O rádio em que narrei meus jogos de botão

 

Por Milton Ferretti Jung

 

Graphic13454

 

Em sua última Avalanche Tricolor antes do recesso do futebol dos clubes – o que mais me agrada,diga-se de passagem – o Mílton filho me surpreendeu quando, no seu blog,a foto que ele usou me despertou o tipo de saudade que vai e que vem e, mesmo às vezes tardando, ressurge na minha mente. Ocorre que ele colocou uma foto de seus velhos botões,inclusive com o rosto do Danrlei em um deles.

 

Para quem não leu a Avalanche que me trouxe boas lembranças,explico que os “jogadores” eram azuis e o Mílton,no seu texto,escreveu que eles deveriam estar em algum lugar entre Porto Alegre e São Paulo. Disse-lhe que estavam comigo,guardados há não sei quantos anos. Valeu a pena o meu zelo não apenas com esses botões azuis,mas com todos os demais,guardados com carinhoso cuidado em uma caixa de sapatos,na companhia das goleiras,essas roídas e cansadas de tanto esperar por Danrlei.

 

O meu passado com botões é bem mais antigo do que o do Mílton. Os meus primeiros adversários em campeonatos e amistosos ocorreram no pátio da minha casa,na inesquecível Rua 16 de Julho. Não é só dos botões que lembro com saudade,mas dos meus adversários,amigos que cultivei até e mudar de residência. Deixei a casa paterna e fui morar sozinho já me considerando maduro e pronto para casar com Ruth,cujo pai,que era construtor,havia erguido um pequeno edifício. Casei e,finalmente,fiquei acompanhado pela minha jovem mulher.Jacqueline e Mílton nasceram quando ainda morávamos na Cairu,ambos no Hospital Cristo Redentor. O Christian veio à luz no Moinhos de Vento.

 

Com um ano,o Mílton fez companhia aos pais e aos irmãos.Então,havíamos nos mudado para a Saldanha Marinho. Os botões do Cruzeiro,Grêmio,Barcelona e Santos,foram chamados à luta novamente. Os amigos de minha infância ficaram na 16 de Julho. Eu já estava na Rádio Guaíba. Primeiro,jogávamos na casa de um deles. Depois,nas mesas da Associação dos Cronistas Esportivo. Os meus adversários eram os colegas da Guaíba e do Correio do Povo.

 

Sou obrigado a confessar que o episódio mais marcante deste botonista teve lugar na mesa do pátio da casa da 16 de Julho. O meu pai comprara um rádio – o Wells – importado dos Estados Unidos.Descobri, não queiram saber como, que o aparelho possuía uma entrada para toca-discos. Não sei o que deu na minha cabeça,mas resolvi plugar um par de fones de ouvido na tal entrada. Usei um dos fones como se fosse um microfone e,”milagre”,a minha voz saiu clara pelo alto-falante do Wells. Os vizinhos não devem ter ficado contentes com a narração dos nossos jogos de botão feitas por mim.

 

Não recordo se foi nos fones de ouvido que, pela primeira vez, ouvi minha voz não no “rádio”. Logo eu estava dando pitacos na “Voz Alegre da Colina”. Com certeza, foi a primeira vez que falei alto e bom som em um microfone de verdade. “A Voz Alegre da Colina” foi o primeiro movimento para que se angariasse fundos destinados a fazer da igreja situada no topo de uma colina a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus.

 

Depois disso,parei de bancar o locutor:fiz um teste na Rádio Canoas,passei e nunca mais deixei o rádio tendo trabalhado apenas em duas emissoras:a Canoas e a Guaíba.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista,radialista e meu pai. Às quintas-feiras, escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

3 comentários sobre “O rádio em que narrei meus jogos de botão

  1. Pingback: E Atenção Ouvintes: o Rádio falou! Milton Ferretti Jung | Caros Ouvintes

  2. Alô meu caro Milton Jung, o incomparável, insubstituível e eterno Correspondente Renner da nossa saudosa Rádio Guaíba, a eterna rádio dos sonhos. Rádio dos sonhos, aliás, título de um pequeno texto que escrevi e enviei para os diretores da Guaíba/Universal, pedindo apoio para escrever um livro contando a história da Rádio, desde sua fundação, principalmente dos seus anos de ouro, até o início da decadência com a progressiva falência de Breno Caldas e o império da Caldas Júnior. Logicamente, nunca recebi resposta, pois não conhecem, nem sonham ou podem imaginar, o que foi a passagem e toda a história de uma das maiores emissoras de rádio do Brasil, em todos os tempos. Sem apoio, nem da família Bastos, inicialmente, nem do Grupo Record/Universal, posteriormente, desisti, ao menos, temporariamente, do projeto “história da Rádio Guaíba”.
    Dediquei os últimos sete anos para contar parte de outra história que também muito me apaixona, pois é o meu hobby preferido, há somente 60 anos ( estou com 71 primaveras ). O compêndio ficou pronto em dezembro passado, depois de uma batalha inglória para publicação, devido seus altos custos, inalcançável para meus orçamentos. Mas fiz um empréstimo consignado na Caixa Federal, onde recebo minha aposentadoria e consegui, finalmente, entregar o livro para o mercado de botonistas e ex-botonistas. Lembras quando te pedi autorização para reproduzir teu texto publicado no Correio do Povo de antigamente ? Permissão concedida, a crônica foi reproduzida e consta na minha compilação.
    Agora preciso te levar o livro, pessoalmente, e extraviei até o teu endereço de email, ficando incomunicável. Preciso que me mandes os teus endereços atualizados: residencial ( fiquei sabendo pelo blog do amigo comum Prévidi, da tua mudança para a Zona Sul da Capital ), casualmente, onde tenho uma filha morando na rua Liberal, 643 – casa 9 – Tristeza, com a qual residi durante 3 anos ), telefones e email para novos contatos.
    Na Rádio Guaíba chegamos a conversar rapidamente, ocasião em que falaste que ainda tinha uma velha mesa de futebol de botão e os teus times guardados. Se o teu endereço atual é próximo do Clube Bandeirantes ( rua Landel de Moura, 847 – 821 ), neste local montamos um departamento de Futebol de Botão com espaço para 16 mesas oficiais, Regras Gaucha, Unificada e Baiana/Brasileira. Não me adaptei às distâncias da Zona Sul, voltei a residir no Centro da cidade onde morei 40 anos, mas continuo jogando no Clube Bandeirantes duas ou três noites na semana e sábados ( manhã ou tarde ).
    No livro de 320 páginas pesquisei e fiz uma compilação dos melhores textos, crônicas, histórias publicadas no mundo do futebol de botões, em todos os tempos, repartindo matérias minhas com botonistas e ex-botonistas do nível de Luis Fernando Veríssimo, David Coimbra, Ruy Carlos Ostermann, Fabrício Carpinejar, Kledir Ramil, Chico Buarque de Holanda, Paulo Bosco (escritor brasileiro radicado em Nova York), Marcelo Suárez Garcia e Carlos Espada ( cronistas espanhóis das Astúrias e Valência).
    Lamentei não ter tomado conhecimento do teu texto acima, mas se sair uma nova edição, certamente será incluído.
    Saudações botonísticas. Enio Seibert. Email: enioseibert@hotmail.com – fone 3013.5565

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s