Quero só o comercial de margarina

 

Por Abigail Costa

Tirei um tempinho nesses dias para uma função diferente: pesquisadora. Nada de laboratório e ampolas. Que pena!

Diante dos meus amigos, da manicure, na fila do caixa do supermercado. Só faltou a prancheta.

“Você está se sentido cansado? Desanimado? Tem que levantar e o corpo pede mais cama?”

Quando a resposta era positiva, isso aconteceu na maioria das vezes, me sentia um pouco mais animada. Era como se eu não estivesse sozinha no mundo do não-quero-fazer-nada.

Ouvi justificativas para o caso.

“Em certos períodos isso é normal mesmo … às vezes a gente precisa de um tempo”.

Mas o que me fez pensar no que estava me incomodando veio da minha querida Maria Lúcia:

“Muitas pessoas estão focadas para um lado ruim que acaba contaminando todo o resto”.

Isso mesmo.

Pregamos o melhor e fazemos diferente.

Quer um exemplo?

Você está se sentindo de bem com a vida? Ligue a televisão no noticiário. Pronto, o terapeuta ganhará mais um paciente.

Jesus! Que coisa mais perversa! É tanto tiro que uma das balas teima em furar a tela da minha 40 polegadas!

Aí o engravatado roubou. O outro mesmo comprovado o crime não foi punido e voltou pra casa. E o sujeito está largado na maca do hospital enquanto a vinheta das eleições já começa a rolar no espaço reservado para a propaganda de margarina.

Falando em margarina. Nem gosto tanto do produto só que ADORO quando aqueles segundos vão ao ar! Adoro ver a família na mesa, aquele sol da manhã entrando pela janela, o pão quentinho saindo fumaça …

De volta as tragédia rotineiras. Outra descoberta da minha pesquisa.

Todos se queixam das notícias sangrentas. Querem a boa notícia. Mas se “eles” exibem, diariamente, o que a gente está careca de ver é porque tem mercado pra isso. Caso contrário, o Ibope registraria queda na audiência.

Entre não querer ver e assistir tem uma longa distância.

Então, mesmo que você se proponha a só prestigiar o “comercial de margarina”, tem sempre um mensageiro do apocalipse:

“Você viu? Que coisa, não, estamos perdidos”.

Pra terminar minha “terapia em conjunto”, o caos é quando o marido chega pra você todo carinhoso e diz:

“Amor, temos que economizar”.

Pronto! Aí me mundo caiu de vez! Pior que desta vez, ele tem razão.


Abigail Costa é jornalista e escreve às quintas-feiras no Blog do Mílton Jung

6 comentários sobre “Quero só o comercial de margarina

  1. Adorei a terapia. Não me senti sozinha no mundo. Mas acho que podemos mudar as coisas.. e fazermos aquilo que nos faz bem. Sabemos que os problemas existem, mas cabe a nós escolher que eles façam parte das nossa vidas, ou não. Não! Eu escolho ser feliz, sempre! Ao lado da família margarina, dos amigos que nos remetem ao cenário margarina… OBRIGADA!!!!

  2. Abigail, é tudo verdade! Amei ler o que vc escreveu, até achei que estivesse me plagiando eh,eh,eh (brincadeirinha).
    Mas acho que não há tanto Ibope assim no tocante à violencia não. É que nosso Paizzzz rapidamente se transformou nisso.
    Crianças mortas, mal tratadas, estupradas, abusadas, usadas. Pessoas assassinadas, torturadas, sequestradas por pessoas da mesma família.
    Vizinhos horríveis que invadem seu espaço, torturam todos com excesso de ruídos, depredam irresponsavelmente seus imóveis colocando em risco a vida dos outros.
    De repente, me vi acessando no blog do Millôr Fernandes, dentro da secção de Humor do UOL, um link dele com o título Internet nota 10! E fiquei l i t e r a l m e n t e feliz! Há inúmres pessoas que curtem belas paisagens, boas músicas, maravilhosas fotografias, que podem pela Web, visitar museus espalhados pelo mundo e ir à Africa sem sair de suas casas. Então eu lhe pergunto: não se trata de uma falta de saber “dosar” as notícias e de saber “ter” criatividade para buscar outras informações que não sejam ” o empresário que deu certo” ” o lider da comunidade que inventou uma casa com material reciclado ” ” a professora que inventou um método para não ser agredida pelos alunos em uma escola pública” ” a l i n d a pixação de uma parede que antes era branquinha da cor da neve….” Deus meu. Vamos reagir a tudo isso. Como vc reagiu em sua bela crônica. Não só de margarina, mas também de que nos transportem a outros lugares, culturas e tipos de arte que nos tirem da mesmice que está acabando com nosso bom gosto e nos causando um enorme stress.

  3. Abigail, tenho a impressão que esta opção de boa parte da midia pela notícia ruim. Desastres ecológicos, crimes, assaltos,etc, é em função do mercado consumidor, ou leitor.
    Há certamente uma relação entre cultura e erudição versus ignorância e desinformação.
    Para apreciar o bom e o belo é preciso ter informação e educação.
    Daí, as emissoras populares, os jornais que espremendo pode sair sangue, etc
    Ainda bem que as opções de boa midia aumentam. Há internet, TV a cabo, filmes, etc

  4. Ola Abgail

    Aproveito o seu exelente artigo para também chamar a atenção sobre mais um ítem que está invadindo lares, principalmente das familias mais humildes, carentes, da distante periferia.
    As “supostas igrejas evangélicas”
    Em seus programas veiculados em várias radios, “pastores, bispos”, prometem mundos e fundos, a realização de milagres.
    Com suas vozes roucas e esganiçadas, chegam a “chorar” em seus programas dizendo que se o ouvinte, fiel não “colaborar” com a tal igreja ou denominação, o seu programa correrá o risco de sair do ar e assim, milagres, etc não poderão mais ser realizados.
    E o povão, sem mais onde se agarrar em seus momentos de desespero, de desalento vai depositando o suado dinheirinho nas contas bancárias das “tais denominações”, dentre milhares que existem e estão sendo criadas diariamente graças as facilidades oferecidas pela nossa legislação ao interessado em criar mais uma suposta “igreja”

    Abraços
    Armando Italo

  5. A internet é o meio de comunicação mais completa , é uma ferramenta de pesquisa, interatividade e vai por ai. O rádio e a tv são os avós desse meio . Nada mais justo darmos uma atenção maior a eles. Quando Abgail, você fala da ditadura da audiência , do sensacionalismo , de notícias e mais noticias abordando as desinteligências sociais , penso em uma música do célebre compositor Frank Zappa ¨I m de Slime¨ Eu sou a lama
    Eu sou bruto e pervertido
    Eu sou obcecado e desordenado
    Eu já existo há anos
    Mas muito pouco mudou
    Eu sou a ferramenta do Governo
    E da indústria também
    Porque eu sou destinado a governar
    E regular a você

    Eu posso ser vil e pernicioso
    Mas você não pode desviar o olhar
    Eu faço você pensar Eu sou delicioso
    Com as coisas que eu digo
    Eu sou melhor que você pode conseguir
    Você já adivinhou quem eu sou?
    Eu sou a lama que escorre para fora
    De seu televisor

    Você vai me obedecer, enquanto eu te levar
    E comer o lixo que eu te alimento
    Até o dia em que não precisarmos de você
    Não vá pedir ajuda. . . ninguém vai atender você
    Sua mente está totalmente controlada
    Ela Tem sido recheada em meu molde
    E você vai fazer o que lhe é dito
    Até os direitos para você são vendidos

    Está certo, Nação…
    Não toque aquele marcador

    Bem, eu sou a lama do seu vídeo
    Escorrendo ao longo do chão de sua sala

    Eu sou a lama do seu vídeo
    A lama nao pode parar, gente, Me olhe, vai

    Bem, eu sou a lama do seu vídeo
    Escorrendo ao longo do chão de sua sala

    Eu sou a lama do seu vídeo
    A lama nao pode parar, gente, Me olhe, vai

    Os interesses estão acima da ignorância, da falta de cultura, de dinheiro , da falta de vergonha na cara. A televisão brasileira não tem escrúpulos quando se trata de audiência.

  6. Oi Abigail. Me diverti com seu comentário e sua pesquisa.
    A desculpa de que a imprensa mostra o que o povão quer ver, sempre me incomodou. Pensando assim, a gente acaba entendendo que a imprensa não investiga, não apresenta nada de novo. Apenas ‘noticía’ o caso comum, o Bang-bang do dia. E estaremos voltando aos tempos do “Notícias Populares” que não se podia colocar debaixo do braço porque escorria sangue (e era campeão de vendas…).

    Eu vou ficar muiiiiito muito feliz mesmo no dia que a imprensa se unir para documentar o que vive o país.
    Eu ainda acredito que teremos o prazer de ver, ler e ouvir notícias que digam respeito a julgamentos finais de todos os casos de roubo, caixa 2, desvios de verba, enriquecimentos, fraudes, etc que tenhos “ouvido falar” nos últimos anos e que tanto amargam nossas gargantas (nem margarina tira esse gosto).
    EU ACREDITO!
    (também acredito em Papai Noel)
    Um grande abraço de energia,
    Luiz Manse

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s