De arte

 

Por Maria Lucia Solla

 

 

é o representante do povo
um indivíduo legal
é ele que escolhe a rota
ou sou eu que norteio
a ausência do meu sonho
pelo seu desmando

 

penso no que conheço
e naquilo que desconheço
e me vem de pensar no crime e na justiça social
na escolha e no escolhido
e me vem de chorar
de fatos tristes lembrar
sem compreender
encolhida tolhida sofrida
pelo  homem que rapina e o que é rapinado
o que assassina e o que é assassinado
pelo agressor e o agredido
que vivem nas margens virtuais e opostas do mesmo rio
afogados e estufados de razão
altivos nocivos agressivos
mumificados

 

na cena da tv
vejo o bandido que é triste de ver
feio na minha visão
que na sua não-aceitação
do que considera oposto 
me leva a retroceder

 

e retrocedendo percebo
que o que não gosto nele
é o que não gosto e reprimo em mim

 

no tempo em que bando se armava
de palavra lápis e papel
era o estado reconhecido
a banda aceita por quem lhe era fiel
que trucidava e escondia no porão
onde jazia o dito ilegal
que acabava morto 
por valoroso federal

 

tudo meio legal
valendo
e acontecendo
em dia de trabalho e no Natal
um sem-fim de ossada
enterrada na surdina
e haja família destroçada

 

hoje é ainda
o colarinho branco meio legal
que prepara o mingau indigesto
é a banda podre e marginal
que atiro sem dó no lixo
como se podre fosse mesmo o que é
apagando do meu pensamento
o que quero e desconsidero

 

não é arma nem repressão
inconformismo
e muito menos agressão
que vão resolver nossa situação

 

na verdade considero
a arte e não a dor
o poder civilizador
e não sou eu quem o digo
mas o francisco que me disse que quem disse
foi Oscar o Wilde
e eu que nada sou
os bendigo.

 


Maria Lucia Solla é professora, realiza oficinas de Desenvolvimento do Pensamento Criativo e de Arte e Criação. Aos domingos escreve no Blog do Mílton Jung

10 comentários sobre “De arte

  1. Mama,

    Que sejamos dignos de traçar os rumos de nossas vidas, em consonância com nosso Ser Interno.

    Que sejamos atentos o suficiente para perceber o que nos cerca, e buscar em nosso Ser Interno, o discernimento.

    Que tenhamos forças para manter a Chama de nosso Ser Interno acesa e com ela nos manter aquecidos e vivos.

    Que sejamos capazes de encontrar o eixo de nosso Ser Interno e alinhar nossa matéria em harmonia com o Universo.

    E que o amor que brota de nosso Ser Interno possa encontrar nossas portas para o mundo sempre abertas… permitindo que seja irradiado para todos nossos irmãos…

    …os de colarinho branco também!

    Te amo Mama!

    Pi

  2. Filho,

    entre cozinhar, lavar louça, aspirar, arrumar, ler, estudar, escrever, aprender e ensinar, correr atraz dos meios para me sustentar, regar as plantas, manter a chama das amizades acesa, eu tento isso tudo que vc disse, mas às vezes cai a minha conexão com meu ser interno e o externo acaba frágil e assustado. Quem sabe um dia, numa vida anterior ou posterior, nas ondas do tempo desregrado…

    Amo você muito também,
    mm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s