História do ônibus: Bilhete único e integração

 

Da década de 90 aos anos 2000, o sistema de ônibus funcionou com mais tecnologia, mas antigos problemas permaneceram com a superlotação e o atraso nas viagens. O bilhete único e o uso de combustível mais limpo foram avanços importantes no período, como você verá na quinta reportagem da série.

EM 1991, sistema foi municipalizado

Por Adamo Bazani

Em 1993, a Companhia Municipal de Transporte Coletivo não operava mais o sistema na cidade de São Paulo.

Empresas particulares e consórcios começaram a operar no lugar dos 2.700 ônibus da CMTC. Muitos eram da própria companhia, outros eram novos. Parte da frota que não foi usada pelas empresas ficaram estacionados em garagens e pátios. Muitos ainda hoje apodrecem ao ar livre quando poderiam ter sido leiloados para operar em outras cidades quanto ainda tinham condições de rodar.

Para se ter ideia de como a CMTC havia se transformado em ‘cabide de emprego’, quando foi privatizada tinha 27 mil funcionários. Com a entrada dos empresários, o sistema de gerenciamento caiu para 1.200 empregados.

Isso não significa que empresa pública de transportes é algo que não dá certo. A Carris de Porto Alegre, empresa municipal mais antiga do País, em operação desde o século XIX, presta serviços sem problemas. Se não fosse a CMTC, mesmo com as dificuldades ainda existentes no setor, a cidade estaria bem aquém do atual patamar. Isso porque, como empresa pública, a CMTC fez investimentos no sistema que as empresas particulares não queriam, não teriam condições nem obrigação de fazer.

Investimentos e pioneirismo custaram muito à CMTC, mas são unânimes os especialistas em transporte público ao dizerem que não foram estes os fatores que sucatearam a companhia. O erro estava na maneira pela qual foi administrada e abusada por diversas figuras públicas ao longo de sua história.

FOTO 9 - Protesto contra a privatização da CMTCUm ano após as mudanças, a CMTC era apenas gerenciadora do sistema de transporte e havia 47 empresas de ônibus transportando passageiros. Em 8 de março de 1994, a companhia foi rebatizada SPTrans – São Paulo Transportes – e novo enxugamento de pessoal ocorreu.

Os anos 1990 também tiveram avanços. Em fevereiro de 1991 entrou em operação o Corredor Vila Nova Cachoeirinha com a implantação de ideias que faziam parte de estudos mais antigos da Secretaria dos Transportes e da CMTC. Por exemplo, a viabilização de corredores em canteiros centrais, e embarques e desembarques pelos dois lados do ônibus, que ganhou portas na esquerda. Isto ofereceu mais agilidade para entrada e saída de passageiros e maior flexibilidade ao corredor – se o lado direito da via apresentasse dificuldades para a instalação do corredor, tudo bem, os ônibus operavam do lado esquerdo.

Em junho de 1991, se iniciou a operação com ônibus a gás natural e, no mesmo mês, para conter a evasão de receitas, os embarques começaram a ser feitos pela porta dianteira. A primeira linha a contar com a novidade foi a 805 A – Circular Avenidas.

Em 11 de setembro foi inaugurada a primeira linha de micro-ônibus de São Paulo. O serviço era diferenciado, os passageiros não poderiam viajar em pé e a tarifa era mais alta (15 cruzeiros na época). Os micros que faziam o itinerário circular pela região central eram movidos a álcool.

Em 1998, começou a cobrança automática de tarifas, com validadores eletrônicos dentro dos ônibus. No mesmo ano, também iniciou-se o Projeto VLP – Veículos Leves Sobre Pneus – , o Fura Fila, promessa da campanha eleitoral do prefeito Celso Pitta que até hoje não está concluído.

A facilidade do pagamento de passagens e a necessidade de integração foram marcas dos anos 2.000. Os estudos do Bilhete Único se iniciaram em 2001. O sistema permite até quatro viagens de ônibus pelo preço de uma passagem, em um período de três horas. Por uma tarifa um pouco maior é possível a integração com o metrô e trens da CPTM. Os primeiros testes foram feitos com o Bilhete Único do Idoso e a implantação compleeta em 2004.

Foi também em 2004 que houve a construção de quatro corredores de ônibus com faixas exclusivas à esquerda: Jardim Ângela-Guarapiranga-Santo Amaro; Capelinha-Ibirapuera-Santa Cruz; Parelheiros-Rio Bonito- Santo Amaro; e Campo Limpo-Rebouças- Centro. Cinco novos terminais também foram entregues: Grajaú, Guarapiranga, Jardim Britânia, Parelheiros e Varginha.

(Amanhã, as tendências para o transporte de passageiros são o tema do último artigo desta série)


Adamo Bazani é repórter da CBN e busólogo. Desde segunda-feira, escreve uma série de reportagens sobre a história dos ônibus em São Paulo, em homenagem aos 456 anos da capital paulista

2 comentários sobre “História do ônibus: Bilhete único e integração

  1. Resgate da memória do transporte público de São Paulo
    Não é preciso dizer que Adamo Bazani, traz uma importante contribuição a história dos ônibus de São Paulo.Quanto a CMTC é importante ressaltar a importância desta verdadeira lenda que por quase 50 anos transportou milhares de paulistanos e que por falta de competência terminou de forma deprimente,do contrário seria uma empresa tão boa como a Carris de Porto Alegre.
    Continue seu trabalho em defesa da memória do ônibus!
    Parabéns!!! Abraços,Waldemar Freitas Jr.

  2. Olá, antes de tudo quero parabeniza-lo pois também sou um velho busólogo.
    Meu nome é Raul Antonio Hedeke, sou de Curitiba onde participai de todas as implantacaoes da RIT, rede Integrada de Transporte entre 1980 e 1983. Depois fui trabalhar em Aracucaria, municipio vizinho onde “sem querer”, pois nao imaginava que teria tanto exito acabei implantando um sisteminha local que o denominamos TRIAR. Transporte Integrado de Araucaria, o que me valeu trabalhar em projetos em várias cidades, entre elas Cascavel, Maringá , Foz do Iguacu e em praticamente todos os municipios da Regiao metropolitana. Fora do estado tabém em muitos projetos. Atualmente na minha colecao já sao 54 cidades e para mim o mais importante depois de Curitiba foi trabalhar na implantacao do sistema de Trólebuses de Quito, na verdade o primeiro fora do Brasil do que hoje se denominou chamar de BRT. Depois veio o Transmileno. Atualmente trabalho na cidade do México no CTS- Centro de Transporte Sustentavel, conduzido por uma brasileira, Adriana Lobo e estamos desenvolvendo projetos para varias cidades do Mexico, inclusive o terceiro corredor do chamado Metrobus. O que mais me gostou foi que um companheiro busólgo está resgatando a história dos transportes no Brasil. Agora em janeiro esteve aqui um senhor chamado Humberto que me presenteou o livro do professor Waldemar Stier , que assim como o Adriano Murgel Branco muito fizeram pela manutencao dos trólebus. Aqui no Distrito Federal racionalizara o sistema eliminando algumas linhas, porém reformando carros de 11 ou 12 anos e programando-os para rodar em carris exclusivos. Válido, e muito válido mesmo o teu blog. Torco para que seja mantido no ar. Aqui em CTs estaremos a disposicao para intercambiar informacoes sempre que seja necessario.
    Um grande abraco e siga em frente velho busólogo de guerra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s