo o meu texto e lendo na Zero Hora,jornal gaúcho,esta manchete: “PARA (TENTAR) EVITAR O CAOS NO TRÂNSITO”

 

Explica o matutino que,”depois dos congestionamentos no dia de Austrália x Holanda,a EPTC – Empresa Pública de Transportes – preparou ações para tentar aliviar a vida dos motoristas porto-alegrenses”. Afora essa providência,Prefeitura e Estado – leio na ZH – apenas para os seus servidores em Porto Alegre ,anunciou ponto facultativo. Tomo a liberdade de duvidar que essas e outras decisões tenham obtido o esperado efeito (ou seria o desesperado efeito)adotado pelas autoridades ditas competentes,visando a ter evitado,na quarta-feira,25/6,a repetição do caos. Tenho pena dos moradores de prédios,alguns luxuosos,situados nas proximidades do Beira-Rio:eles nunca imaginaram que bem à frente de suas residências,o que era um estádio clubista, viraria Arena.Lembro isso porque,nos dias de jogos da Copa, os proprietários de apartamentos,no local, têm de mostrar documento oficial comprovando que residem na área com entrada restrita. Oxalá,me engane,mas creio que somente os deuses do trânsito podem ter evitado um novo caos na Zona Sul de Porto Alegre,suas adjacências e as supostas vias de mobilidade para quem tem urgência de ir ao Centro Histórico desta cidade.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Às quintas-feiras, publica seu texto no Blog do Mílton Jung (o filho dele). Desta vez, porém, dado o tema escrito, o editor (seu filho) antecipou a publicação em um dia e, pelo descrito na imprensa gaúcha, a expectativa de que haveria grande congestionamento nesta quarta-feira, antes do jogo da Argentina, estava correta.

A Copa na Moda

 

 

Por Carlos Magno Gibrail

 

A indústria da roupa esportiva, como que antevendo o bom nível de futebol da COPA 14, desenvolveu vestuário condizente com a qualidade do futebol apresentado. Um exercício de inovação de produto. Roupas funcionais, elegantes, tecnológicas e dentro das tendências atuais da moda.

 

A Nike, que veste a seleção brasileira, pesquisou o corpo de cada jogador para identificar as áreas de maior tensão e esforço. Desenvolveu então matéria prima que reforçasse essas regiões e pudesse fornecer maior elasticidade e consistência. O peito e os ombros foram beneficiados. A Nike é a marca com maior presença na COPA, fornecendo uniformes para as seleções dos Estados Unidos, Inglaterra, França, Holanda, Portugal, Grécia, Croácia, Coréia do Sul e Austrália.

 

A Puma marca esportiva pioneira na preocupação com a moda, e que patrocina as seleções da Itália, Suíça, Uruguai, Chile, Camarões, Costa do Marfim, Gana e Argélia, criou um tecido cuja tecnologia faz micro massagens no corpo do atleta, além de apresentar um look atlético e de moda. A peça mais justa traz o beneficio adicional de dificultar o cada vez mais tradicional recurso do puxão na camisa.
A Adidas, que é responsável pelas roupas da Espanha, Alemanha, México, Colômbia, Rússia e Japão, desenvolveu o mais leve de todos os tecidos até então criados por ela.

 

Para o futebol, e para a indústria do vestuário esportivo, este é definitivamente um legado da COPA 14. Incontestável, ao que tudo indica, pois os jogadores tem se manifestado com satisfação às novidades apresentadas. E pelo que temos visto em relação a outros componentes, como cabelos, tatuagens e demais adereços, a moda é elemento de destaque neste show de bilhões. De pessoas e de dólares.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos. Escreve no Blog do Milton Jung, às quartas-feiras.

Fora da Área: classificado, sem ilusão e com Neymar

 

 

No Tribunal Militar, o funcionário negociou compensar no restante da semana as horas não trabalhadas nesta segunda-feira porque o carro dele estava impedido de circular durante todo o dia, em São Paulo. A enfermeira informou por e-mail que havia combinado com um paciente e assistiria ao jogo no quarto em que ele está hospitalizado. Alguns escritórios replanejaram as atividades, diminuíram o expediente ou liberaram os funcionários em horário escalonado. Houve quem arriscasse o transporte público, de ônibus ao trem, mesmo sem saber se conseguiria ser bem atendido no retorno para casa. Os torcedores brasileiros driblaram as dificuldades de mobilidade, bloqueios de ruas e avenidas e a insensibilidade de administradores para chegar a tempo de assistir ao jogo do Brasil. Cada um fez o que pode do lado de fora do campo, enquanto lá dentro nossos jogadores tentavam retribuir com um futebol mais bem jogado do que nas duas partidas iniciais desta Copa. Tanto quanto as medidas adotadas nas cidades diminuíram os congestionamentos, em relação ao jogo anterior, as estratégias de Luis Felipe Scolari levaram a seleção à vitória contra Camarões. Nos dois casos, nada foi definitivo. Muitos problemas seguem nas cidades, da mesma forma que na nossa equipe, mas nesta, ao menos, temos Neymar, que faz toda a diferença. O camisa 10 brasileiro driblou, provocou, brilhou e marcou dois gols.

 

Como as soluções para nosso cotidiano são mais complexas, passo a escrever apenas do futebol. Felipão esbravejou ao lado do gramado, gesticulou para reposicionar seu time, percebeu erro na movimentação dentro da área que nos levou a tomar o gol de empate e a dificuldade para a bola passar de pé em pé e migrar da defesa para o ataque. Mesmo terminando o primeiro tempo com vantagem – pois se nada dava muito certo, tínhamos Neymar -, o treinador entendeu que estava na hora de mudar a equipe e trocou Paulinho por Fernandinho. Se aquele fez um jogo no diminutivo, esse foi grande, defendeu, chegou à frente, trocou passe e, de bico, marcou o seu gol, resultado de uma triangulação muito legal de ver entre ele, Oscar e Fred. Aliás, Fred foi mais uma boa notícia no segundo tempo. Fez, de bigode, o primeiro gol na Copa e ainda participou de lances importantes. No fim das contas, saímos do Mané Garrincha líderes do grupo, com uma goleada e com o goleador do Mundial. (Neymar, claro).

 

O Brasil se classificou às oitavas de final para enfrentar o Chile, no próximo sábado, no Mineirão, em Belo Horizonte. Precisará melhorar ainda mais para superar o adversário sul-americano, mesmo que as estatísticas estejam a nosso favor. Sabe que tem dificuldades nas alas, na marcação dos volantes e na articulação no meio de campo. Conhece seus limites e está buscando soluções, como a entrada de Fernandinho que deve ter conquistado a vaga de titular. Avança no Mundial, sem nenhuma ilusão e com Neymar. E isso faz uma baita diferença.

Fora da Área: Felipão joga com as palavras para motivar o Brasil

 

 

A coisa está do jeito que o diabo gosta. Sob pressão, necessitando do resultado a qualquer custo e sem espaço para favoritismo, Luis Felipe Scolari sabe como poucos motivar sua equipe, unir o grupo e tirar 110% de cada um de seus jogadores. Foi Renê Simões, que já treinou algumas equipes no Brasil e a seleção feminina, quem me chamou atenção, em entrevista ao Jornal da CBN: Felipão sabe bem atuar neste cenário. E nós que já torcemos pelos times treinados por ele sabemos mais ainda. Por tudo isso, arrisco dizer que o empate contra o México, semana passada, talvez tenha sido o ponto de partida para o Hexa, que muitos começaram a duvidar após as duas apresentações claudicantes do Brasil, pelo grupo A e, especialmente, pelos primeiros resultados de seleções como Alemanha, França e Holanda. O resultado colocou as coisas nos seus devidos lugares. Desde o título na Copa das Confederações havia um otimismo exagerado em torno da nossa seleção que vale muito mais pelo seu conjunto do que pela excelência individual, exceção a Neymar, único com capacidade de colocar a bola embaixo do braço (ou do pé) e desequilibrar sozinho a partida. O Brasil chegou com uma mão na taça, acreditavam muitos. Um tremendo risco de sairmos com as mãos vazias.

 

Desde o empate, Scolari tem comprado briga nas entrevistas coletivas. Criticou, em tom de ironia, logo após o jogo, de que estava proibido marcar pênalti a favor do Brasil. Nesse domingo, na última fala aos jornalistas antes de a partida decisiva com Camarões, Felipão disse que o técnico Louis van Gall é burro ou mal-intencionado. Foi seu contra-ataque após ouvir o holandês reclamar que o Brasil poderá escolher o adversário na próxima fase pois jogará depois de Holanda e Chile, que decidem primeiro e segundo lugares no grupo B, da Copa. Disse, repetiu e completou: “bem que o Rivaldo havia avisado”. Ou seja, não disse mas deu a entender: o mal de van Gall não é a inteligência, é o caráter. Além de conhecer muito de futebol, Scolari sabe que as palavras, em público e em grupo, são importantes. Podem influenciar o juiz, o adversário e a torcida. Principalmente, podem motivar os jogadores. Ronaldo, o Fenômeno, confidenciou a amigos que nenhum técnico em sua carreira fazia preleção de tanta qualidade e motivação quanto Scolari. Depois de ouvi-lo no vestiário, disse o atacante, os jogadores sobem para o gramado dispostos a matar ou morrer.

 

Nesta segunda-feira, Luis Felipe Scolari, além de repassar a estratégia tática e o posicionamento em campo, usará todos os artifícios para mobilizar novamente seus jogadores na busca pela classificação. Falará das críticas que o time tem recebido, da desconfiança que começa a gerar, da provocação dos adversários, de que todos querem tirar o Brasil da Copa e tudo mais que ele encontrar como motivo para mexer com os brios de nossos atletas. Vai escalar a mesma equipe que começou a Copa, informam os repórteres que acompanharam o último treino. Sua intenção é clara: sinalizar o quanto confia em cada um deles. Aposta que com confiança os volantes terão melhor desempenho, os alas chegarão mais na linha de fundo, o meio de campo articulará a bola com mais qualidade e nossos atacantes, especialmente Fred, deixarão sua marca. Com confiança e futebol, duas coisas que Felipão entende muito.

Fora da Área: quem diria, o Itaquerão virou Arena na Copa

 

 

Vestido para a Copa, a Arena Corinthians deixa de ser Itaquerão. É a primeira impressão que se tem com a proximidade do estádio que foi desenhado com arquitetura diferente da que estamos acostumados. Os velhos campos de futebol e as novas arenas têm, em sua maioria, linhas arredondadas com arquibancadas, cadeiras e camarotes sobrepostos em várias circunferências. À distância, desde o estacionamento onde o ônibus fretado nos deixou, a arena, que visito no dia em que Uruguai e Inglaterra se enfrentaram pela segunda rodada do grupo D do Mundial, lembra um ginásio poliesportivo muito grande. Há os que brincam dizendo que se parece com uma impressora caseira. A medida que nos aproximamos, entendemos melhor a estrutura entregue poucas semanas antes do início do Mundial e que causou tanta polêmica seja pela necessidade, seja pelo custo, seja pelas mortes (aliás, não encontrei nenhuma referência a estes que perderam a vida durante a obra). O material usado é de primeira linha e o telão na área externa, que dá as boas-vindas aos torcedores se destaca pela tecnologia. Os métodos e processos implantados são marcas da construção que quase não percebemos mas que que se tornam fundamentais para oferecer qualidade e modernidade ao ambiente. Já ouvi falar do ar condicionado que deixa a grama na temperatura ideal e a manterá em condições para não se errar um só passe – como brincou há algum tempo o ex-atacante Ronaldo. Disseram-me, ainda, que os vestiários são excepcionais com área suficiente para pequeno campo de treinamento, o que dará mais conforto e eficiência ao aquecimento pré-jogo.

 

Sob a direção da Fifa, impressiona mesmo a quantidade de funcionários e voluntários e a forma como se esforçam para melhor atender ao público. Talvez por ter cara de gringo ou devido ao vermelho britânico do casaco que vesti para enfrentar o frio da quinta-feira passada, em São Paulo, muitos arriscaram palavras em inglês enquanto outros preferiram a mímica em lugar do diálogo. Todos, porém, eram bastante solícitos e se não eram capazes de dar uma resposta logo procuravam alguém que resolveria a dúvida do visitante. Mesmo aqueles com cara de segurança sabiam ser simpático e talvez por isso são chamados internacionalmente de “steward” palavra que em inglês pode ser traduzida também como mordomo, o que de certa maneira mostra mudança de conceito em relação aos brutamontes de terno e gravata pretas que geram medo em lugar de respeito na maioria dos eventos. O sorriso no rosto não é suficiente, porém, para fazer as filas do banheiro e dos bares andarem mais rápido do que os ponteiros do meu relógio que mostravam faltar mais de 30 minutos para entrada das seleções no gramado quando encarei a primeira delas. Banheiro em estádio é quase tudo igual diante do comportamento dos torcedores mais entusiasmados que gritam, riem e dizem bobagens típicas de homens em bando. O da Arena Corinthians ao menos é bonito e, aparentemente, limpo. Espero que resista assim quando ocupado apenas pelas nossas torcidas. As atendentes da lanchonete, assim como a maioria dos funcionários, oferecem simpatia na falta da maioria dos produtos que aparece na tabela de preços. Cerveja, refrigerante e água têm de sobra. Tudo feito e tudo servido, nesta ordem, volto para minha cadeira já com a bola rolando. Entrada das seleções, hinos entoados e apito inicial ficam para a próxima.

 

Assistir ao jogo em estádios construídos com a concepção de arena é um privilégio que havia tido há quatro anos quando fui ao Green Point, na Cidade do Cabo, uma das cidades-sede da Copa do Mundo na África do Sul. A sensação foi muito parecida pois a arquitetura coloca o torcedor próximo do campo, independentemente do lugar que você sentar. “É imagem Full-HD”, brincou meu companheiro de torcida. Bem verdade que as arquibancadas provisórias, que serão retiradas assim que a Copa se encerrar, além de quebrar a harmonia visual, não parecem oferecer o mesmo conforto dos demais espaços. Ficaram muito altas, distantes e sem cobertura. Devia fazer frio demais lá em cima, porque próximo do gramado a temperatura já era suficientemente baixa. Os dois telões são muito úteis e consultados a qualquer lance pelos torcedores. É uma pena que para restringir a pressão sobre o árbitro os momentos mais polêmicos são censurados pela Fifa, diferentemente do que acontece na televisão. Já a imagem revelando os torcedores faz a festa de todos os presentes. Outro destaque na Arena da Copa é a mistura de brasileiros, uruguaios e ingleses que nos dá a ideia de civilidade, sempre ausente nos jogos locais. Havia setores dominados pelos azuis e dominados pelos vermelhos, mas o colorido das arquibancadas sinaliza que a convivência é possível na Copa. Temo que isto jamais se repita após o Mundial. A experiência se completou pelo acesso que tive ao centro de imprensa e ao salão das entrevistas coletivas, no qual desfilei por escadas e portas largas com piso de mármore. A acessibilidade me chamou atenção e a facilidade com que os torcedores entram e saem das arquibancadas, também. O estádio se esvazia rapidamente e com segurança. Demorado é o caminho de volta para casa, devido a enorme distância de Itaquera ao centro de São Paulo, sem falar de outros bairros nas zonas Sul e Oeste da capital paulista.

 

Assim que a Copa passar, o Corinthians retoma o local e boa parte da estrutura de atendimento será desfeita, tanto quanto as arquibancadas provisórias. Muitas obras precisarão ser concluídas, dentro e fora da Arena. Agora, com certeza, seus torcedores assistirão aos jogos com muito mais conforto e precisão e terão bons motivos para se orgulhar. Espero que as torcidas organizadas e o nosso futebol desorganizado não desperdicem esta oportunidade e permitam que o Itaquerão continue sendo a Arena Corinthians (ou a Arena de São Paulo, como batizou a Fifa).

Fora da Área: empate do Brasil é resultado do lugar comum

 

 

É jogo de Copa do Mundo.
São onze para cada lado.
Contra o México é sempre difícil.
Todo mundo quer jogar contra o Brasil.
Temos que respeitar o adversário.

 

Jogadores de futebol costumam ser bem mais criativos com a bola no pé do que com as palavras, por isso não me surpreende o desfile de lugar-comum nas declarações ao fim do jogo, como nesta terça-feira, em Fortaleza. Em raras oportunidades encontramos afirmações relevantes ou explicativas, quando muito tiramos algumas “aspas” para escrever a reportagem ou destacar em manchete (tirar aspas, no jornalismo, é reproduzir a frase ou expressão usada pelo entrevistado). Portanto, não me surpreenderam as entrevistas que assisti na televisão com jogadores brasileiros ainda ofegantes e suados, minutos após o empate em zero a zero com o México.

 

Esperava mais deles dentro de campo. Lá, sim, me parece, faltou criatividade para driblar o forte bloqueio mexicano e encontrar espaços que nos permitissem chegar ao gol da vitória. Às vezes, havia dois, três e até quatro jogadores marcando nossos principais talentos, em especial Neymar. Mesmo assim, o camisa 10, com seu topete esbranquiçado, foi responsável por dois dos principais lances de gol que tivemos nos 90 minutos. Na primeiro deles, surpreendeu-nos com um salto que o agigantou diante dos zagueiros mexicanos. A cabeçada foi bonita, a bola – apenas para usar um lugar comum dos locutores de futebol – tinha endereço certo, mas aí apareceu aquele camisa 13 deles para impedir o gol. Ochoa com sua cara de guri novo se esticou todo e conseguiu espalmar para fora. Fez naquele momento, fez depois com Paulinho, fez ainda com Tiago Silva, quando já havia feito, pouco antes e outra vez, com Neymar. Foram quatro defesas incríveis. Nem dava pra reclamar, afinal se os goleiros tem alguma função no futebol esta é a de estraga-prazer. E Ochoa a exerceu muito bem. Roubou o prazer de milhares de torcedores no Estádio do Castelão, em Fortaleza, e de milhões de brasileiros que esperávamos por mais uma vitória na Copa.

 

Há quem tenha ficado muito incomodado com o empate e a falta de solução para superar o adversário, contra quem, aliás, não temos tido muita sorte nas últimas décadas. A sensação se justifica pois estamos muito mal acostumados. Para nós é mais comum assistir ao Brasil vencer. Desde a Espanha’82, por exemplo, vínhamos ganhado as duas primeiras partidas do Mundial. Lá se vão 32 anos. Além disso, Luis Felipe Scolari havia vencido todos os jogos em que comandou a seleção em Copas da Confederação e do Mundo (a propósito, ainda não perdeu nenhum.) Seja com for, eu considerei o resultado de hoje a coisa mais comum do mundo, já que estávamos diante de uma seleção complicada de se passar, o empate nos deixa na liderança do grupo e muito próximo da classificação à próxima etapa. Além disso, prefiro identificar fragilidades agora, quando podemos nos dar ao luxo de sair de campo sem vitória, do que sermos surpreendidos nas etapas eliminatórias quando nos restará apenas chorar em caso de derrota.

Fora da Área: nona Helena veste a camisa porque hoje tem Brasil na Copa

 

Hoje tem Brasil na Copa. E lá vai a Nona Helena para o guarda-roupa tirar a camisa da seleção, guardada com carinho na gaveta a espera da partida seguinte. O uniforme é obrigatório para jogos do Brasil desde que se conhece por torcedora. Este ano, como a Copa é por aqui, caprichou na indumentária e, na loja perto de casa, comprou a corneta e a peruca verde e amarela. Aos 88 anos, espera pela seleção brasileira com a ansiedade de criança e não se cansa de se emocionar com o hino nacional. Provavelmente, legado dos tempos de aluna em que se perfilar no pátio da escola, antes da aula começar, era obrigação transformada em prazer. Sentada no sofá diante da televisão, porque ninguém é de ferro, põe a mão sobre o peito, acompanha a torcida reunida no estádio e não perde o ritmo quando levada a cantar à capela. Há quem jure que os olhos se enchem de lágrimas já nos primeiros acordes. Os netos acham divertido, os filhos tem orgulho e a Nona faz questão de espalhar na família que é apaixonada por jogo de Copa: “não perca um sequer!”. Quem vai jogar no lugar de Hulk, se é que Hulk não vai jorgar, ainda não sei, mas que ela vai estar a espera da seleção, não tenho dúvida.

 

A Copa tem dessas coisas. Provoca as mais estranhas reações em seus torcedores. E você deve ter visto muitas delas nas arquibancadas apesar de estar completando somente agora a primeira rodada de jogos. Existem torcedores enlouquecidos que vestem fantasias bem mais apropriadas a baile de Carnaval. Tem torcedores alucinados que saltam e cantam, e cantam e gritam, e continuam saltando, independentemente do que esteja acontecendo em campo. Tem os sofredores que fazem careta, roem unhas, esbravejam e choram o revés. Tem os críticos que parecem saber bem mais do que o técnico, gesticulam e orientam suas seleções mesmo que ninguém os ouça no gramado. Tem o torcedor do telão, que passa os 90 minutos pedindo para ser flagrado pelas câmeras de TV. Tem os religiosos, que agradecem aos céus cada graça alcançada nem que esta seja a desgraça do adversário.

 

Eu sofro muito mais quando o Grêmio está em campo do que a nossa seleção, o que não me tira a pressão. Ainda mais que, como já contei algumas vezes, torço por aqueles que admiro e o Brasil comandado por Luis Felipe Scolari merece minha admiração. Não vou vestir a camisa, encaixar a peruca ou cantar o hino (os ouvidos da família agradecem), mas esfragarei as mãos, massagearei as bochechas e pentearei o cabelo para trás com a ponta dos dedos quantas vezes forem necessárias. Ou até a seleção me convencer de que a vitória está garantida, o que costuma acontencer lá pelos 45 do segunto tempo.

 

Eu, assim como a Nona Helena, que não é minha nona mas a peguei emprestada para este texto, também sou apaixonado por jogo de Copa. E você? Vai torcer como? Porque hoje tem Brasil na Copa.

Fora da Área: a bola rola solta no centro de São Paulo

 

 

Eram apenas três garotos e uma bola, supervisionados pela bandeira do Brasil estendida na fachada do prédio que abriga a Secretaria Estadual de Justiça de São Paulo. O campo era de asfalto e delimitado pelo meio fio nas laterais e os carros estacionados fazendo às vezes de linha de fundo. Não havia goleiras demarcadas nem torcida organizada, menos ainda árbitro para impedir qualquer jogada violenta. Nem tinha necessidade para tanto rigor, já que o futebol jogado por eles não tinha adversário. Todos faziam parte do mesmo time, sem camisa ou patrocinador, e movidos por um só objetivo: a diversão. Flagrei essa cena ao lado do Pateo do Collegio, onde São Paulo foi fundada, no centro da cidade, que, nesse sábado à tarde, estava tomado de passantes e turistas – nenhum deles, porém, parecia interessado pelo acontecimento naquela praça, mesmo que o futebol fosse o motivo de muitos deles estarem por aqui. Ao contrário da maioria, fui logo conquistado pela espontaneidade dos gestos, as embaixadinhas desajeitadas e os gritos de gol. Parei, assisti ao jogo por alguns minutos, fotografei e fui embora. Não tinha o direito de estragar a naturalidade dos movimentos daqueles craques em formação.

 

É difícil encontrar garotos brincando de bola nas ruas da cidade, as calçadas quase não têm espaço e o meio da rua é arriscado. Nossos filhos saem pouco, os que gostam do futebol descem na quadra do prédio e os sem-prédio têm a opção dos campos dos clubes e escolinhas. Têm de marcar hora na portaria e adaptarem-se as burocracias locais. Nada tão natural como na época em que o dono da bola chamava a turma aos berros, atravessávamos para o outro lado da Saldanha Marinho, em Porto Alegre, e transformávamos o portão de grade do açougue do Seu Ernesto em goleira. O jogo rolava solto e somente se encerrava quando ao escurecer os pais davam o apito final. Às vezes, a partida era interrompida pelo próprio açougueiro que, avisado por vizinhos mal-humorados, saia da casa dele, há algumas quadras dali, e corria a tempo de salvar seu portão dos nossos chutões. Costumava ser tarde, os gols assinalados já haviam marcas eternas na grade.

 

Dentre tantas outras sensações, a Copa do Mundo nos faz crescer os instintos mais naturais do futebol, o desejo de tomarmos novamente as calçadas e jogarmos com as regras que nós mesmos determinamos, sem a interferência dos cartolas, a autoridade do juiz ou a ganância dos agentes. A alegria daqueles três meninos que tomaram o espaço público para si e o transformaram na sua Arena pode ser um dos muitos legados deste Mundial.

 

Vai lá, pega a bola escondida embaixo da cama e vamos às ruas!

Fora da Área: Brasil com amendoim, pipoca e sofrimento

 

Brasil 3 x 1 Croácia
Copa do Mundo – Arena Corinthians(SP)

 

 

Jogo do Brasil aqui em casa tem amendoim, pipoca, bolo doce e salgado. Tem vinho e guaraná, também. Tem família reunida, cunhado na poltrona, cunhada e sobrinha atiradas no sofá, filhos ao pé da TV e mulher para cá e para lá. Como parte da família é italiana, a torcida tem sotaques diferentes e divertidos. Menos mal que as vozes fazem coro. Só silenciaram para ouvir o hino nacional e compartilhar a emoção que estava no rosto dos jogadores brasileiros desde que se preparavam para entrar na Arena Corinthians. Desconfio até que os olhos mareados atrapalharam nossos craques naquele início de partida, impediram de ver a escapada do Croata pela esquerda, a bola que cruzou toda a área até bater nas pernas de Marcelo e o gol adversário. O primeiro gol da Copa do Brasil. Apesar de marcado por um brasileiro, contra.

 

Se jogo do Brasil tem amendoim, pipoca, bolo doce e salgado aqui em casa, tem de ter sofrimento, também. Foi sofrido sair perdendo, tanto quanto ver que a bola brasileira não rolava com precisão. Rolava truncada, mascada, às vezes desrespeitada. Ao menos estava rolando mais nos nossos pés do que no dos croatas, mas quando eles a dominavam o medo de mais um lance fortuito se transformar em gol soava à tragédia. O cunhado italiano parecia me consolar ao prever o empate, a virada e a vitória, o que não me impediu de ouvir perguntas difíceis de responder: por que o Brasil não joga bem? Por que não chuta a gol? Por que Fred não aparece? E o Paulinho, cadê? Por quê? Nem posso reclamar, pois teve gente graúda que ouviu coisa bem pior da torcida. Mas isto é outro assunto. O meu é o futebol. E a resposta veio depois do jogo, na voz do cabeludo David Luiz: temos de saber sofrer. Nisso somos especialistas, David. Em campo e fora dele.

 

Se jogo do Brasil tem de ter sofrimento, desta vez tinha Oscar jogando muito e Neymar decidindo, também. Nem que para isso tivesse de se aproveitar de uma daquelas bolas mascadas, que eu tanto reclamava, ou de um juiz ludibriado. Aliás, pobre Senhor Yuichi Nishimura, assim como aquela outra autoridade, ouviu coisas que eu não me atrevo a escrever por aqui. Os croatas até tinham razão de reclamar, no lugar deles eu não faria diferente. Mas ninguém havia contado para eles que a preferência de Fred é jogar deitado no gramado?

 

Bola para o alto porque semana que vem tem o México pela frente. E aqui em casa terá mais um punhado de amendoim, pipoca, bolo doce e salgado. Sofrimento, Oscar e Neymar, também.