Conselho Participativo: pseudodemocracia?

 

Por Márcia Gabriela Cabral
Conselheira participativa, advogada
Integrante do Adote um Vereador

 

Em-curso-de-formacao-membros-do-Conselho-Participativo-da-cidade-de-Sao-Paulo-discutem-novo-Plano-Diretor-foto-Heloisa-Ballarini-Secom-PMSP201408230002

Conselheiros tomaram posse dia 25 de janeiro, Foto: Heloisa Ballarini/ Secom/ PMSP http://fotospublicas.com

 

O Conselho Participativo Municipal de São Paulo foi criado, em 2013, pelo prefeito Fernando Haddad, por tratar-se da meta 114 do Programa de Metas da cidade. É um mecanismo de controle social no qual os conselheiros acompanham e fiscalizam a atuação da Administração Pública Municipal. Existem 32 conselheiros participativos que atuam na área territorial das respectivas Subprefeituras. As reuniões são abertas ao público, contam com a presença de representantes da Prefeitura e ocorrem mensalmente.

 

A lei que criou o Conselho Participativo estabeleceu que o mesmo tem caráter transitório, pois foi criado a fim de substituir os Conselhos de Representantes até que estes possam validamente existir e estarem em funcionamento, uma vez que o Ministério Público, em 2005, questionou a constitucionalidade da Lei dos CRs, que está suspensa aguardando decisão definitiva do STF.

 

Assim, o Conselho Participativo é uma política de governo e não de Estado e, deste modo, a sua manutenção dependerá do entendimento do prefeito que estiver à frente da Administração da cidade. A solução para o caso é o chefe do Executivo editar lei específica. Diante disso, o prefeito Haddad, no início da gestão, disse que iria apresentar tal lei. No entanto, o prefeito já está no fim de seu mandato e ainda não apresentou projeto de lei para validar definitivamente o Conselho Participativo.

 

O que estaria aguardando, o prefeito Haddad?

 

Observa-se que a principal diferença na legislação pertinente aos Conselho de Representantes e  Conselho Participativo é que no primeiro é obrigatória a filiação partidária, ao passo que no segundo isto não é necessário.

 

Portanto, o Conselho Participativo cumpre a finalidade da soberania popular, pois não vincula o cidadão a partido político, requisito este da democracia representativa; entretanto, estamos versando a respeito de mecanismos de controle social, por conseguinte, trata-se de democracia semidireta/participativa. Ainda, tal pressuposto cerceia o direito de qualquer cidadão fiscalizar a atuação da Administração Pública.

 

Espera-se, então, que a Lei dos Conselhos de Representantes seja declarada inconstitucional e o prefeito apresente lei específica, mas que seja com o conteúdo atual, para que o Conselho Participativo se torne de caráter permanente e seja um efetivo instrumento de controle social.

 

Embora o Conselho Participativo tenha sido criado neste mandato, questiona-se se esta gestão dá condições para que este instrumento atue de forma efetiva e eficiente.

 

É notória a falta de conhecimento e interesse por parte da população a respeito da existência do Conselho Participativo. Basta avaliarmos o número ínfimo de eleitores que compareceram nas duas eleições do Conselho Participativo. Observa-se que do eleitorado paulistano, o comparecimento foi de apenas 1,5% e 0,5%, respectivamente, logo, houve uma enorme queda na participação.

 

Há representatividade e/ou significância um mecanismo com tão baixa performance?

 

Isso se dá devido a falta de divulgação de forma ampla e em meios de comunicarão de massa. Talvez seja assim exatamente para que a população não faça uso adequado de seus direitos de fiscalizar, influir, cobrar e indicar os serviços públicos.

 

Outro ponto é a organização e estrutura dispensadas pela Administração Municipal ao processo de eleição do Conselho Participativo, que foi feita de forma totalmente manual, inclusive a apuração, que perdurou por cerca de 16 dias, pois havia falta de recursos humanos, de metodologia e de organização.

 

A criação dos Conselhos de Representantes vem de projeto de lei de 1991, o que demonstra a falta de interesse das autoridades, pois há mais de duas décadas trava-se o embate na criação deste mecanismo de controle social, que pode ser declarado nulo, por vício formal de criação, ou seja, por incompetência dos legisladores paulistanos.

 

Assim, observa-se que a regulamentação precária dos instrumentos de participação esvazia a democracia. Há que se refletir se situações como estas dos Conselhos de Representantes incidem de caso pensado a fim de protelar o efetivo exercício da cidadania. Nota-se que os representantes do povo, dificultam ao máximo a participação dos cidadãos. Não é a atoa que a participação política é anêmica.

 

É sabido que os inúmeros mecanismos de participação e controle social existentes são frequentemente meros instrumentos decorativos. Ou seja, embora tenham sua magnitude,o resultado efetivo muitas vezes não é satisfatório.

 

Seria mera demagogia, o Conselho Participativo?

 

Ludibriam o cidadão ao dar a ele a ilusória sensação de que influenciam na atuação do Poder Público?

 

Diante do explanado fica a reflexão: o Conselho Participativo trata-se de uma pseudodemocracia?

 

5 comentários sobre “Conselho Participativo: pseudodemocracia?

  1. A democracia participativa é uma processo em construção. Se o Conselho Participativo será um órgão de controle social, que possa influir na formulação de políticas públicas, se ele vai representar verdadeiramente a sociedade civil vai depender da qualidade, persistência e paciência dos conselheiros eleitos. Vereadores, servidores públicos e gestores não gostam de ver gente “de fora se intrometendo” onde eles podiam agir livremente pois só “prestavam contas” de 4 em 4 anos. Questionar a existência dos Conselhos Participativos em sua segunda gestão é não lhe dar o tempo necessário para sua maturação. Uma sociedade que clama por eleições livres para não ter que votar, num momento que pessoas passam a defender abertamente a volta da ditadura, torna cada vez mais difícil a construção dessa democracia participativa. Mas para quem acredita nela, inclusive como melhor maneira de combater a corrupção, só nos resta insistir e persistir nesta construção.

    • A matéria não questiona meramente a existência do Conselho Participativo Municipal, mas sim sua finalidade.

      Ainda, analisa a transitoriedade do mesmo, bem como seu futuro incerto, devido tratar-se de mera política de governo.

      Questiono-lhe: será que o Conselho Participativo terá o “tempo necessário para sua maturação”? Ou será extinguido antes disto ocorrer?

      • Pode ser extinto antes do tempo necessário para sua maturação sim. É uma pena que seja considerado apenas política de governo e não de Estado. Assim como a Lei de Responsabilidade Fiscal e a Lei de Acesso à Informação, a construção de mecanismos de controle da máquina pública deveria ser mais acessível à sociedade civil. Que a classe política e burocracia estatal sejam contra a criação de órgãos de controle é compeensível. Triste é ver a sociedade civil abrir mão da participação política e de seu papel fiscalizador do Estado. Reclamar da corrupção é fácil. Árduo é criar mecanismos de controle e exercer a cidadania não só reclamando mas trabalhando para que a corrupção não ocorra.

  2. O Conselho de Representantes surgiu em meio a discussão sobre a criação das subprefeituras em substituição das administrações regionais. Seria uma espécie de versão regional da prefeitura e da câmara de vereadores, por isso nunca teve o apoio incisivo dos parlamentares, que temem perder representatividade. Se o CR for realmente ativo e influenciador, o cidadão vai recorrer aos conselheiros e não aos vereadores. A estes caberia o papel de pensar a cidade de forma globalizada, o que restringiria a atuação paroquial que costumam dar aos seus cargos. Concordo com a ideia de que esses representantes deveriam ter o direito de apresentar candidaturas avulsas, sem dependerem de partidos políticos.

  3. Creio que o “Adote um Vereador”,se entendi bem,não agrada aos edis que temem as cobranças que são feitas visando a qualidade do trabalho – ou da falta dele – dos “adotados”. Pior do que,na minha Porto Alegre,não há como se saber se o programa faria sucesso,eis que precisa contar com a disposição dos vereadore que faz “parte do jogo”. Aqui,ninguém teve coragem ou coisa que o valha, para enfrentar os vereadores da Capital gaúcha para se descobrir se gostariam da ideia.

Deixe uma resposta para Milton Ferretti Jung Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s