O padre que morreu no altar

 

Por Milton Ferretti Jung

 

padre

 

Faz muito tempo que este que lhes escreve começou a bancar o radialista. Sim, bancar, porque os fones da galena do meu avô ,o seu Adolfo, surpreendentemente, enfiados na entrada do toca-discos do Wells, rádio que o meu pai importou dos Estados Unidos, produziram o que eu imaginava pudesse ocorrer: viraram microfone e até que tinham um som bem mais forte do que era esperado. Da descoberta da utilidade deles à primeira narração de um jogo de botões feita por mim.

 

Eu estava longe de ser o que pretendia: trabalhar como locutor de rádio. Já contei essa história e, se ela foi lida por alguém, me perdoem: a Rádio Canoas (que nunca fez jus ao nome do município que deveria ser a sua sede) buscava locutores. Alistei-me aos que fizeram teste e, para minha surpresa, fui aprovado.

 

Já havia passado pela Voz Alegre da Colina, um serviço de alto-falantes que era usado nas quermesses que visavam obter o suficiente para iniciar uma igreja, cujo nome já se sabia: Igreja do Sagrado Coração de Jesus.Em uma das quermesses comecei a namorar aquela que seria minha mulher. A igreja demorou, mas o trabalho dos paroquianos e do Padre João Mascarello, seu primeiro vigário, permitiu o seu crescimento. O tempo passou, casei com Ruth e saímos das casas paternas para morar no Menino Deus. Minha primeira mulher faleceu e fui morar na Assunção com Maria Helena.

 

Chamou-me a atenção encontrar uma Igrejinha que tinha o mesmo nome do seu padroeiro, isto é, Igreja do Sagrado Coração de Jesus. Imaginava que não pudessem existir duas paróquias com o mesmo nome. Mas não havia nada que proibisse isso.Localizada no alto da Rua Padre Reus, com uma pracinha com poucas árvores e um pároco que, logo descobri, ficava na porta da Igreja à espera dos que chegavam para assistir a uma das tantas missas dominicais.

 

Nunca vou esquecer a solidão enfrentada por José Werle (só agora fiquei sabendo seu sobrenome),que trabalhou sozinho e, mesmo assim,estava se esforçando para terminar uma casa, que serviria para reunir crianças nas catequeses e para outras finalidades. Padre José não se queixava da falta de um padre que o ajudasse de maneira permanente. O Padre enfrentou problemas de saúde,nada, porém, que lhe tirasse o ânimo.

 

Nesse domingo, 25 de outubro,na missa das vinte horas, que transcorria normalmente e estava quase terminando, Padre José,que tinha por hábito fazer uma pausa e, após,convidar os paroquianos para rezar mais um pouco, ergueu-se e não conseguiu iniciar aquela que seria a sua última oração: caiu,inconsciente no altar, mas,embora socorrido por dois médicos que assistiam à sua missa, não resistiu e morreu. O Padre José, que estava satisfeito por ver a sua Igreja lotada de paroquianos,com certeza, me arrisco a dizer, teve a morte que havia pedido a Deus. Será muito difícil o substituírem. Ele era um verdadeiro “herói de Cristo”.

 


Milton Ferretti Jung é jornalista, radialista e meu pai. Escreve no Blog do Mílton Jung (o filho dele)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s