Apple, a crítica e o “UAU”

 


Por Carlos Magno Gibrail

 

 

A expectativa para o lançamento do iPhone 5 da Apple não decepcionou. A atenção foi grande, mas a recepção pela crítica especializada foi diferente dos bons tempos de Steve Jobs. A revista Wired avaliou o iPhone 5 como “completamente incrível e totalmente tedioso”, e considerou que agora na Apple “revolução se torna evolução”. O Wall Street Journal intitulou assim o artigo sobre o aparelho: “O iPhone 5 é entediante?”. A revista Veja usou a frase da Wired: “evolução sem revolução”, que a atribuiu aos corredores da Apple.

 

Tim Cook, o substituto de Jobs, ao optar por uma cenografia semelhante a do antecessor, com direito a jeans e camiseta preta, ainda que focado na melhoria do produto, estratégia básica da Apple, foi lida como um evolucionista e não um revolucionário pelos jornalistas do ramo. Uma das raras interpretações diferenciadas foi de Ronaldo Lemos, colunista da Folha, que associou o sistema da Apple similar ao da Moda, ao acelerar a obsolescência e estabelecer faixas de preços hierárquicas, como alta costura, prêt-à-porter e fast fashion, na medida em que baixou os preços dos produtos já existentes.

 

Com a certeza de que a ausência de Steve Jobs não deveria ser sentida agora, pois empresas inteligentes possuem planos para no mínimo cinco anos, busquei a opinião de quem entende de Apple.
Sergio Miranda, jornalista e editor da Mac+. Ele também crê que a ausência de Jobs poderá ser sentida somente depois deste período. Ao mesmo tempo em que lembra a pressão da mídia procurando antecipar as novidades, tendo chegado às vésperas do lançamento sabendo praticamente tudo o que seria mostrado. Daí a impressão de tédio ou falta de emoção. O “UAU” não veio. Miranda registra que já era de Steve a orientação para o produto, pois considerava que o consumidor não sabia o que queria. Por isso na sua volta à Apple procurou centrar a atenção em poucos produtos e lançar novidades depois de exaurir em qualidade e aplicação os existentes. Ainda segundo Miranda, há novidades previstas planejadas por Jobs, tanto em termos de hardware como de software para os próximos quatro anos, porque um já se foi.

 

A verdade é que ontem as informações reais sobre a reação do mercado consumidor atestam a assertiva da Apple e contestam a dos especialistas. Tal qual no cinema, na moda e em muitas outras áreas. Os filmes dos críticos não dão bilheteria, a preferência dos estilistas não vende para o grande público. Foram encomendados dois milhões de iPhones 5 em 24 horas, batendo todos os recordes anteriores.

 

O “UAU” veio. De quem interessa.

 

Carlos Magno Gibrail é mestre em Administração, Organização e Recursos Humanos, e escreve às quartas-feiras, no Blog do Mílton Jung

2 comentários sobre “Apple, a crítica e o “UAU”

  1. Bom dia Carlos,
    faz alguns anos troquei os sistemas de automação em casa e entrei no mundo de Jobs. Na época, tudo muito mais fácil de configurar e muito mais intuitivo apesar de igualmente muito mais caro.
    Acontece que de uns tempos pra cá são tantas as tentativas de revolucionar e antever a necessidade do usuário que por vezes fico perdido com máquinas que fazem o que querem fazer e ainda me submetem a ter que aprender um jeito novo de ser.
    Gosto de praticidade mas detesto perder tempo configurando computadores. E no meio de tanta revolução, encontrar soluções que atendam a minha necessidade sem me transformar noutra pessoa está cada vez mais complicado do lado Maçã da força.
    Solução pra mim? Jailbrake neles!
    Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s